Dia dos Povos Indígenas

O apelo de Guterres: “Amplificar as vozes das mulheres indígenas”

| 9 Ago 2022

Uma mulher indígena Guarani, da comunidade de Tentaguasu, na Bolívia, tecendo com folhas de palmeira, em dezembro de 2021. Foto © WFP Bolivia/Ananí Chavez

Mulheres indígenas Guarani, da comunidade de Tentaguasu, na Bolívia, tecendo folhas de palmeira, em dezembro de 2021. Foto © WFP Bolivia/Ananí Chavez

 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que as vozes das mulheres indígenas sejam amplificadas, num passo fundamental para alcançar um futuro justo para todas as pessoas.

Este apelo foi feito numa mensagem para assinalar o Dia Internacional dos Povos Indígenas do Mundo, que se celebra anualmente a 9 de agosto, num ano em que o foco está no papel das mulheres indígenas na preservação e transmissão do conhecimento tradicional.

“As mulheres indígenas são detentoras do conhecimento dos sistemas alimentares e dos medicamentos tradicionais. Elas são campeãs das línguas e das culturas indígenas. Elas defendem o meio ambiente e os direitos humanos dos povos indígenas”, disse Guterres. “Para construir um futuro equitativo e sustentável que não deixe ninguém para trás, devemos amplificar as vozes das mulheres indígenas”.

O conhecimento tradicional indígena pode oferecer soluções para muitos desafios globais comuns, sublinhou o responsável máximo da ONU, lembrando a sua recente visita ao Suriname, onde aprendeu como as comunidades estão a proteger a floresta tropical e a sua rica biodiversidade.

Guterres instou os países a implementarem a histórica Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas e a promoverem o conhecimento tradicional indígena para o benefício de todos.

 

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa

Segundo dia na RD Congo

“Romper a espiral da violência” é uma opção, garante o Papa novidade

“Esengo – alegria!” Assim iniciou Francisco a sua homilia na missa da manhã desta quarta-feira, 1 de fevereiro, que decorreu no aeroporto Ndolo, em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC). E a mesma palavra descreve na perfeição o ambiente que se viveu do início ao fim da celebração. Um ambiente pleno de cor, música e dança, em que ressoou a mensagem do Papa: sim, a paz é possível, se escolhermos “romper a espiral da violência”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This