Dia dos Povos Indígenas

O apelo de Guterres: “Amplificar as vozes das mulheres indígenas”

| 9 Ago 2022

Uma mulher indígena Guarani, da comunidade de Tentaguasu, na Bolívia, tecendo com folhas de palmeira, em dezembro de 2021. Foto © WFP Bolivia/Ananí Chavez

Mulheres indígenas Guarani, da comunidade de Tentaguasu, na Bolívia, tecendo folhas de palmeira, em dezembro de 2021. Foto © WFP Bolivia/Ananí Chavez

 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu que as vozes das mulheres indígenas sejam amplificadas, num passo fundamental para alcançar um futuro justo para todas as pessoas.

Este apelo foi feito numa mensagem para assinalar o Dia Internacional dos Povos Indígenas do Mundo, que se celebra anualmente a 9 de agosto, num ano em que o foco está no papel das mulheres indígenas na preservação e transmissão do conhecimento tradicional.

“As mulheres indígenas são detentoras do conhecimento dos sistemas alimentares e dos medicamentos tradicionais. Elas são campeãs das línguas e das culturas indígenas. Elas defendem o meio ambiente e os direitos humanos dos povos indígenas”, disse Guterres. “Para construir um futuro equitativo e sustentável que não deixe ninguém para trás, devemos amplificar as vozes das mulheres indígenas”.

O conhecimento tradicional indígena pode oferecer soluções para muitos desafios globais comuns, sublinhou o responsável máximo da ONU, lembrando a sua recente visita ao Suriname, onde aprendeu como as comunidades estão a proteger a floresta tropical e a sua rica biodiversidade.

Guterres instou os países a implementarem a histórica Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas e a promoverem o conhecimento tradicional indígena para o benefício de todos.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This