Precisamos de nos ouvir (12) – Paulo Pereira de Carvalho: O ar comum

| 22 Fev 21

Turquia, chuva, António José Paulino

“Estar vivo, sabemo-lo bem demais agora, é coisa de sopro que num instante se dissipa.” Foto © António José Paulino.

 

Pudéssemos nós ainda acreditar no poder redentor das pandemias e faríamos a lista do que aprendemos com esta e do que é necessário fazer politicamente a partir de agora num contexto diferente do anterior… mas sabemos, de antemão, que o tão publicitado Novo Normal nada trará de novo e que, pela parte de quem detém o poder, nos espera a tentativa desesperada de repor o Antigo Normal, segundo fórmula conhecida: a necessidade de uma Nova Austeridade e, assim que possível, o regresso à produção em massa e ao consumismo “para alavancar a Economia” – como se esta fórmula não tivesse revelado já, social e ecologicamente, a sua iniquidade!

Pudéssemos nós ainda acreditar nos frutos da palavra de cada um no Espaço Público e trocá-la-íamos aí empenhadamente com os nossos concidadãos, para, em conjunto, encontrarmos soluções… mas sabemos perfeitamente que, no seio do mundo viral da informação e da desinformação que faz toda a palavra equivaler-se, essa pequena palavra só acrescentará ruído à já ensurdecedora algaraviada sem-tom-comum das redes sociais e da Comunicação Social.

E, contudo, nunca como agora se impôs não cedermos à tentação das narrativas da catástrofe ou ao realismo ingénuo e suicida que cauciona tais narrativas. Seria intolerável silenciarmos definitivamente a esperança e aceitarmos, mudos, o que aqueles que governam o mundo decidirão por nós. E talvez seja esta a mais importante lição que, a contrapelo, a actual pandemia nos oferece: a de que o fatalismo é apenas uma versão do mundo e que não temos de a reproduzir…

É uma lição que nos chega a contrapelo, disse. Não é oferecida gratuitamente aos nossos corpos e seres como dádiva, mas, por assim dizer, como coisa roubada. Obrigados ao confinamento, ao uso de máscara e a acatar as medidas dos vários estados de emergência, vemo-nos forçados a repensar a liberdade (que tínhamos por garantida). De um momento para o outro, perdemos familiares e amigos, sem poder despedirmo-nos deles; vemo-nos privados do abraço, do aperto de mão, da carícia, da simples presença, do franco cara-a-cara, do sorriso uns dos outros; os que fomos infectados apercebemo-nos de que perdemos o olfacto e o paladar…

Intuímos, então, num sobressalto íntimo, que a própria natureza das relações humanas foi colocada entre parêntesis, como que suspensa por tempo indeterminado. A percepção de que éramos inquestionavelmente livres parece ter-se esvaziado no momento em que já não a pudemos exercer directamente com outros.

Comprometidos o tacto, o olfacto e o paladar – precisamente os sentidos da proximidade e da intimidade – parece não nos restar outra coisa senão intensificarmos a entrega aos órgãos habilitados para distância, ampliando o já vastíssimo império da visão e da audição diante de ecrãs onde as nossas imagens sociais e as dos outros continuam a ser selecionadas, filtradas, optimizadas e distorcidas a nosso bel-prazer.

Bem vistas as coisas, esta intensificação trata de compensar o desespero, já que de súbito ficou evidente de modo excruciante o que já sabíamos mas sempre tentámos esconder por detrás das vitórias e conquistas exibidas: que somos solitários, radicalmente frágeis e necessitados da atenção alheia. Esta solidão é assustadora e mais assustadora se revela quando, do outro lado, vemos devolvido, como num espelho, o nosso pedido de socorro na voz dos outros.

Todos estamos sós, obviamente, e os negacionistas das manifestações anti-máscara e das festas clandestinas, contestando-o, são mesmo quem com mais alarde o confessa. No fundo, todos fugimos desse “estado insuportável” de que fala Paul Valéry, dessa “intimidade com a vida”, dessas “quatro vidas interiores” que pressentimos como coisa terrível que nos habita e que mais não é do que a precariedade da nossa respiração. Estar vivo, sabemo-lo bem demais agora, é coisa de sopro que num instante se dissipa.

Mas talvez esta circunstância seja a oportunidade de saúde que Hölderlin via no perigo. (Em vez de saúde ele utiliza ainda a palavra salvação, mas, hoje mais do que nunca, faz sentido recuperar a etimologia comum às duas palavras, pois a salvação que está ao nosso alcance passa necessariamente pela saúde – seja ela física, mental, relacional, espiritual… ou ecológica.) O mesmo ar comum que agora nos mete medo, enquanto meio de transmissão da doença, é o que desde sempre foi: o lugar onde a vida se respira. O mesmo sopro vital que animou os mortos une e mantém os vivos. Todos os vivos – humanos e não humanos.

Istambul, Pato, Água, Animal, Margarida Paulino

“O mesmo ar comum que agora nos mete medo, enquanto meio de transmissão da doença, é o que desde sempre foi: o lugar onde a vida se respira.” Foto © Margarida Paulino

 

Talvez o afastamento a que nos vimos forçados tenha semeado, nuns e noutros, o recolhimento e a coragem de enfrentar a possibilidade de alternativas. Talvez, aqui e ali, durante os “passeios higiénicos”, entre arbustos e entulho, tenha nascido um pensamento dos baldios e uma outra intimidade com as coisas naturais e os bichos acossados. Pode ser que um verso tenha salvado uma vida, que a natureza híbrida de um líquen, uma vez escutada, desminta os tiranetes que voltam a falar de pureza.

As solidões estão cheias destes imponderáveis – que, contudo, secretamente se realizam a cada instante. Milagrosamente, apesar da tragédia que atinge os alicerces da humanidade, vivemos também um tempo propício à confidência e à palavra poética. Sabemos agora que só já nos são possíveis micro-acções e palavras sussurradas, mas também que elas se podem concertar num movimento discreto, porém actuante e poderoso – político, num novo sentido –, como as ervas daninhas que regeneram as ruínas.

Um pacto com o que é mais íntimo parece aguardar-nos, um pacto com a Vida que atravessa e irmana fungos, árvores, animais e humanos, um pacto celebrado segundo uma ética da mútua fragilidade. Saberemos responder-lhe vendo, para além da História das nações, o panorama sem fronteiras das interdependências humanas e não humanas? Saberemos responder-lhe vendo, para além da falência da ideia do crescimento económico, a necessidade inadiável da reparação e do cuidado quotidianos? Saberemos responder-lhe vendo, para além dos desastres da competição empreendedorista, os frutos da simbiose e da solidariedade? Saberemos responder-lhe vendo, para além da exigência da liberdade de movimentos e de expressão, a liberdade de nos ligarmos e comprometermos? Saberemos responder-lhe vendo, para além da fatalidade do trabalho esgotante, a alegria inadiável do ócio e do reencontro? Teremos capacidade para uma metanoia com reflexos efectivos, ainda que secretos, no mundo?

Por estranho que pareça, tais respostas não são difíceis de dar. Bastará inspirar e expirar cientes de que nos une um ar comum…

 

Paulo Pereira de Carvalho é professor de Filosofia no ensino secundário

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This