O arame farpado com lâminas que comoveu o Papa

| 9 Abr 19 | Cooperação e Solidariedade, Direitos Humanos, Igrejas Cristãs, Papa Francisco, Últimas

O apresentador e jornalista Jordi Évole, da televisão espanhola La Sexta, pega numa pequena caixa redonda transparente e retira de dentro um pedaço de arame farpado, com lâminas, igual ao da vala que isola o enclave espanhol de Melilla, em Marrocos. O Papa baixa os olhos e abana a cabeça: “Penso que se uma mãe, um filho, um irmão, necessitado de tudo, se arrisca a passar isso, vejo-o com muita dor. Porque cada pessoa que faz isso é minha mãe, meu filho e meu irmão.”

O Papa toma a peça cortante na mão e acrescenta: “E é tal a inconsciência que parece o mais natural. Acostumámo-nos a isto. O mundo esqueceu-se de chorar. Isto demonstra até onde é capaz de descer a humanidade numa pessoa.”

Numa entrevista dedicada sobretudo ao tema dos refugiados e das migrações, o entrevistador pergunta ao Papa o que sente quando vê que 35 mil pessoas perderam a vida a tentar atravessar o Mar Mediterrâneo: “O senhor é filho de imigrantes. Que lhe passa pela cabeça neste momento?” Francisco não hesita: “Pelacabeça não passa nada, mas pelo coração passa muita dor, não entendo a insensibilidade, não entendo a injustiça”.

Momentos antes, questionado sobre o que pensava da política de Donald Trump, que quer um muro erguido em toda a linha de fronteira com  o México, o Papa afirmara: “Quem levanta muro, torna-se prisioneiro do muro que levantou”. E acrescentava, citando A Ponte Sobre o Drina, do escritor bósnio jugoslavo Ivo Andric: “As pontes são uma invenção de Deus para que os homens possam comunicar, são as asas dos anjos.”

Francisco avisa, no entanto: “Não basta receber (o migrante)”, é necessário “acompanhar, promover e integrar”. Se se recebe o emigrante e ele é deixado na rua, “continua a ser um migrante explorado”.

Quanto ao facto de a Europa manter as portas fechadas o Papa lembrou a expressão que usou no discurso perante o Parlamento Europeu, em Estrasburgo: “A Europa tornou-se demasiado avó”, “não temos crianças, nem migrantes, a Europa vive uma crise demográfica!”

A entrevista, que passou na La Sexta na noite de 31 de Março, quando o Papa regressava de Marrocos, passou despercebida da generalidade dos meios de comunicação. Mas, sobre os mais recentes escândalos ligados à questão dos abusos sexuais e às consequentes reformas Francisco está a promover, o Papa Bergoglio explicou que o seu “trabalho é ir limpando” e tentar criar uma estrutura “onde não haja espaço para a sujidade.”

 

“Não corri no início nem vou agora com um travão”

Sobre os que comentam que ele está a andar para trás, tendo em conta o ímpeto inicial, o Papa contesta tal ideia: “Não corri no princípio”, nem “vou agora com um travão”, disse. No início houve muita “percepção de novidade e ilusão por parte das pessoas”. Mas pouco liga ao que dizem dele: “O que faz a fama à minha Verdade? Nada.”

Jordi Évole confrontou ainda o Papa com recentes afirmações polémicas. A primeira relacionada com a sua sugestão de os pais que têm crianças homossexuais deveriam procurar um psiquiatra. O Papa explicou que se tratava de consultar um “psicólogo”, um “profissional”,  insistindo em que uma tendência não é pecado. Pecado é fazer atos conscientes e livres a partir de uma tendência, acrescentando que os pais que sintam algo estranho com os seus filhos, devem procurar averiguar o que se passa, para compreender a origem.

Francisco acrescentou que a questão deve ser tratada em família através do diálogo e que nenhum homossexual deve ser colocado à margem: “Os homossexuais têm direito à sua família” e “a família tem direito a estar com os seus filhos, independentemente da sua orientação”. “É um dever”, acrescentou.

O Papa admitiu entretanto que a frase “o feminismo acaba sendo um machismo de saias”, proferida por ocasião da cimeira sobre os abusos sexuais realizada em fevereiro, no vaticano, lhe saiu, “dita num momento de muita intensidade”. O que ele queria era sobretudo referir-se a um “certo feminismo de protesto” que tem o perigo de acabar como um mero “machismo de saias, não produzindo frutos”.

Jordi Évoleperguntou ainda se, no caso de “jovens que são violadas e acabam por engravidar”, não deveria ser possível o aborto. Francisco respondeu com outra pergunta: “Pode resolver-se um problema matando uma vida humana?”

O Papa condenou ainda os países que, como Espanha, vendem armas a outros para alimentar guerras. O entrevistador deu o exemplo de Espanha, que vende armamento à Arábia Saudita. “Quem vende armas não pode desejar paz”, respondeu Francisco.

Aproveitando o facto de o Papa ser fã de futebol, Jordi Évole perguntou se se se podia dizer que o argentino Leonel Messi é Deus. São  “expressões populares”, respondeu o Papa. “Dá gosto vê-lo jogar, mas não é Deus, eu não acredito.”

Artigos relacionados

A Ameaça (Crónica no Sri Lanka, um mês depois dos atentados de Páscoa)

A Ameaça (Crónica no Sri Lanka, um mês depois dos atentados de Páscoa)

No Sri Lanka, assistimos no dia de Páscoa a uma série de ataques coordenados como não há memória neste país, e nem noutros depois do 11 de Setembro.
Tendemos a pensar que acontece sempre muito longe de nós. Desvalorizamos, por egoísmo ou até por cobardia. Desta vez foi mesmo aqui à porta. Sítios que frequentamos e que conhecemos. Não conseguimos ficar indiferentes.

Apoie o 7 Margens

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

A União Europeia necessita de psicanálise

Importa olhar para o «subconsciente» da União Europeia e tentar perceber a causa de tão grande tormento. Dir-se-ia que a União Europeia necessita de fazer algumas sessões de psicanálise. Queiramos ou não, estejamos ou não de acordo, a realidade é que a União Europeia marcará o nosso futuro coletivo.

Cultura e artes

Uma audição comentada do Livro dos Salmos

Será uma audição comentada do Livro dos Salmos aquela que Alfredo Teixeira proporá nesta quarta-feira, 22 de Maio, a partir das 18h30, na Capela de Nossa Senhora da Bonança (Capela do Rato), em Lisboa (Calçada Bento da Rocha Cabral, 1-B).

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco