O armário de Frédéric Martel

| 22 Mar 19

Um livro enorme, elegantemente bem escrito. Uma mistura notavelmente bem conseguida da tradição do ”american research journalism” com o jornalismo erudito francês. Histórias, revelações e descrições a roçar o inacreditável. O Vaticano visto pelos olhos de Frédéric Martel é um covil de homossexuais hipócritas que se digladiam pelo poder, mas se encobrem mutuamente, do mesmo modo que durante anos encobriram, desvalorizaram, esconderam os piores abusos sexuais cometidos por clérigos pedófilos em todo o mundo. Um murro no estômago!… Melhor: um KO técnico!

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

Complexo? Não tanto. Para o autor, os dois pontificados que antecederam o de Francisco exacerbaram o discurso homofóbico, enquanto respondiam às tendências homossexuais de muitos clérigos com a proposta da sua sublimação pela via da castidade. Bispos e cardeais vêem-se assim numa posição fragilizada, vivendo uma sexualidade pessoal confusa, não reconhecida por si próprios, ou fechada no seu armário, que torna impossível denunciar os crimes de abusos sexuais que chegam ao seu conhecimento. Denúncia de outros podendo ser denúncia de si próprio. Na confusão, mais vale esconder, proteger, encobrir, minimizar, disfarçar. E se isto é verdade para a Igreja em geral, o seu esplendor máximo situa-se no Vaticano.

Mas se esta é a tese, o livro não é uma tese. São histórias, muitas histórias, casos, situações, explicações de decisões da cúria, dos núncios e dos cardeais tendo sempre por detrás esta matriz homossexual. Tudo isto constituindo não apenas uma sucessão de episódios, mas um sistema. Os cardeais romanos são as figuras centrais deste enredo e das suas histórias. Umas já conhecidas do público e aqui exploradas. Outras desconhecidas e surpreendentes. A maioria mais sugerida do que atestada. Todas envoltas em atmosferas e ambientes nos quais o autor investe os seus melhores recursos literários e jornalísticos para sugerir de forma convincente aquilo que não pode provar. Tão difícil de provar como de contestar.

E aquilo que sugere é a presença – a omnipresença – da homossexualidade envolvendo a maioria dos responsáveis no topo da Igreja. Homossexualidade sob todas as formas conhecidas e caricaturadas: desde a denegação absoluta até ao extremo da compra de favores de prostitutos, passando pela observância estrita da castidade. Frédéric Martel conta e reconta as situações com que exemplifica esta marca homossexual. Explica, a partir dela, o reforço do discurso homofóbico, referindo trechos cardinalícios respirando histerismo em relação ao tema. Aponta-a como origem da incapacidade para denunciar e castigar os clérigos pedófilos. Dá-lhe foros de razão última (e por vezes única) para se entender alguns episódios mais marcantes da história recente da igreja católica.

Não é porém em história da Igreja que o autor é perito. Nem o futuro desta é coisa que o comova. O seu intuito é mostrar como a homossexualidade mal assumida no interior de uma instituição que a aponta como “doença”, “pecado” e “grave desvio moral”, constituindo-se como o último e mais visível reduto do discurso homofóbico, está a provocar a implosão dessa mesma instituição.

De que forma esta questão se articula com outras – sacerdócio, celibato, ordenação das mulheres, estrutura hierárquica da igreja, ou outras – não é terreno em que o autor se mova. Ao explorar um único filão, Frédéric Martel torna-se obsessivo e exagera a capacidade deste único tema para explicar o comportamento dos personagens a que se dedica e do Vaticano como um todo. Assim limitado no que pode explicar e interpretar e no que definitivamente lhe escapa, No Armário do Vaticano não pode ser posto de lado. “Não se passa nada” não é uma reação possível a este livro. Ele encerra um trabalho importante e sério. Consta que São Francisco nunca pregou a atitude da avestruz perante o perigo.

Jorge Wemans (jorgewemans@gmail.com)

No Armário do Vaticano – Poder, Hipocrisia, Homossexualidade, de Frédéric Martel
Sextante Editora, 2019; 646 páginas; preço: €17,91

Artigos relacionados

Breves

Egipto

Bahá’ís sem cemitério em Alexandria

As autoridades locais de Alexandria recusaram a possibilidade de um cemitério próprio para egípcios que não pertencem a uma das três principais religiões monoteístas. Já há vários anos que os egípcios que pertencem à fé bahá’í têm lutado para ter um espaço para enterrar os seus mortos em Alexandria, a segunda maior cidade do país. No entanto, essa possibilidade foi agora negada, noticia o La Croix International (ligação exclusiva para assinantes).

Afeganistão

Talibãs obrigam mulheres a cobrir-se

O Ministério afegão para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício colocou cartazes por toda a capital, Cabul, ordenando às mulheres que se cobrissem. “O que eles estão a tentar fazer é espalhar o medo entre as pessoas”, disse uma estudante universitária, defensora dos direitos das mulheres.

Eurostat

Desemprego dos jovens portugueses mais distante da média da UE

A percentagem de jovens portugueses com menos de 25 anos encontrava-se nos 22,4 por cento em novembro de 2021, segundo dados que o Eurostat acaba de publicar. Essa percentagem representa uma ligeira melhoria relativamente ao mês homólogo do ano anterior, mas revela igualmente um fosso maior face à média da União Europeia.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Uma Teofania nos corações humanos novidade

A Epifania é celebrada pelas Igrejas Ortodoxas a 6 de Janeiro no calendário Juliano (19 no calendário Gregoriano), 12 dias após a Festa do Natal. A banalização da festa do Natal inscreveu-a no imaginário do espírito humano, sobrevalorizando-o e operando a sua dessacralização em detrimento do Espírito de Deus.

2022: aprender a construir a paz

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz de 2022 é expressão de um momento muito forte que atravessamos, numa transição de incerteza e perplexidade. Guerras e conflitos, pandemias, doenças, alterações climáticas, degradação ambiental, fome e sede, consumismo, individualismo, em lugar de partilha solidária – eis o conjunto de preocupações que dominam este início de 2022. Nestes termos, o Papa propõe-nos três caminhos para uma Paz duradoura.

“Matar os nossos deuses” – a propósito do Dia Mundial da Religião

Celebra-se neste terceiro domingo de janeiro o Dia Mundial da Religião, que promove a ideia da compreensão e a paz entre todas as religiões. Através de uma série de eventos realizados em todo o mundo, os seguidores de todas as religiões são incentivados a conhecer e a aprender mais acerca das outras religiões e respetiva fé. Reconhecendo-se que, durante séculos, as diferentes religiões e credos lutaram muitas vezes entre si, ignorando muitos dos seus valores comuns, torna-se, pois, necessário que se trabalhe em prol de um entendimento pacífico entre todos.

Cultura e artes

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This