O armário de Frédéric Martel

| 22 Mar 19

Um livro enorme, elegantemente bem escrito. Uma mistura notavelmente bem conseguida da tradição do ”american research journalism” com o jornalismo erudito francês. Histórias, revelações e descrições a roçar o inacreditável. O Vaticano visto pelos olhos de Frédéric Martel é um covil de homossexuais hipócritas que se digladiam pelo poder, mas se encobrem mutuamente, do mesmo modo que durante anos encobriram, desvalorizaram, esconderam os piores abusos sexuais cometidos por clérigos pedófilos em todo o mundo. Um murro no estômago!… Melhor: um KO técnico!

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

Complexo? Não tanto. Para o autor, os dois pontificados que antecederam o de Francisco exacerbaram o discurso homofóbico, enquanto respondiam às tendências homossexuais de muitos clérigos com a proposta da sua sublimação pela via da castidade. Bispos e cardeais vêem-se assim numa posição fragilizada, vivendo uma sexualidade pessoal confusa, não reconhecida por si próprios, ou fechada no seu armário, que torna impossível denunciar os crimes de abusos sexuais que chegam ao seu conhecimento. Denúncia de outros podendo ser denúncia de si próprio. Na confusão, mais vale esconder, proteger, encobrir, minimizar, disfarçar. E se isto é verdade para a Igreja em geral, o seu esplendor máximo situa-se no Vaticano.

Mas se esta é a tese, o livro não é uma tese. São histórias, muitas histórias, casos, situações, explicações de decisões da cúria, dos núncios e dos cardeais tendo sempre por detrás esta matriz homossexual. Tudo isto constituindo não apenas uma sucessão de episódios, mas um sistema. Os cardeais romanos são as figuras centrais deste enredo e das suas histórias. Umas já conhecidas do público e aqui exploradas. Outras desconhecidas e surpreendentes. A maioria mais sugerida do que atestada. Todas envoltas em atmosferas e ambientes nos quais o autor investe os seus melhores recursos literários e jornalísticos para sugerir de forma convincente aquilo que não pode provar. Tão difícil de provar como de contestar.

E aquilo que sugere é a presença – a omnipresença – da homossexualidade envolvendo a maioria dos responsáveis no topo da Igreja. Homossexualidade sob todas as formas conhecidas e caricaturadas: desde a denegação absoluta até ao extremo da compra de favores de prostitutos, passando pela observância estrita da castidade. Frédéric Martel conta e reconta as situações com que exemplifica esta marca homossexual. Explica, a partir dela, o reforço do discurso homofóbico, referindo trechos cardinalícios respirando histerismo em relação ao tema. Aponta-a como origem da incapacidade para denunciar e castigar os clérigos pedófilos. Dá-lhe foros de razão última (e por vezes única) para se entender alguns episódios mais marcantes da história recente da igreja católica.

Não é porém em história da Igreja que o autor é perito. Nem o futuro desta é coisa que o comova. O seu intuito é mostrar como a homossexualidade mal assumida no interior de uma instituição que a aponta como “doença”, “pecado” e “grave desvio moral”, constituindo-se como o último e mais visível reduto do discurso homofóbico, está a provocar a implosão dessa mesma instituição.

De que forma esta questão se articula com outras – sacerdócio, celibato, ordenação das mulheres, estrutura hierárquica da igreja, ou outras – não é terreno em que o autor se mova. Ao explorar um único filão, Frédéric Martel torna-se obsessivo e exagera a capacidade deste único tema para explicar o comportamento dos personagens a que se dedica e do Vaticano como um todo. Assim limitado no que pode explicar e interpretar e no que definitivamente lhe escapa, No Armário do Vaticano não pode ser posto de lado. “Não se passa nada” não é uma reação possível a este livro. Ele encerra um trabalho importante e sério. Consta que São Francisco nunca pregou a atitude da avestruz perante o perigo.

Jorge Wemans (jorgewemans@gmail.com)

No Armário do Vaticano – Poder, Hipocrisia, Homossexualidade, de Frédéric Martel
Sextante Editora, 2019; 646 páginas; preço: €17,91

Artigos relacionados

Breves

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

CRC promove homenagem a Luís Salgado Matos

O Centro de Reflexão Cristã promove no próximo dia 10 de março um encontro de homenagem a Luís Salgado de Matos, falecido a 15 de fevereiro, autor com um largo contributo para o estudo da história religiosa contemporânea com muitas obras e artigos.

Os Dias da Semana – Um mau poema suja o mundo

Bons espíritos sustentam que a poesia ocidental fala quase exclusivamente de amor e de morte. Não seria, também por isso, de estranhar o tema do poema inédito de Joan Margarit, que poderá ter sido escrito no período em que o autor teve de enfrentar o cancro que o vitimaria.

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This