O armário de Frédéric Martel

| 22 Mar 19

Um livro enorme, elegantemente bem escrito. Uma mistura notavelmente bem conseguida da tradição do ”american research journalism” com o jornalismo erudito francês. Histórias, revelações e descrições a roçar o inacreditável. O Vaticano visto pelos olhos de Frédéric Martel é um covil de homossexuais hipócritas que se digladiam pelo poder, mas se encobrem mutuamente, do mesmo modo que durante anos encobriram, desvalorizaram, esconderam os piores abusos sexuais cometidos por clérigos pedófilos em todo o mundo. Um murro no estômago!… Melhor: um KO técnico!

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

Complexo? Não tanto. Para o autor, os dois pontificados que antecederam o de Francisco exacerbaram o discurso homofóbico, enquanto respondiam às tendências homossexuais de muitos clérigos com a proposta da sua sublimação pela via da castidade. Bispos e cardeais vêem-se assim numa posição fragilizada, vivendo uma sexualidade pessoal confusa, não reconhecida por si próprios, ou fechada no seu armário, que torna impossível denunciar os crimes de abusos sexuais que chegam ao seu conhecimento. Denúncia de outros podendo ser denúncia de si próprio. Na confusão, mais vale esconder, proteger, encobrir, minimizar, disfarçar. E se isto é verdade para a Igreja em geral, o seu esplendor máximo situa-se no Vaticano.

Mas se esta é a tese, o livro não é uma tese. São histórias, muitas histórias, casos, situações, explicações de decisões da cúria, dos núncios e dos cardeais tendo sempre por detrás esta matriz homossexual. Tudo isto constituindo não apenas uma sucessão de episódios, mas um sistema. Os cardeais romanos são as figuras centrais deste enredo e das suas histórias. Umas já conhecidas do público e aqui exploradas. Outras desconhecidas e surpreendentes. A maioria mais sugerida do que atestada. Todas envoltas em atmosferas e ambientes nos quais o autor investe os seus melhores recursos literários e jornalísticos para sugerir de forma convincente aquilo que não pode provar. Tão difícil de provar como de contestar.

E aquilo que sugere é a presença – a omnipresença – da homossexualidade envolvendo a maioria dos responsáveis no topo da Igreja. Homossexualidade sob todas as formas conhecidas e caricaturadas: desde a denegação absoluta até ao extremo da compra de favores de prostitutos, passando pela observância estrita da castidade. Frédéric Martel conta e reconta as situações com que exemplifica esta marca homossexual. Explica, a partir dela, o reforço do discurso homofóbico, referindo trechos cardinalícios respirando histerismo em relação ao tema. Aponta-a como origem da incapacidade para denunciar e castigar os clérigos pedófilos. Dá-lhe foros de razão última (e por vezes única) para se entender alguns episódios mais marcantes da história recente da igreja católica.

Não é porém em história da Igreja que o autor é perito. Nem o futuro desta é coisa que o comova. O seu intuito é mostrar como a homossexualidade mal assumida no interior de uma instituição que a aponta como “doença”, “pecado” e “grave desvio moral”, constituindo-se como o último e mais visível reduto do discurso homofóbico, está a provocar a implosão dessa mesma instituição.

De que forma esta questão se articula com outras – sacerdócio, celibato, ordenação das mulheres, estrutura hierárquica da igreja, ou outras – não é terreno em que o autor se mova. Ao explorar um único filão, Frédéric Martel torna-se obsessivo e exagera a capacidade deste único tema para explicar o comportamento dos personagens a que se dedica e do Vaticano como um todo. Assim limitado no que pode explicar e interpretar e no que definitivamente lhe escapa, No Armário do Vaticano não pode ser posto de lado. “Não se passa nada” não é uma reação possível a este livro. Ele encerra um trabalho importante e sério. Consta que São Francisco nunca pregou a atitude da avestruz perante o perigo.

Jorge Wemans (jorgewemans@gmail.com)

No Armário do Vaticano – Poder, Hipocrisia, Homossexualidade, de Frédéric Martel
Sextante Editora, 2019; 646 páginas; preço: €17,91

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Boas notícias

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Uma forma de "construir pontes"

ONG israelita já salvou a vida a 3.000 crianças palestinianas

Amir tem cinco anos e, até agora, não podia correr nem brincar como a maioria das crianças da sua idade. Quando tinha apenas 24 meses, apanhou um vírus que resultou no bloqueio de uma das suas artérias coronárias, pelo que qualquer esforço físico passou a ser potencialmente fatal. Mas, muito em breve, este menino palestiniano poderá recuperar o tempo perdido. Com o apoio da organização humanitária israelita Save a Child’s Heart, Amir acaba de ser operado num hospital em Tel Aviv e está fora de perigo.

É notícia 

Entre margens

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Sentido e valor da dualidade sexual

Sentido e valor da dualidade sexual

A sociedade edifica-se a partir da colaboração entre as dimensões masculina e feminina. Em primeiro lugar, na sua célula básica, a família. É esta que garante a renovação da sociedade através da geração de novas vidas e assegura o desenvolvimento harmonioso e complexo da educação das novas gerações. Por isso, nunca um ou mais pais pode substituir uma mãe e nunca uma ou mais mães podem substituir um pai.»

Cultura e artes

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

Entrevista à revista America

Francisco contra o divisionismo e a ordenação de mulheres

“O divisionismo não é católico. Um católico não pode pensar ‘ou, ou’ e reduzir tudo a posições irreconciliáveis. A essência do católico é “e, e”. O católico une o bem e o não tão bom. O povo de Deus é um” – afirmou o Papa Francisco, a propósito das divisões na Igreja americana, na entrevista concedida no dia 22 de novembro a um conjunto de editores jesuítas e publicada na edição da revista America – The Jesuit Review desta segunda-feira, 28 de novembro.

As canções que romperam o silêncio aflito

Música popular no Estado Novo

As canções que romperam o silêncio aflito

A canção apresenta-se neste livro como um objeto único para reconstituir a história cultural de uma era, como nos avisa a mensagem inscrita na contracapa. E essa época está bem definida no subtítulo deste Silêncio Aflito: “A sociedade portuguesa através da música popular (dos anos 40 aos anos 70)” — e assim está também situado o regime ditatorial do Estado Novo que oprimiu Portugal até 1974 e, à época, as então colónias.

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

Sete Partidas

Desobediência

Desobediência

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This