O atraso que salvou pela segunda vez o judeu Judah Samet

| 31 Out 18

Por ter estado a falar com a empregada doméstica, Judah Samet, 80 anos, um judeu húngaro sobrevivente do Holocausto, chegou atrasado à sinagoga, escapando à morte certa: sábado passado, 27 de Outubro, a pequena cidade de Squirell Hill, em Pittsburgh, na Pensilvânia (EUA) foi abalada com o ataque ocorrido na sinagoga Tree of Life, do qual resultou a morte de onze pessoas.

Judah Samet sobreviveu à sua detenção no campo de Bergen-Belsen, mudou-se primeiro para o Canadá para estar com familiares e, depois, para os Estados Unidos, atrás da mulher que se tornaria sua esposa. Acerca do que se viveu sábado, em Pittsburgh, na sinagoga que costuma frequentar, comenta que parece a história a repetir-se: “É quase como ‘cá vamos nós outra vez’. Já estamos com 70 anos de distância do Holocausto e agora acontece tudo outra vez.”

A conversa com a empregada acabou por ser o que o atrasou – e salvou. Como o próprio contou ao Washington Post, quando Samet chegou ao parque de estacionamento da sinagoga, já estavam lá alguns polícias, que lhe disseram para não entrar no recinto.

O atirador, Robert Bowers, 46, rendeu-se às autoridades depois do tiroteio e enfrenta agora 29 acusações no ataque, já considerado o mais mortífero a atingir a comunidade judaico-americana. O suspeito está acusado de dois crimes de ódio, pelos quais poderá ser condenado à pena de morte, obstrução de exercício de práticas religiosas, resultante em morte, e obstrução de práticas religiosas resultante em ferimentos a membros da força policial.

O atacante entrou no lugar de oração armado com uma metralhadora e três pistolas, a gritar “todos os judeus têm de morrer”. Bowers frequentava a Gab, uma rede social que promove o discurso livre, mas que, pela sua política pouco restritiva, se tornou popular entre neonazis e defensores da supremacia branca. No seu perfil da rede social eram frequentes os textos anti-semíticos, onde se referia aos judeus como “invasores”.

De acordo com a televisão Al-Jazeera, a descrição do seu perfil citava o texto do Evangelho de São João (Jo 8,44), em que Cristo se dirige a um grupo de judeus, dizendo: “Vós tendes por pai o diabo, e quereis realizar os desejos do vosso pai. Ele foi assassino desde o princípio, e não esteve pela verdade, porque nele não há verdade. Quando fala mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.”

Antes do ataque, Bowers publicou na rede uma última mensagem, relatava o New York Times: “Não posso continuar a ver a minha gente a ser morta. Estou-me a marimbar para o que acham, vou avançar”.

No ataque, morreram onze pessoas, maioritariamente idosos, cujos nomes foram relembrados domingo passado, num memorial organizado em nome das vítimas. Perante uma audiência interconfessional de 2500 pessoas, o rabi Jonathan Perlman afirmou: “O que aconteceu [sábado] não nos vergará, não nos arruinará. Vamos continuar a prosperar, a cantar, a venerar e a aprender juntos. Continuaremos o nosso histórico legado nesta cidade com as pessoas mais amigáveis que conheço.”

No domingo, o Papa Francisco enviou condolências na mensagem após a oração do Angelus: “Fomos todos feridos por este ato de violência inumana. Que o Senhor nos ajude a acabar com os atos de ódio que surgem na nossa sociedade e reforce o nosso sentido de humanidade, respeito pela vida, pelos valores morais e civis e por Deus, que é amor e pai de todos.”

Também a comunidade muçulmana mostrou o seu apoio às famílias das vítimas e aos feridos, lançando uma campanha de angariação de fundos com o nome Muslims Unite for Pittsburgh Synagogue.

Apesar dos múltiplos massacres já acontecidos nos EUA, como o ocorrido em Fevereiro deste ano, que vitimou 17 pessoas (dos quais 14 estudantes) em Parkland, na Florida, e motivou mesmo uma grande marcha, em Washington, ou do de Newton (Connecticut), em 2012, que vitimou 20 crianças; apesar de sucessivas pressões dos bispos católicos e de outros líderes religiosos; apesar das tentativas do Presidente Obama no sentido da mudança da lei, o poder do lóbi das armas nos EUA continua a ser mais forte e a permitir o acesso fácil a armas de fogo a qualquer pessoa.

Breves

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

Migrantes e refugiados contam vidas em teatro

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

E como se arruma a vida numa pequena mala se tivermos apenas uma hora para fugir das bombas? Porque temos de decidir deixar para trás a roupa nova, o colchão de yoga, o livro que se começou a ler? Como se pode trocar um dia de aniversário pelo dia de início de uma guerra que outros nos fazem? Porque não se pode, sequer, encenar o pequeno teatro que era costume fazer para os amigos nesse dia?

Outras margens

Cultura e artes

Teólogo jesuíta em Portugal

Diálogo inter-religioso não é estratégia, mas atitude existencial, diz Javier Melloni

“O diálogo inter-religioso não é uma estratégia para sobreviver em tempos de forçada pluralidade, mas trata-se de uma atitude existencial que implica toda a pessoa”, diz o jesuíta catalão Javier Melloni no seu livro Para Um Tempo de Síntese – Presente e futuro das religiões (ed. Fragmenta), que acaba de ser publicado e que o próprio apresentará em Portugal, a partir desta segunda-feira, 23 de Maio, em quatro conferências públicas

Uma leitura do Patriarca no 7M

“Domínio”, de Tom Holland: a recomposição da experiência cristã

Este livro de Tom Holland, escritor inglês com vária obra histórica publicada, obteve uma apreciação positiva e generalizada, quando saiu em 2019: “Cativante” (The Times), “Arrebatador” (The Economist), “Fascinante” (Library Journal)… Mais assertivo ainda, The Sunday Times: “Se os grandes livros nos encorajam a olhar o mundo de um modo completamente novo, então Domínio é, sem dúvida, um grande livro.”  

Novo livro de Luís Soares Barbosa

“Longos Dias Breve o Medo” apresentado em Braga, Guimarães e Porto

Decorre na tarde deste sábado, 21, a partir das 15h30, a sessão de apresentação de Longos Dias Breve o Medo, o novo livro de poesia de Luís Soares Barbosa. A apresentação da obra, editada pela Officium Lectionis, será feita por Eduardo Jorge Madureira, que integra a equipa do 7MARGENS, e terá lugar na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (BLCS), em Braga, com entrada livre.

Emissão filatélica

Lenda da Nazaré em selo sobre mitos europeus

A história é conhecida e desde a semana passada está também evocada num selo de correio, numa emissão filatélica dedicada a mitos da Europa: em 14 de Setembro de 1182, Fuas Roupinho, alcaide-mor de Porto de Mós, andava à caça, quando encontrou o que parecia ser um veado. Lançando-se em sua perseguição, acabou no alto de uma falésia, à beira de cair. Invocou Nossa Senhora e o cavalo manteve-se erguido apenas pelas patas traseiras, enquanto o veado desaparecera – seria, afinal, a figura do demónio…

Pessoas

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Uma renovação a precisar de novos impulsos

  A experiência que fizemos no Concílio Vaticano II constitui o rosto dos documentos tão ricos que ficam como acervo da sua memória, dizia frequentemente o bispo de Aveiro, D. Manuel de Almeida Trindade. Eu era seu colaborador pastoral. E pude verificar como...

O melhor seria

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This