Navio com cereais da Ucrânia é esperança

“O barco vai de saída” mas a fome no mundo tornou-se “catastrófica”

| 18 Ago 2022

 

 

No momento em que um primeiro navio carregado com 23 mil toneladas de cereais da Ucrânia consegue, finalmente, singrar através do Mar Negro, o Programa Alimentar Mundial (PAM) alerta para a tragédia da fome que se abate sobre várias regiões do mundo: o número daqueles que enfrentam insegurança alimentar aguda aumentou de 135 milhões para 345 milhões desde 2019.

“Do Corredor Seco da América Central e do Haiti, passando pelo Sahel, República Centro-Africana, Sudão do Sul e depois para o leste até o Corno da África, Síria, Iémen e todo o caminho até o Afeganistão, há um círculo de fogo que se estende ao redor do mundo onde  o conflito e os choques climáticos  estão levando milhões de pessoas à beira da fome”. È este o quadro negro traçado pelo PAM.

No total, esta organização das Nações Unidas calcula que cerca de 828 milhões de pessoas vão todas as noites para a cama com fome, e outros 50 milhões de pessoas em 45 países “encontram-se à beira da fome”.

A situação é ainda mais grave, refere o PAM, porque os recursos para socorrer os famintos “atingiram o fundo do poço”. Para cuidar de 152 milhões de pessoas ao longo de 2022, aquele Programa necessita de cerca de 22 mil milhões de euros. Os governos, que são os maiores financiadores, vêem-se na situação de investir na recuperação da economia, nesta fase pós-pandemia. Esta “encruzilhada crítica”, como lhe chama a organização, leva-a a apelar a doadores do setor privado, indivíduos de rendimento líquido, influenciadores e celebridades, a contribuir para os fundos do Programa. Mas também os jovens e os cidadãos em geral “podem levantar suas vozes contra a injustiça da fome global”, apela o PAM.

A guerra na Ucrânia, desencadeada em fevereiro com a invasão do país pelas tropas russas, gerou convulsões e consequências que agravaram o efeito de outros fatores, como os decorrentes de outros conflitos, e ainda as mudanças climáticas e a pandemia do covid-19.

Representantes do PAM e da Organização Mundial de Saúde têm vindo a alertar para o facto de a ajuda que muitos países ocidentais estão a prestar à Ucrânia não dever levar a descurar situações que são, em muitos casos, tão ou mais graves do que a daquele país europeu. Falando, em especial da região do Tigré, no Norte da Etiópia, que considerou “o pior desastre da Terra”, o secretário-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Gebreyesus, denunciou, em declarações veiculadas pela RTP, que “em termos humanitários, a situação é pior do que na Ucrânia”. “Porque silenciamos o sofrimento dos seis milhões de pessoas do Tigray? Será pela cor da pele?”, interrogou aquele dirigente mundial, dirigindo-se, em particular, aos países ocidentais.

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

Entrevista do Papa à AP

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

A polémica gerada pelas declarações do Papa Francisco sobre a homossexualidade, na entrevista que concedeu à agência Associated Press (AP), não nasceu do facto de ele ter dito que a Igreja e todos os bispos deviam denunciar como “injusta” qualquer lei que criminalize ou discrimine pessoas LGBT, mas sim daquilo que ele não disse: ser homossexual é um pecado. O Papa referiu-se também ao Caminho Sinodal Alemão como um processo ideológico, censurou o “hábito” de todo o cidadão ter uma arma, referiu as críticas de que tem sido alvo como sendo naturais e afirmou que se renunciasse acabaria os seus dias retirado como bispo emérito de Roma.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This