O barulho não faz bem

| 11 Nov 19 | Entre Margens, Últimas

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Estes temas são vastos e permitem percorrer muitos caminhos, mas não ficam dúvidas de que, para que a vida tenha sentido, é preciso re-significar a existência; percebê-la como uma oportunidade de aperfeiçoamento e de evolução; vivê-la como um tempo do tempo maior, da melhor forma que cada um possa sentir e fazer sentir a si mesmo e aos outros que lhe são mais ou menos próximos ou distantes.

Tive acesso a uma reportagem sobre um restaurante brasileiro no qual tudo era feito pelos clientes exceto a comida. Cada um servia-se; pesava o seu prato; anotava o preço deste, das bebidas e das sobremesas e, no fim de tudo, somava o valor total, colocava o cartão de débito na máquina disponível e efetuava o pagamento, deixando o talão no lugar próprio.

Perguntaram ao dono do estabelecimento porque tinha criado este modelo. Respondeu que não podia fazer todas as tarefas, pois só ali trabalhavam o próprio e sua mulher. Ocasionalmente um filho. Quiseram também saber se estava a perder dinheiro com tal decisão, mas a resposta foi que até tinha melhores lucros, pois vinham mais clientes. A sua maior segurança era a consciência das pessoas, dizia, e ainda recordava seu avô que o ensinara que, mesmo quando não podemos mudar o mundo, podemos sempre fazer alguma coisa boa, perto de nós. Desse modo o mundo muda.

Nesta senda de mudança e de transformação, temos assistido a um incremento do turismo e do reconhecimento de que algumas das cidades portuguesas são lugares fantásticos para visitar. Têm tudo, são bonitas, agradáveis, não muito poluídas,… Ao mesmo tempo os edifícios, em lugares ditos mais centrais, vão deixando de ser prédios de habitação e são transformados em hotéis, parte dos quais caros, outros acessíveis a muitos. Certo é que os residentes, esses, são cada vez em menor número.

Mas as cidades estão bonitas, sobretudo para os mais distraídos.

Em Lisboa há canteiros no meio das avenidas, secos e cheios de ervas altas; lagos, em artéria nobre, com águas castanhas e folhas caídas das árvores ou, simplesmente, ressequidos e transformados em depósitos de lixo; pavimentos de rua que vão destruindo os amortecedores dos carros e que se tornam incómodos, mesmo muito incómodos, para os que neles se deslocam; passeios escorregadios de calçada portuguesa, que seriam muito bonitos se estivessem bem cuidados. Tal como os podemos ver, são uma espécie de ratoeiras para os saltos das senhoras, nas quais algumas caem e outras partem as, assim chamadas, almas do seu calçado. Os homens também tropeçam.

Falta dizer muito, mas há pelo menos mais um tópico que, por maior que seja a intenção de síntese, não pode ignorar-se: no tempo, e bem, das preocupações ecológicas, é preciso andar de carro para fazer reciclagem. Os contentores são escassos e, muitos, despejados com pouca regularidade, o que faz com que os plásticos, os papéis, os vidros,… sejam tantas vezes deixados do lado de fora, em plena via pública.

A verdade é que corrigir esta cidade inimiga no que ela tem de mais incómodo para quem a habita, não é algo que se destaque. Faz pouco eco reparar o chão; não se evidencia quem se lembrou que escorregar pode significar cair e estragar a vida a alguém; não dá reportagens aparatosas refazer ressaltos onde alguns veículos, se não abrandarem, ficarão decerto prontos para chegar à oficina mais próxima…

O sentir de cada um faz, naturalmente, parte das suas idiossincrasias. Contudo, sem presumir reunir unanimidades, até porque o que faz da humanidade um verdadeiro luxo, é não existirem dois seres iguais, existe uma consciência coletiva, não apenas no sentido que o sociólogo Émile Durkheim lhe atribuiu, ou um consenso que faz com que estes e outros obstáculos tornem a vida dos cidadãos mais difícil e mais vulnerável e todos ou quase todos pensem isso.

Afinal parece que as coisas que dão menos brado são as mais necessárias e urgentes. Aquelas que, não passando do chão e da paisagem próxima, transformam o estar numa vida agradável e tranquila.

Talvez o pobre narcísico que só faz o que se pode exibir, seja um ser eternamente enganado, convicto de que a vida humana é a única etapa da existência.      

No silêncio dos discretos, na nossa cidade, faz falta fazer obra invisível, daquela que se sente debaixo dos pés, nas caminhadas e nos passeios, acreditando, como disse S. Francisco de Sales, que o barulho não faz bem e que o Bem não faz barulho.

 

Margarida Cordo é psicóloga clínica, psicoterapeuta e autora de vários livros sobre psicologia e psicoterapia.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar novidade

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro novidade

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Taizé e os jovens: uma experiência que marca

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

Foi na Praça de São Pedro, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab.

Cultura e artes

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
14
Sáb
3º Concerto de Natal da Academia de Música de Santa Cecília @ Basílica do Palácio Nacional de Mafra
Dez 14@21:00_22:30

Entrada gratuita mediante o levantamento de bilhetes nos Postos de Turismo de Mafra e Ericeira

 

A Academia de Música de Santa Cecília, escola de ensino integrado de música, apresenta o seu terceiro concerto de Natal nos dias 14 e 15 de Dezembro, no Palácio Nacional de Mafra, classificado recentemente como Património Cultural Mundial da UNESCO.

Neste concerto participa um coro constituído por 250 crianças e jovens dos 10 aos 17 anos e uma orquestra de cordas de alunos da escola, a soprano Ana Paula Russo e ainda o conjunto, único no mundo, dos seis órgãos da Basílica de Mafra.

No programa estão representados vários compositores nacionais e estrangeiros, destacando-se a obra “Seus braços dão Vida ao mundo”, sobre um poema de José Régio, da autoria da jovem Francisca Pizarro, aluna finalista do Curso Secundário de Composição da Academia de Música de Santa Cecília.

O concerto assume especial importância não apenas pela singularidade do conjunto dos seis órgãos do Palácio Nacional de Mafra mas também pela dimensão do número de jovens músicos envolvidos.

A relevância do concerto manifestou-se em edições anteriores (2016 e 2017), pela sua transmissão integral na RTP2, tendo o concerto de Natal de 2017 sido difundido em directo para a União Europeia de Rádio. O concerto tem o patrocínio da Câmara Municipal de Mafra.

Programa do concerto

Arr. Carlos Garcia (1983)
Ó Pastores, Pastorinhos (tradicional de Alferrarede)

Francisca Pizzaro (2001)
Seus braços dão Vida ao mundo (sobre um poema de José Régio), obra em estreia absoluta, encomendada para a ocasião; Francisca Pizarro é aluna do curso secundário de Composição da AMSC

Arr. Fernando Lopes-Graça (1906-1994)
O Menino nas Palhas (tradicional da Beira Baixa)

Eurico Carrapatoso (1962)
Dece do Ceo (sobre um poema de Luís de Camões)

Arr. Carlos Garcia
Gloria in excelsis Deo (tradicional francesa) *

Franz Xaver Gruber (1787-1863) Arr. Carlos Garcia
Stille Nacht

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Alleluia, do moteto Exsultate, jubilate

Tradicional francesa
Quand Dieu naquit à Noël

Louis-Claude Daquin (1694-1772)
Noël X

Arr. Malcolm Sargent (1895-1967)
Zither Carol (tradicional da República Checa)

Tradicional do País de Gales
Deck the Halls

John Henry Hopkins Jr. (1820-1891); Arr. Martin Neary (1940)
We three Kings

Arr. Mack Wilberg (1955)
Ding! Dong! Merrily on High (tradicional francesa)

Arr. David Willcocks (1919-2015)
Adeste Fideles (tradicional), com a participação do público.

CANTORES E MÚSICOS
Ana Paula Russo, soprano

Ensemble Vocal da AMSC
Coro do 2º Ciclo da AMSC
Coros do 3º Ciclo e Secundário da AMSC

Orquestra de Cordas da AMSC
Pedro Martins, percussão

Rui Paiva, órgão da Epístola
Flávia Almeida Castro, órgão do Evangelho
Carlos Garcia, órgão de S. Pedro d’Alcântara
João Valério (aluno da AMSC), órgão do Sacramento Liliana Silva, órgão da Conceição
Afonso Dias (ex-aluno da AMSC), órgão de Sta. Bárbara

Carlos Silva, direcção da orquestra

António Gonçalves, direcção

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco