O barulho não faz bem

| 11 Nov 19

Nos últimos tempos, por razões diversas, algumas conversas têm-se dirigido maioritariamente para o facto de se habitar na cidade, suas comodidades e seus incómodos.

Estes temas são vastos e permitem percorrer muitos caminhos, mas não ficam dúvidas de que, para que a vida tenha sentido, é preciso re-significar a existência; percebê-la como uma oportunidade de aperfeiçoamento e de evolução; vivê-la como um tempo do tempo maior, da melhor forma que cada um possa sentir e fazer sentir a si mesmo e aos outros que lhe são mais ou menos próximos ou distantes.

Tive acesso a uma reportagem sobre um restaurante brasileiro no qual tudo era feito pelos clientes exceto a comida. Cada um servia-se; pesava o seu prato; anotava o preço deste, das bebidas e das sobremesas e, no fim de tudo, somava o valor total, colocava o cartão de débito na máquina disponível e efetuava o pagamento, deixando o talão no lugar próprio.

Perguntaram ao dono do estabelecimento porque tinha criado este modelo. Respondeu que não podia fazer todas as tarefas, pois só ali trabalhavam o próprio e sua mulher. Ocasionalmente um filho. Quiseram também saber se estava a perder dinheiro com tal decisão, mas a resposta foi que até tinha melhores lucros, pois vinham mais clientes. A sua maior segurança era a consciência das pessoas, dizia, e ainda recordava seu avô que o ensinara que, mesmo quando não podemos mudar o mundo, podemos sempre fazer alguma coisa boa, perto de nós. Desse modo o mundo muda.

Nesta senda de mudança e de transformação, temos assistido a um incremento do turismo e do reconhecimento de que algumas das cidades portuguesas são lugares fantásticos para visitar. Têm tudo, são bonitas, agradáveis, não muito poluídas,… Ao mesmo tempo os edifícios, em lugares ditos mais centrais, vão deixando de ser prédios de habitação e são transformados em hotéis, parte dos quais caros, outros acessíveis a muitos. Certo é que os residentes, esses, são cada vez em menor número.

Mas as cidades estão bonitas, sobretudo para os mais distraídos.

Em Lisboa há canteiros no meio das avenidas, secos e cheios de ervas altas; lagos, em artéria nobre, com águas castanhas e folhas caídas das árvores ou, simplesmente, ressequidos e transformados em depósitos de lixo; pavimentos de rua que vão destruindo os amortecedores dos carros e que se tornam incómodos, mesmo muito incómodos, para os que neles se deslocam; passeios escorregadios de calçada portuguesa, que seriam muito bonitos se estivessem bem cuidados. Tal como os podemos ver, são uma espécie de ratoeiras para os saltos das senhoras, nas quais algumas caem e outras partem as, assim chamadas, almas do seu calçado. Os homens também tropeçam.

Falta dizer muito, mas há pelo menos mais um tópico que, por maior que seja a intenção de síntese, não pode ignorar-se: no tempo, e bem, das preocupações ecológicas, é preciso andar de carro para fazer reciclagem. Os contentores são escassos e, muitos, despejados com pouca regularidade, o que faz com que os plásticos, os papéis, os vidros,… sejam tantas vezes deixados do lado de fora, em plena via pública.

A verdade é que corrigir esta cidade inimiga no que ela tem de mais incómodo para quem a habita, não é algo que se destaque. Faz pouco eco reparar o chão; não se evidencia quem se lembrou que escorregar pode significar cair e estragar a vida a alguém; não dá reportagens aparatosas refazer ressaltos onde alguns veículos, se não abrandarem, ficarão decerto prontos para chegar à oficina mais próxima…

O sentir de cada um faz, naturalmente, parte das suas idiossincrasias. Contudo, sem presumir reunir unanimidades, até porque o que faz da humanidade um verdadeiro luxo, é não existirem dois seres iguais, existe uma consciência coletiva, não apenas no sentido que o sociólogo Émile Durkheim lhe atribuiu, ou um consenso que faz com que estes e outros obstáculos tornem a vida dos cidadãos mais difícil e mais vulnerável e todos ou quase todos pensem isso.

Afinal parece que as coisas que dão menos brado são as mais necessárias e urgentes. Aquelas que, não passando do chão e da paisagem próxima, transformam o estar numa vida agradável e tranquila.

Talvez o pobre narcísico que só faz o que se pode exibir, seja um ser eternamente enganado, convicto de que a vida humana é a única etapa da existência.      

No silêncio dos discretos, na nossa cidade, faz falta fazer obra invisível, daquela que se sente debaixo dos pés, nas caminhadas e nos passeios, acreditando, como disse S. Francisco de Sales, que o barulho não faz bem e que o Bem não faz barulho.

 

Margarida Cordo é psicóloga clínica, psicoterapeuta e autora de vários livros sobre psicologia e psicoterapia.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal novidade

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Um exercício lento e sólido de teologia bíblica novidade

No deserto pleno de ruídos em que vivemos – de notícias e conferências, de estradas engarrafadas e redes sociais saturadas –, é possível ver surgirem vozes de pensamento, de sabedoria sobre o que nos rodeia e nos habita. As páginas deste livro constituem uma dessas vozes. Cabe-nos escutá-la.

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco