O cardeal desobedeceu à polícia, cortou o selo e reativou a eletricidade para 450 pobres

| 13 Mai 19 | Destaque 2, Sociedade

Cardeal Konrad Krajewski, esmoleiro do Papa. Foto: Direitos reservados

 

O cardeal Konrad Krajewski, esmoleiro apostólico do Papa, considerou intolerável que cerca de 450 pessoas pobres que ocupam um palácio romano estivessem há vários dias sem energia elétrica e, quebrando o selo policial, restabeleceu a eletricidade no edifício.

Krajewski entendeu que não era aceitável que perto de uma centena de famílias, italianas e provenientes de outros 17 países, entre as quais muitas dezenas de crianças, estivessem condenadas a não ter água quente e luz, e não vissem perspectivas de poderem pagar a elevada quantia da fatura elétrica em débito.

“Foi um gesto desesperado. Havia mais de 400 pessoas sem eletricidade, com famílias e crianças, sem a possibilidade de fazer funcionar os frigoríficos”, afirmou o cardeal, que já acompanhava há tempos a situação daquelas famílias, enviando do Vaticano ambulâncias, médicos e comida. “Estamos a falar de vidas humanas”, sublinhou, citado pelo jornal italiano Corriere della Sera.

“A coisa absurda é que estamos no centro de Roma. Quase quinhentas pessoas abandonadas. São famílias que não têm para onde ir, pessoas que lutam para sobreviver”, disse o cardeal Krajewski. “O primeiro problema”, disse ele, “não é o dinheiro”.

Quem não gostou nada deste gesto foi o vice-primeiro ministro e ministro do Interior italiano, Matteo Salvini. “Toda a gente é livre de fazer o que quiser, comentou ele, mas espero que depois de ter restabelecido a corrente elétrica vá pagar os 300 mil euros em atraso que alguém não pagou e ajude todas as outras famílias italianas em dificuldade, que não podem pagar suas contas de eletricidade”.

A resposta veio da irmã Adriana, uma missionária leiga que havia recorrido ao cardeal Krajewski para resolver a situação originada pelo corte da luz: “Diante de um problema de saúde e de vida destas pessoas, eu não esperava essa resposta do ministro Salvini. Estava à espera de outra coisa, esperava a sua intervenção, até mesmo pessoal, neste espaço (…) para ver como funciona a ocupação, quem são as pessoas que cá moram, a sua história, a sua vida”, observou ela, citada pelo jornal La Repubblica. “A ocupação – acrescentou – quase que se tornou uma norma porque não há hipóteses de sobrevivência. Se não fosse através da Igreja, onde é que estas pessoas estariam? Como seria se não houvesse cantinas ou ofertas de roupas?

Este acontecimento registou desenvolvimentos nesta segunda-feira, quando os ocupantes decidiram solidarizar-se com o gesto do cardeal e abrir as portas a todos os cidadãos que queiram auto-denunciar-se como cúmplices dele. Na assembleia convocada para o fim da tarde, estava anunciada a participação de representantes da Comunidade de Sant’Egídio e da presidente do município Sabrina Alfonsi. “Siamo tutti padre Konrad” (somos todos padre Konrad), foi a consigna escolhida.

O esmoleiro do Papa acabava de chegar da ilha de Lesbos, na Grécia, onde foi levar, na semana passada, a solidariedade do Papa Francisco aos imigrantes que vivem nos campos de retenção que a União Europeia criou.

Recorde-se que este bispo polaco, de 55 anos, cedeu há dois anos os seus aposentos a um casal de refugiados sírios, indo viver para um pequeno apartamento onde tem o seu escritório.

E é frequente encontrá-lo de noite, numa carrinha, distribuindo roupas e alimentos aos pobres sem tecto que dormem nas ruas de Roma.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“Albino não morre, só desaparece”? E se fôssemos “bons samaritanos”?

A primeira frase do título não é nova, nem em Moçambique, nem fora do país. Lembrei-me dela, quando li/vi que o secretário-geral da ONU, António Guterres visitou Moçambique, em Julho último. Desse périplo, dois eventos prenderam a minha atenção: a sua ida à Beira, para se inteirar das consequências do ciclone Idai, e o seu encontro com pessoas com albinismo, e onde destacou que ninguém pode ser descriminado por causa da sua aparência física.

Refugiados e salgalhada de desinformação

O objetivo deste texto é combater alguns mitos, facilmente derrubáveis, sobre a questão dos refugiados com meia dúzia de dados, de forma a contribuir para uma melhor e mais eficaz discussão sobre o tema. Porque não acredito que devamos perder a esperança de convencer as pessoas com os melhores dados e argumentos.

Cultura e artes

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco