O colete “crucificado” pelo Papa para lembrar o compromisso de salvar vidas

| 20 Dez 19

Num encontro com refugiados oriundos da ilha de Lesbos, Francisco usou palavras duras e apelou a um esforço sério para encerrar os campos de detenção na Líbia e para acabar com as redes de traficantes.

O Papa no final do encontro, ainda com os refugiados, tendo ao fundo o colete salva-vidas sobre a cruz. Imagem captada da transmissão em directo, da Vatican News.

 

O Papa Francisco afirmou nesta quinta-feira, 19 de Dezembro, que não é “bloqueando” os barcos com refugiados e não permitindo que eles atraquem que se resolve o problema de quem tenta chegar à Europa, até porque “é a injustiça que os obriga a atravessar desertos e sofrer abusos e torturas em campos de detenção” e é também “a injustiça que os rejeita e os faz morrer no mar”.

Falando num encontro com um grupo de refugiados que estão em Roma, vindos da ilha de Lesbos, na Grécia, o Papa acrescentou: “É necessário um empenho sério em esvaziar os campos de detenção na Líbia, avaliando e concretizando todas as soluções possíveis. É necessário denunciar e perseguir os traficantes que exploram e maltratam os migrantes, sem medo de revelar conivência e cumplicidade com as instituições.”

No discurso, o Papa por se referir a um segundo colete salva-vidas que acabara de receber de presente. “O primeiro foi-me dado há alguns anos por um grupo de socorristas. Pertencia a uma menina que se afogou no Mediterrâneo”, recordou, no seu discurso (disponível, para já, apenas em italiano, no portal do Vaticano na internet), lembrando também o “imprescindível empenho da Igreja em salvar a vida dos migrantes, para os poder acolher, proteger e promover a sua integração”.

O segundo colete, acrescentou depois, foi entregue por outro grupo de socorristas há poucos dias. Pertencia a um migrante que morreu no mar em Julho, acrescentou o Papa. “Ninguém sabe quem ele era ou de onde ele veio. Sabe-se apenas que o seu colete foi recuperado à deriva no Mediterrâneo central (…). Estamos diante de outra morte causada pela injustiça. Sim, porque é a injustiça que força muitos migrantes a deixar suas terras.”

Esse segundo colete estava a “vestir” uma cruz na sala onde decorreu o encontro, cujo significado o Papa descreveu em detalhe, pelo “significado espiritual” das palavras que aprendera dos socorristas: “Em Jesus Cristo, a cruz é uma fonte de salvação, ‘loucura para os que se perdem – diz São Paulo –, mas para os que se salvam, para nós, é a força de Deus’. Na tradição cristã, a cruz é um símbolo de sofrimento e sacrifício e, ao mesmo tempo, de redenção e salvação.”

Os socorristas, acrescentou o Papa, falaram-lhe do modo “como a humanidade está aprendendo com as pessoas que conseguem salvar” e de “como em todas as missões redescobrem a beleza de ser uma única família humana grande, unida na fraternidade universal”. Por isso, decidira expor o colete “crucificado” naquela cruz, como forma de “lembrar que devemos manter os nossos olhos abertos, os nossos corações abertos, para lembrar a todos o compromisso imperativo de salvar toda a vida humana, um dever moral que une os crentes e não-crentes”.

 

“Como podemos não escutar o grito desesperado?”

Francisco terminou o discurso fazendo de novo perguntas incómodas: “Como podemos não escutar o grito desesperado de tantos irmãos e irmãs que preferem enfrentar o mar tempestuoso a morrer lentamente nos campos de detenção líbios, lugares de tortura e escravidão ignóbil? Como podemos permanecer indiferentes diante dos abusos e da violência de que são vítimas inocentes, deixando-os à mercê de traficantes sem escrúpulos?”

Afirmando que “a nossa preguiça é um pecado”, Francisco agradeceu a “todos os que decidiram não permanecer indiferentes e fazem o máximo para ajudar a vítima, sem fazer muitas perguntas sobre como ou porquê os pobres semi-mortos terminaram o seu caminho”. E insistiu: “Os interesses económicos devem ser postos de lado para que no centro esteja a pessoa, toda a pessoa cuja vida e dignidade sejam preciosas aos olhos de Deus. Nós devemos ajudar e salvar, porque somos todos responsáveis ​​pela vida do nosso próximo e [Deus] pedir-nos-á contas no momento do juízo.”

Os 33 refugiados, entre os quais 14 menores, foram acolhidos em Roma pela Comunidade de Santo Egídio no dia 4, graças a um corredor humanitário acompanhado pelo cardeal Konrad Krajewski, esmoler pontifício, noticiou a Ecclesia.

Oriundos do Afeganistão, Camarões e Togo, o grupo inclui 10 cristãos mas todos eles têm em comum “uma história de guerra, violência e pobreza”, como refere o Vatican News, citado pela mesma fonte, antes de irem para o campo de Moria, o maior campo de refugiados da ilha de Lesbos, com 14 mil dos cerca de 17 mil que ali estão.

Daniela Pompei, responsável dos serviços de imigração e integração da Comunidade de Santo Egídio, diz que no final deste mês chegarão mais dez. Algumas famílias, acrescenta, passaram “um ano, um ano e meio” em Lesbos, “depois de terem feito viagens terríveis”. E “o caminho da integração começará imediatamente: já no dia seguinte à chegada estão previstas as matrículas na escola para crianças e inclusão na escola para adultos, para aprender italiano”.

No final do encontro, e depois de a cruz ter sido colocada na parede que lhe estava destinada, o Papa cumprimentou individualmente cada um dos refugiados, detendo-se a trocar breves palavras com alguns deles.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco