O coração inebriado de Agostinho, na leitura das “Confissões”

| 26 Ago 19 | Cultura e artes - homepage, Newsletter, Teatro / Dança / Coreografia, Últimas

Philippe de Champaigne, Santo Agostinho

 

No início, logo depois da primeira peça musical de Rão Kyao, um dos actores declamará: “Quem me fará repousar em ti? Quem fará com que venhas ao meu coração e o inebries para eu esquecer os meus males e te abraçar a ti, meu único bem? Que és tu para mim? Tem piedade de mim e deixa-me falar. Será pequena desgraça se eu não te amar? Ai de mim! Pela tua compaixão, Senhor meu Deus, diz-me o que és para mim. Diz à minha alma: eu sou a tua salvação. Diz de forma que eu ouça.”

No dia que a liturgia católica dedica a Agostinho de Hipona, 28 de Agosto, no antigo convento de Santo Agostinho, hoje transformado em Museu de Leiria, o Teatro Maizum produz, a partir das 22h, uma leitura encenada das Confissões. O livro é o primeiro registo autobiográfico da história da literatura e um dos mais densos textos espirituais do pensamento ocidental.

O espectáculo, com entrada gratuita mas condicionada à lotação do espaço, decorre no claustro do convento e será antecedido de uma visita ao convento, a partir das 21h. Incluirá, intercalada com a declamação dos textos, cinco peças musicais da autoria e executadas pelo músico Rão Kyao. Os excertos do texto são retirados da mais recente e completa edição das Confissõesem português: a tradução de Arnaldo do Espírito Santo, João Beato e Maria Cristina de Castro-Maia de Sousa Pimentel (com notas de âmbito filosófico de Manuel Barbosa da Costa Freitas e José Maria Silva Rosa), editada em 2000 e com uma segunda edição em 2004.

Claustro do antigo convento de Santo Agostinho, hoje Museu de Leiria, onde decorre a encenação. Foto: Direitos reservados

 

No percurso dramatúrgico, serão apresentados excertos que falam do percurso de Agostinho, quer em termos biográficos, quer do seu pensamento: a infância e juventude, a sua paixão pelo teatro, o ensino de retórica a que se dedicou, a sua ligação a uma concubina, a doença e morte de um amigo e o modo como isso marcou a sua vida – que o leva, aliás, a partir para Cartago:

“E assim angustiava-me, suspirava, chorava, perturbava-me, e não havia repouso nem conselho. Porque trazia a minha alma despedaçada e ensanguentada, incapaz de ser levada por mim, e não encontrava onde colocá-la”, como ele escreve no livro VII das Confissões, a propósito desse acontecimento.

Mais tarde, será a sua aproximação e, depois, o abandono do maniqueísmo, bem como a sua ligação ao bispo Ambrósio, de Milão, que será decisivo na sua conversão, apesar das hesitações, e que culminará com o seu baptismo. Finalmente, outro acontecimento decisivo da sua vida, a morte de Mónica, sua mãe: “Porque me abandonava o seu tão grande amparo, a minha alma estava ferida, e como que se me dilacerava a vida, que, da minha e da dela, se tinha tornado numa só.”

O trajecto do seu pensamento passa por indicar os seus temas preferidos, pela providência e eternidade de Deus, pelo amor, pela filosofia, pela esperança e alegria ou a busca de Deus e da beleza, onde surge o conhecido parágrafo: “Tarde te amei, beleza tão antiga e tão nova, tarde te amei! E eis que estavas dentro de mim e eu fora, e aí te procurava, e eu, sem beleza, precipitava-me nessas coisas belas que tu fizeste. Tu estavas comigo e eu não estava contigo. Retinham-me longe de ti aquelas coisas que não seriam, se em ti não fossem. Chamaste, e clamaste, e rompeste a minha surdez; brilhaste, cintilaste, e afastaste a minha cegueira; exalaste o teu perfume, e eu respirei e suspiro por ti; saboreei-te, e tenho fome e sede; tocaste-me, e inflamei-me no desejo da tua paz.”

Finalmente, outros dos temas serão o poder da memória, a súmula das obras da criação e as suas reflexões sobre o tempo, outro dos capítulos intensos do livro: “Não houve, pois, tempo algum em que não tivesses feito alguma coisa, porque tinhas feito o próprio tempo. (…) O que é, pois, o tempo? Se ninguém mo pergunta, sei o que é; mas se quero explicá-lo a quem mo pergunta, não sei.”

Agostinho nasceu em Tagaste (actual Argélia) a 13 de novembro de 354 e morreu em Hipona, a 28 de agosto de 430. Ensinou gramática e retórica em Roma e Milão, converteu-se ao cristianismo por influência da mãe e viria a ser bispo de Hipona. A Cidade de Deuse Confissõessão duas das suas principais obras, que se tornariam fundamentais para o desenvolvimento da filosofia ocidental e do cristianismo. Foi proclamado “Doutor da Igreja” e é considerado um dos mais importantes filósofos do início do cristianismo.

 

Confissões de Santo Agostinho

Leitura encenada com música ao vivo de Rão Kyao

 

Convento de Santo Agostinho/Museu de Leiria

28 de Agosto, 22h (visita ao convento/museu às 21h)

Entrada livre, sujeita à lotação do espaço

 

Direção Artística: Júlio Martín da Fonseca
;

Música: Rão Kyao

Dramaturgia: Silvina Pereira

Interpretação: Augusto Portela, Helena Reis, Íris Martín Pereira e Júlio Martín Direcção Técnica: José Carlos Nascimento

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco