O corneto, a Fénix renascida e uma luz na noite de Sintra

| 9 Mai 19 | Cultura e artes, Música, Últimas

Jean Tubéry, director do Ensemble La Fenice, num momento do concerto de sábado. Foto © PSML/Pedro Lopes.

 

À quarta peça, dedicada a São Marcos, os músicos dividem-se e colocam-se nos dois extremos da sala e o efeito na Sala dos Cisnes do Palácio de Sintra soa como uma estereofonia: o som preenche todo o espaço a partir dos seus extremos, o jogo melódico parece amplificar o tamanho da sala. No início da segunda parte, o efeito é semelhante: uma parte do agrupamento La Fenice está dentro da sala, a restante coloca-se no pátio exterior, depois de abertas portas e janelas e, tocando a peça em simultâneo, os de fora concluem cada frase numa resposta em eco aos músicos de dentro da sala.

O modo de apresentação formal foi apenas um dos pormenores que fez a riqueza do concerto de sábado passado, 4 de Maio, no Palácio Nacional de Sintra, dedicado à música veneziana do século XVI, através de algumas obras de Andrea Gabrielli (1533-1585) e do seu sobrinho Giovanni (1557-1612). Com o título Coroação do Doge em Veneza, o concerto do La Fenice, dirigido por Jean Tubéry, foi o primeiro do ciclo que inclui ainda os três restantes sábados de Maio.

No dia da coroação, explicava o programa do concerto, os venezianos tinham Festa Maggiore, com a ida à Basílica de São Marcos atrás da Andata in trionfo, a procissão triunfal que incorporava o novo titular do poder. Trompetes de prata, missa de pompa, a cappella musicale completa com cantores e instrumentistas.

Foi esse ambiente que o ensemble dirigido por Tubéry soube recriar na Sala dos Cisnes, não só pela qualidade estética da sua execução, mas pela interioridade e festividade que cada músico e cantor imprimia à sua prestação – vozes e instrumentos (corneto, violinos barrocos, sacabuxas, fagote, órgão e cravo) conjugados em profunda harmonia.

Ensemble La Fenice na Sala dos Cisnes. Foto © PSML/Pedro Lopes.

 

Em Veneza, na cerimónia da coroação, a liturgia tinha um rito próprio, diferente do romano, nomeadamente no que dizia respeito à música – e assim se manteve até 1797, quando a República caiu.

O programa do concerto de sábado celebrava essa especificidade, com os motetos cantatas escritos para São Marcos e que, no caso do Laudate Dominum, com um dueto a meio da sala e o cravo, evocavam a vitória na batalha de Lepanto. No final da missa solene, ia-se ainda no programa, o dogedirigia-se à varanda do palácio junto da basílica. Diante do Adriático, atirava uma aliança ao mar, como símbolo do seu casamento com a população de Veneza.

A interioridade foi, no concerto, uma linha contínua, que nem sequer nos interlúdios das movimentações se quebrava, pois o órgão, tocado por Aki Noda, assumia o papel de ligação permanente entre as diferentes peças.

Na segunda parte, a Sala dos Cisnes pareceu transformada na Sala delle quattro porte do Palácio Ducal. Num ambiente musical íntimo, mas não menos festivo, passaram madrigais profanos e espirituais, além de um moteto “metafórico da independência veneziana”, símbolo da “ambivalência do poder político-religioso” que o dogeassumia.

Uma última palavra para o corneto (corneta com pequena curva), o instrumento tocado por Jean Tubéry, profusamente utilizado no século XVI, que introduz na música uma importante nota de delicadeza. Qual fénix renascida, como evoca o nome deste ensemble, o corneto merece, só por si, uma atenção redobrada. Sobre ele se lia na obra Harmonie Universelle, de Mersenne, publicada em Paris em 1636: “É como um raio de sol atravessando as sombras ou a escuridão, quando é ouvido entre as vozes em igrejas, catedrais ou capelas.”

O concerto de La Fenice foi uma luz atravessando a noite de Sintra.

O Ensemble La Fenice em Sintra, num outro momento do concerto. Foto © PSML/Pedro Lopes.

 

[O programa dos próximos concertos desta temporada inclui três outros momentos obrigatórios com (dia 11) o Ensemble Clément Janequin a executar polifonia do século XVI, com destaque para o compositor que dá nome ao agrupamento; a música de Claudio Monteverdi e Sigismondo d’India com o Ensemble Arte Musica (dia 18); e o incontornável Marco Beasley a dirigir (e a cantar com) um grupo de músicos que executará temas tradicionais do sul de Itália do século XVI. O programa completo pode ser consultado aqui; mais informações aqui.]

Artigos relacionados

Breves

Encontro de artistas portugueses com músicas do grupo Gen Verde

Um encontro de artistas de várias áreas, que sejam sensíveis às dimensões do Sagrado, da Beleza e do Bem Comum, está convocado para a tarde deste sábado, 18 de Maio, entre as 16h30 e as 18h, no Auditório da Igreja São Tomás de Aquino (Laranjeiras), em Lisboa.

Bolsonaro contestado por cortes na Educação

As ruas de mais de duas centenas de municípios em 26 estados brasileiros foram tomadas esta quarta-feira, 15 de maio, por manifestações que registaram a participação de centenas de milhares de estudantes e professores.

Televisão: Fátima vence Cristina

As cerimónias da peregrinação de 13 de maio a Fátima, transmitidas pela RTP1, conquistaram 381 mil espectadores, deixando o programa Cristina, da SIC, a grande distância (317 mil).

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Vemos, ouvimos e lemos…

O centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen é especial, muito para além de mera comemoração. O exemplo de cidadania, de talento, de ligação natural entre a ética e estética é fundamental. De facto, estamos perante uma personalidade extraordinária que é lembrada como referência única, como um exemplo que fica, que persiste.

Europeias 2019: Não nos tires as tentações

Estamos em crise, sim. Que bom. Porque é tempo de escolher e definir caminhos. Ao que parece, a última braçada de bruços perdeu balanço e é a nossa vez de dar o próximo impulso. Com a liberdade de questionar o inquestionável, herdámos o peso da responsabilidade. Mas desde quando desligar o automático é mau?

Cultura e artes

Coro do Trinity College de Dublin em Lisboa para concerto e eucaristia

Neste sábado e domingo, 18 e 19 de Maio, Lisboa acolhe dois concertos do Coro da Capela do Trinity College de Dublin (Irlanda). Às 17 horas de sábado, o coro dará um concerto de música sacra na Sé de Lisboa; no domingo, participa na eucaristia dominical na Catedral Lusitana de S. Paulo em Lisboa (Comunhão Anglicana), com início às 11h00 (Rua das Janelas Verdes).

Teatro: À espera de um jogo de espelhos em Goga

Entra-se e estão as 23 personagens no palco. Em rigor, esse número inclui as personagens e os seus espelhos. Estão fixas, rígidas. São um quadro que se deve olhar, de modo a reparar em todos os pormenores. Porque está o corcunda Teobald de livro na mão? Porque há um homem e uma mulher com malas?

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Mai
20
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – III – A justiça e a equidade, e a solidariedade entre as gerações @ Centro Nacional de Cultura
Mai 20@18:30_20:00

Participam Alice Vieira, escritora e jornalista; Carla Ganito, docente em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa; e Ana Barata; jovem licenciada em serviço social.

Mai
27
Seg
Conferências de Maio – “Os jovens chamados a transformar” – IV – “Os jovens descobrem Deus” @ Centro Nacional de Cultura
Mai 27@18:30_20:00

Participam Alfredo Teixeira, antropólogo e compositor, autor de Religião na Sociedade Portuguesa, Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, e João Valério, arquitecto e músico.

Ver todas as datas

Fale connosco