O Cristo de Havana

| 19 Jul 21

Praça da Revolução, Havana, Cuba.

 “No dia 27 de julho, feriado nacional pela invasão do Quartel Moncada em 1953, o seu discurso (Fidel Castro), longo como sempre, demorou duas horas…”. Foto: Praça da Revolução, Havana, Cuba. © Leonor Xavier

 

Em julho de 1989 passei dez dias em Havana. Escrevo impressionada pelas recentes notícias de protesto contra o regime, com fortes imagens de manifestações e brutal repressão nas ruas. O povo cubano sofre de crise económica, política, social. Retomo o tempo e o contexto da minha ida, a partir do Rio de Janeiro, com escala em Lima, onde vivi ambiente de terror pelas ações do Sendero Luminoso, a América Latina incendiada.

No ano anterior, Gorbachev tinha estado em Cuba e a URSS [União das Repúblicas Socialistas Soviéticas], pela Perestroika, começava a suspender a sua ajuda total a Fidel Castro. Quando cheguei tinha havido o julgamento sumário e execução dos generais Ochoa e La Guardia condenados à morte por oposição ao regime, mas formalmente por suposto tráfico de drogas. Fidel estava ainda no auge da popularidade. No dia 27 de julho, feriado nacional pela invasão do Quartel Moncada em 1953, o seu discurso, longo como sempre, demorou duas horas, foi transmitido em direto e integralmente repetido várias vezes na televisão.

Longe estávamos de imaginar a cena de janeiro de 1998, com o caloroso aperto de mão entre Fidel e o Papa João Paulo II, que em espantosa viagem o foi visitar a Cuba. Já doente, Fidel preparou-se para receber o Papa, que celebrou missa para meio milhão de pessoas, na principal praça de Havana. Cristãos por tradição e católicos por prática, calculava-se que cerca de metade da população de 11 milhões seria de cubanos crentes.

Assim, quando entrei na Catedral de Havana, e logo à esquerda reparei num enorme painel, guardei e descubro hoje mesmo, quase apagada pelos anos, a fotografia que então fiz. Com esforço, consegui copiar o texto. Comovente e extraordinário, agora relido. Quando penso na firme e radical execução política do regime, que bem percebi, mais intensa se torna a linguagem de missão.

Transcrevo, tal e qual; a tradução é minha, sem alterações. Mantenho as maiúsculas, também assim no original:

“No começo da nossa era um homem único fez a sua entrada na história da humanidade. Este homem pode significar a tua mais nobre esperança de que um melhor futuro haverá para todos os povos.
Chamou-se JESUS.
Ofício carpinteiro, seus amigos lhe chamavam Mestre. Ensinou que os pobres e aqueles de quem se diz que são maus são os primeiros para Deus.
que a liberdade é fazer sempre o bem.
que o homem vale pelo que é ou não pelo que tem ou pelo que se pode tirar dele.
que a vida é vida quando lutarmos para viver como seres humanos Deus está do nosso lado.
que não há um Deus distinto para cada um.
que há um Deus para todos que se chama PAI.
que não se deixa comprar nem controlar dá sim amor livremente e não suporta a hipocrisia nem a injustiça
que a religião não é magia nem ritos nem velhas tradições nem aparências.
que a religião é agir com retidão perante Deus. É viver limpamente a vida. É cumprir com os deveres de cada um. É tratar os outros como irmãos.
que a religião que agrada a Deus é o bem que se faz aos outros.
Vivia o que ensinava e a sua doutrina era entendida como subversiva. Por dizer estas coisas o mataram os poderosos da sua época. Mas não puderam apagar o seu nascimento nem apagar o que incendiou com a sua vida.
Porque Cristo VIVE?
Vive no coração dos que o amam e lhe entregam a sua vida. Porque veio vencer todos os males e triunfar também sobre a morte. Vive porque ressuscitou e está connosco. Com o seu nascimento começou um mundo novo que ainda está por completar.  Ele deu o primeiro impulso e a nós cabe-nos continuar… Passaram muitos anos desde que esteve entre nós. Dele se disseram muitas coisas. O tempo e o nosso comportamento puderam desfigurar a sua atuação e os seus ensinamentos.
A Igreja que ele fundou quer-te dá-lo a conhecer .”

 

Catedral de Havana

“Comoveu-me o despojamento barroco da Catedral, Jesus de certeza passa pela alma da cidade” . Foto: Catedral de Havana (Cuba) © Leonor Xavier

 

No meu livro Casas Contadas (2009) encontro o comentário: “Comoveu-me o despojamento barroco da Catedral, Jesus de certeza passa pela alma da cidade. A escrita num painel à entrada tinha o traço e um evangelho desesperado na dourada decadência de Havana Velha.”

Acrescentando as circunstâncias da minha estadia em Cuba. O embaixador cubano em Portugal, German Blanco, sabendo da viagem do Raul Solnado pelo pedido de visto de entrada no país, providenciou um carro com motorista e uma senhora que nos acompanhou em várias visitas na cidade. Assim o vocativo compañeros esteve a toda a hora na minha vida em dez dias de Havana. Assalto e violência eram coisas de capitalismo, depois das oito horas da noite só com salvo-conduto os cubanos podiam circular nos hotéis, as lojas eram para estrangeiros, os comércios de alimentação tinham filas de gente à porta e prateleiras vazias. As pessoas eram doces e amáveis, os intelectuais, os atores e atrizes, os artistas faziam autoria de criação socialista. Vi doentes operados aos olhos num grande hospital, conheci a mítica atriz Raquel Revuelta. O Hotel Habana Libre, onde aconteceu a Revolução, era um cenário de grandiosa decadência. Estive no Teatro de Havana num concerto de música clássica a comemorar os 200 anos da Revolução Francesa. Em noite de gala, a elite cubana ali me apareceu. Circulámos entre homens com suas guayaberas de linho, mulheres com penteados e alguns enfeites. Serviam-se mojitos. A senhora “de tomar conta “não foi.

Mais, relembro os cubanos que conheci no Brasil, depois da Baía dos Porcos. Hoje, sei de alguns outros que nestes anos saíram para os EUA. Ou, em geral, pelas notícias.

Penso no Cristo Jesus de Havana.

 

Leonor Xavier é escritora e jornalista.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Breves

Música, património e natureza

Festival Terras sem Sombra revisita herança judaica em Castelo de Vide novidade

O Festival Terras sem Sombra apresenta, na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa (31 de Julho, 21h30), o concerto pelo reputado Utopia Ensemble, que interpreta obras da polifonia europeia. O festival junta as memórias judaicas de Castelo de Vide, revisitadas na acção de património (31 de Julho, 15h), e as deslumbrantes paisagens da Serra de S. Mamede (1 de Agosto, 9h30), com a rica biodiversidade deste território por horizonte.

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal?

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Monumento e jardim aberto ao público

Capela dos Coimbras, aberta ao público, quer ser “ex-líbris” de Braga novidade

A capela privada mais antiga de Braga, localizada no centro histórico da cidade e que está classificada como monumento nacional, abriu ao público esta quarta-feira, 28 de julho. Os seus proprietários querem torná-la um ponto de paragem obrigatório de Braga, “quer pelo valor patrimonial e artístico que encerra, quer pelo seu jardim com esplanada, onde a partir de agora é possível usufruir do espaço, assistir a concertos e outras iniciativas culturais ou tomar alguma refeição ligeira.

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This