Mensagem

O Dalai Lama nos seus 86 anos: compaixão e não-violência até morrer

| 13 Jul 2021

O Dalai Lama assinalou o seu aniversário com um vídeo. Foto © Direitos Reservados

 

“Eu próprio estou comprometido com a não-violência e a compaixão até à minha morte. Este é o meu presente aos meus amigos.” Com estas palavras, Tenzin Gyatso, o 14º Dalai Lama do budismo tibetano, assinala, numa mensagem vídeo, os seus 86 anos.

Nascido em 6 de Julho de 1935, em Taktser, o Dalai Lama diz, na mensagem agora divulgada, que espera que os seus amigos “também mantenham a não-violência e a compaixão para o resto das [suas] vidas. “Isto é como um relatório sobre a minha vida. (…) todos os meus irmãos humanos, irmãs, devem manter estas duas coisas, não-violência e compaixão, até à vossa morte”, afirma.

Nascido Lhamo Döndrub, com o nome religioso de Jetsun Jamphel Ngawang Lobsang Yeshe Tenzin Gyatso, o Dalai Lama começa por afirmar: “Agora sou apenas um ser humano. Muitas pessoas mostram verdadeiramente que me amam e muitas pessoas amam de verdade o meu sorriso. Apesar da minha velhice, o meu rosto está bastante bem. Muitas pessoas mostram-me verdadeiramente uma amizade genuína.”

Citado no Lion’s Roar, e manifestando o seu agradecimento por todas as expressões de “amor, respeito e confiança” que tem recebido, Tenzin Gyatso assegura que, para o resto da sua vida, está “empenhado em servir a humanidade e trabalhar para proteger a condição climática”.

O Dalai Lama refere-se depois ao facto de, em 1959, ter fugido do Tibete, quando a China ocupou o seu país e o líder espiritual tibetano foi acolhido no Norte da Índia: “Desde que me tornei refugiado e agora estabelecido na Índia, tenho tirado pleno partido da liberdade e harmonia religiosa da Índia.”

Galardoado com o Prémio Nobel da Paz em 1989, o Dalai Lama acrescenta: “Quero assegurar-vos que, para o resto da minha vida, estarei plenamente empenhado neste trabalho. E depois também, aprecio realmente o conceito indiano de valores seculares, não dependentes da religião, tais como honestidade, karuna (compaixão), e ahimsa (não-violência).”

A mensagem pode ser vista no vídeo a seguir:

 

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores