Mensagem

O Dalai Lama nos seus 86 anos: compaixão e não-violência até morrer

| 13 Jul 2021

O Dalai Lama assinalou o seu aniversário com um vídeo. Foto © Direitos Reservados

 

“Eu próprio estou comprometido com a não-violência e a compaixão até à minha morte. Este é o meu presente aos meus amigos.” Com estas palavras, Tenzin Gyatso, o 14º Dalai Lama do budismo tibetano, assinala, numa mensagem vídeo, os seus 86 anos.

Nascido em 6 de Julho de 1935, em Taktser, o Dalai Lama diz, na mensagem agora divulgada, que espera que os seus amigos “também mantenham a não-violência e a compaixão para o resto das [suas] vidas. “Isto é como um relatório sobre a minha vida. (…) todos os meus irmãos humanos, irmãs, devem manter estas duas coisas, não-violência e compaixão, até à vossa morte”, afirma.

Nascido Lhamo Döndrub, com o nome religioso de Jetsun Jamphel Ngawang Lobsang Yeshe Tenzin Gyatso, o Dalai Lama começa por afirmar: “Agora sou apenas um ser humano. Muitas pessoas mostram verdadeiramente que me amam e muitas pessoas amam de verdade o meu sorriso. Apesar da minha velhice, o meu rosto está bastante bem. Muitas pessoas mostram-me verdadeiramente uma amizade genuína.”

Citado no Lion’s Roar, e manifestando o seu agradecimento por todas as expressões de “amor, respeito e confiança” que tem recebido, Tenzin Gyatso assegura que, para o resto da sua vida, está “empenhado em servir a humanidade e trabalhar para proteger a condição climática”.

O Dalai Lama refere-se depois ao facto de, em 1959, ter fugido do Tibete, quando a China ocupou o seu país e o líder espiritual tibetano foi acolhido no Norte da Índia: “Desde que me tornei refugiado e agora estabelecido na Índia, tenho tirado pleno partido da liberdade e harmonia religiosa da Índia.”

Galardoado com o Prémio Nobel da Paz em 1989, o Dalai Lama acrescenta: “Quero assegurar-vos que, para o resto da minha vida, estarei plenamente empenhado neste trabalho. E depois também, aprecio realmente o conceito indiano de valores seculares, não dependentes da religião, tais como honestidade, karuna (compaixão), e ahimsa (não-violência).”

A mensagem pode ser vista no vídeo a seguir:

 

 

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto novidade

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase pode ser desconcertante, ainda para mais vinda de uma historiadora. Neste caso, de Irene Pimentel, premiada investigadora do Instituto de História Contemporânea. Mas, então, valerá a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? Depois do “périplo” que já fez por inúmeras escolas secundárias do país, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala esta sexta-feira, 27 de janeiro, Irene Pimentel tem a certeza de que sim.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This