O desespero dos homossexuais atacados e o vídeo que impressionou Rick Foster

| 3 Out 19

Rick Foster, fotografado no Parque das Nações, em Lisboa, nos últimos dias de Setembro. Foto © Guilherme Lopes/7M

 

Rick Foster, jornalista e advogado norte-americano, recorda-se bem do que o levou a envolver-se neste trabalho: “Um dia, eu estava online e vi um vídeo, antes de ter sido removido do Facebook, que mostrava um transsexual de 17 anos a ser despido e atacado nas ruas de um país africano. Isso afetou-me.” Ficou a pensar se haveria uma forma de encontrar aquela pessoa. “Queria ter a certeza que ele ou ela estava viva e bem, e comecei a pesquisar em que parte de África o episódio tinha acontecido. Fiquei abalado quando percebi que estes incidentes acontecem em todo o continente.”

Com essa descoberta, há mais de seis anos, Foster passou a dedicar parte do seu tempo a encontrar testemunhos de casos do género e a enviar mensagens de encorajamento às vítimas desses ataques. Passou a corresponder-se, através da Internet, com algumas pessoas, descobrindo o desespero daquelas situações. Vários deles, exemplifica, eram queimados ou esfaqueados pelos familiares. Estes casos foram especialmente frequentes no Uganda durante a vigência da lei de 2014 que admitia a morte dos gays (lei que seria considerada inválida pelo Supremo Tribunal, meses depois de ter entrado em vigor) e que obrigava cada pessoa a relatar às autoridades atividades homossexuais.”

Desde então, Rick Foster, que se assume como católico, tem-se dedicado sobretudo à defesa dos direitos de refugiados da comunidade LGBT que querem sair dos seus países, nomeadamente africanos e asiáticos. De passagem por Lisboa, falou ao 7MARGENS sobre as suas motivações.

 

“Tenho muito orgulho em ser católico gay”

“Tenho muito orgulho em ser católico gay. Todos nós temos o direito de falar sobre esta questão”, afirma, em jeito de apresentação. Foster tem esperança de que a Igreja Católica venha a ser mais aberta, inclusiva e acolhedora. Já trocou correspondência com o Papa Francisco, diz, e isso tem levado a mudanças positivas nas mensagens do Papa. “Contudo, o ambiente político no Vaticano não está completamente de acordo com a mensagem” de Francisco, afirma.

Sobre o modo como a homossexualidade é vista na Bíblia, Foster diz que esses textos “foram escritos num tempo em que eram necessários ou usados.” Mas argumenta que, com o passar do tempo, muito do que foi escrito na Bíblia foi “mal interpretado e adulterado”, de forma a refletir uma agenda, como aconteceu no Uganda: quando os primeiros colonos ingleses chegaram ao território, ficaram perturbados com as pessoas que tinham relações sexuais com homens e mulheres. Foi nesse contexto que os colonos elaboraram as primeiras leis anti-sodomia.

O resultado dessas medidas, afirma, tornaram o país numa sociedade “esquizofrénica”, que não consegue aceitar a existência de homossexuais. “Hoje em dia, grupos evangelistas chegam do Reino Unido e promovem a matança de pessoas homossexuais, só para cumprir a sua agenda. Não sei ao ponto a que isto pode chegar, mas sei que a mudança é possível desde que haja um mudança de mentalidades.”

Rick Foster afirma que não tem nenhuma organização por detrás e prefere trabalhar por conta própria. Depois de ter tido contactos com várias organizações internacionais de direitos humanos, sente que ainda está muito por fazer, pois por vezes, nessas mesmas instituições ainda há preconceitos homofóbicos.

 

O telefonema do Papa a James Alison

James Alison. Foto © Religion Digital

 

O ativista norte-americano falou ao 7MARGENS poucos dias antes de ter sido conhecido o teor do telefonema que, há dois anos, o Papa Francisco fez ao padre católico e homossexual James Alison, a quem a Congregação para o Clero tinha obrigado à laicização forçada. O próprio contou detalhadamente como, a 2 de julho de 2017, recebeu uma chamada por volta das 15h em Roma (menos uma em Lisboa). O Papa identificou-se e disse-lhe: “Quero que caminhes com plena liberdade interior, continuando no espírito de Jesus. E dou-te o poder das chaves, entendes? Dou-te o poder das chaves.” Francisco prontificou-se depois a procurar o seu dossiê, como conta Alison no Religion Digital.

Também na segunda-feira passada, como o 7MARGENS contou, o Papa recebeu o padre James Martin, que acompanha a causa LGBT e que é autor do livro  Building a Bridge (Construindo uma ponte) sobre como pode a Igreja Católica aproximar-se das pessoas homossexuais. Na audiência, o Papa animou Martin a continuar o seu trabalho junto desses grupos.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?” novidade

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco