Com líderes de outras religiões

O “encontro de amigos” em que o Papa se emocionou

| 4 Ago 2023

Lideres religiosos em conferencia de imprensa, JMJ, 4 .08.2023 Foto Clara Raimundo

Quatro dos representantes religiosos que estiveram com o Papa na manhã desta sexta-feira partilharam, em conferência de imprensa, o que significou para eles este encontro. Foto © Clara Raimundo/7MARGENS.

 

Assim que chegou à sala da Nunciatura Apostólica onde o aguardavam representantes das diferentes confissões religiosas em Portugal, o Papa deu o mote: “Encontramo-nos aqui como irmãos.” E foi mesmo isso que aconteceu esta sexta-feira, 4 de agosto, assegurou Timóteo Cavaco, presidente da Aliança Evangélica de Portugal, em conferência de imprensa após o encontro com Francisco: “Saímos todos dali com a sensação de que tínhamos estado num encontro de amigos, fraternal, em torno de valores e princípios comuns”.

Recordando que “a etimologia da palavra religião remete para ligação”, Timóteo Cavaco assinalou que “as religiões sempre se encontraram e interagiram, mas a maior parte das vezes num espírito de confronto”. No entanto, “há que construir um terreno comum para o diálogo” e mesmo que existam “outras prioridades”, “é importante continuar a trilhar este caminho”, afirmou.

O bispo Jorge Pina Cabral, da Igreja Lusitana (Comunhão Anglicana em Portugal), considera que o encontro desta sexta-feira “foi um pouco o reconhecimento desse caminho que se tem vindo a fazer, quer na área ecuménica, quer na área do diálogo e da cooperação inter-religiosa”. E acrescentou: “A presença do Santo Padre e o facto de ter disponibilizado o seu tempo para estar connosco foi como dizer que estamos no caminho certo.”

Pina Cabral assinalou também que o encontro foi ainda mais belo precisamente por resultar desse caminho já iniciado: “Foi muito bonito estarmos juntos, mais ainda por já nos conhecermos e encontrarmo-nos também como companheiros de jornada”.

Lembrando que vivemos “um contexto de grande afluência de outras culturas e religiões”, Jorge Pina Cabral destacou ainda que é necessário que todas as religiões e igrejas procurem “construir juntas a inclusividade das minorias e a abertura para os problemas que essas minorias vivem em Portugal”.

Durante o encontro, o Papa disse que “temos de dar atenção à juventude e deixar-nos interpelar por ela”, partilhou o líder lusitano/anglicano, que espera “que esta JMJ ajude a um maior compromisso ecuménico em Portugal”. Da parte da Igreja Lusitana, “há jovens que também estão a participar e envolvidos com outros jovens nos espaços de reflexão e oração”, disse, com orgulho.

Orgulho foi o que manifestou também Suryakala Chhanganlal, representante da Comunidade Hindu de Portugal, por ter participado no encontro com Francisco. “O Papa desloca-se para se encontrar com os jovens de todo o mundo, passando uma mensagem de fé e de esperança, mas depois não se esquece de que esse é um percurso em que todos temos de fazer um esforço para criar uma sociedade com paz”, assinalou, sublinhando: “Para construirmos um mundo com paz, devemos conviver com todas as confissões que existem”.

Suryakala lembrou que o diálogo entre essas confissões é essencial: “um diálogo em que eu possa dizer quem sou, o que faço, o que pratico, com respeito mútuo”. É esse diálogo “que dá a tolerância para podermos caminhar”, referiu.

O padre Peter Stilwell, diretor do Departamento das Relações Ecuménicas e do Diálogo Inter-Religioso, descreveu um desses diálogos, que aconteceu precisamente durante o encontro da manhã desta sexta-feira, entre o Papa Francisco e o bispo ortodoxo Pedro Pruteanu.

O bispo da Igreja Ortodoxa Autónoma para a Europa ocidental (em Portugal e Espanha) – que no passado mês de maio presidiu a uma vigília de Pentecostes para invocar a paz na Capela do Rato – “disse a Francisco que, apesar de ser da comunidade do Patriarcado Ortodoxo Russo, vivia com preocupação esta questão da guerra na Ucrânia e que queria agradecer ao Papa por tudo o que tem feito”, contou o padre Peter Stilwell.

O diretor do Departamento das Relações Ecuménicas e do Diálogo Inter-Religioso ficou “mesmo atrás do bispo ortodoxo” e apercebeu-se da reação de Francisco: “O Santo Padre estava particularmente emocionado.”

Antes, o Papa havia recebido a visita de uma delegação do Centro de Diálogo Internacional – KAICIID, acompanhada pelo cardeal Miguel Ángel Ayuso, prefeito do Dicastério para o Diálogo Inter-Religioso. Francisco conversou ainda com Rahim Aga Khan, filho do líder da comunidade ismaelita, que tem a sua sede em Lisboa. “Foi um encontro emocionante e muito estimulante a favor do diálogo e da tolerância entre os diferentes credos e religiões, sem o que não se poderá alcançar a paz nem a concórdia entre os povos”, referiu ao 7MARGENS o secretário-.geral da organização criada pelo Vaticano, Arábia Saudita, Espanha e Áustria. “Um, veemente apelo dirigido a todos, sem excepção.”

Também o príncipe Rahim Aga Khan, filho mais velho do Aga Khan – líder espiritual da Comunidade Ismaili mundial – encontrou-se hoje com o Papa Francisco. Fonte da Comunidade disse ao 7MARGENS que ambos os responsáveis “trocaram cumprimentos calorosos e debateram temas de interesse mútuo como o contexto internacional e parcerias programáticas”. As instituições do Imamat Ismaili, que tem a sua sede em Lisboa, e da Igreja Católica trabalham em conjunto em várias áreas como a desenvolvimento na primeira infância e o apoio a idosos.

 

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

E o Seminário, terá responsabilidade?

E o Seminário, terá responsabilidade? novidade

Atravessei a década de 80 entre os muros de seminários. Três, ao todo. Dar-me-á esta circunstância a legitimidade para falar abertamente do meu susto? O meu susto é este: conheço pelo menos dois políticos portugueses (que os leitores facilmente identificarão) formados em seminários, cuja opção política está do lado daqueles que, na História, pensaram o povo como um rebanho de gente acéfala e incapaz. [Texto de Paulo Pereira de Carvalho]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This