O franciscano que é o melhor professor do mundo

9 Abr 19Destaques, Educação / Família, Pessoas, Sociedade, Últimas

Peter Mokaya Tabichi, o “melhor professor do ano”. Foto © Fundação Varkey (https://www.globalteacherprize.org/pt/vencedores/peter-tabichi/)

 

O título de “melhor professor do mundo” foi atribuído no final de Março a um queniano de 36 anos, Peter Mokaya Tabichi. O titular da distinção, frequentemente considerada como o “Nobel da educação” ou o “Nobel dos professores”, é também frade franciscano. O Global Teacher Prize tem sido concedido anualmente, desde há cinco anos, pela Fundação Varkey, do Dubai.

Numa entrevista concedida ao La Vie, o “melhor professor do mundo” fez uma síntese do início do seu percurso, que é simultaneamente profissional e religioso: “Depois de tirar o curso de Matemática e Física em 2006, entrei nos franciscanos. A minha formação durou três anos. O frade franciscano que nos ensinava marcou-me”. Aprendeu que, para ter sucesso, era preciso desenvolver a criatividade, o espírito de equipa e, sobretudo, privilegiar a acção e a palavra.

Após essa formação, Peter Tabichi foi enviado como professor para Offaka, uma escola franciscana localizada em Adraa, no Uganda. Foi aí que adquiriu competências mais técnicas, diz: “Nesta escola, havia muito poucos materiais didáticos. Ensinar sem um manual escolar e sem internet obrigou-me a ser mais criativo. Perante estudantes com capacidades limitadas de concentração, também era fundamental possuir um excelente sentido pedagógico”. Peter Tabichi afirma que também compreendeu que o sucesso desses estudantes implicou ajudá-los a adquirir um espírito de equipa. “Estes métodos – característicos da nossa instituição franciscana – forneceram bons resultados escolares”.

Frei Tabichi foi então transferido para uma escola pública mista em Keriko, no oeste do Quénia. O elevado número de alunos por turma, por vezes 70 a 80, e o local onde exerce a actividade docente, uma zona miserável no Quénia, em Nakuru, não são características que facilitem a tarefa docente. Mas os resultados escolares impuseram-se ao júri que teve de avaliar o trabalho educativo de cerca de dez mil candidatos oriundos de 179 países.

A imprensa destacou a circunstância de Peter Tabichi retirar 80 por cento do salário que recebe para o usar na ajuda aos alunos mais desfavorecidos. O diário El País notou que, “à paisana, Peter Tabichi tem um porte tão atlético e imponente que até faz pensar que ganhou a medalha de ouro nos 100 metros dos Jogos Olímpicos. Mas ele é um frade franciscano que revolucionou o modo de ensinar matemática e física numa aldeia remota do Quénia”.

Para melhorar o nível da Escola Secundária Keriko, Peter Tabichi e quatro colegas encarregam-se de ministrar cursos ao domicílio aos alunos com dificuldades em matemática e em ciências, noticiava o jornal francês La Croix, referindo ainda que o número de alunos da escola localizada numa povoação paupérrima do vale do Rift duplicou em três anos, cifrando-se presentemente em 400. A generalidade dos alunos – 95 por cento, para referir a percentagem indicada – são pobres, um terço não tem pai ou mãe e os problemas com drogas, gravidez na adolescência e suicídios são vulgares. Por isso, tal como assinalou o diário espanhol, surpreende que muitos alunos, com idades compreendidas entre os 11 e os 16 anos, sejam capazes de caminhar sete quilómetros por dia para ir à escola.

O jornal El País deu também conta do trabalho assaz diferenciado empreendido pelos dez professores – da Argentina, da Austrália, do Brasil, dos Estados Unidos da América, da Geórgia, da Holanda, da Índia, do Japão, do Quénia e do Reino Unido – que integraram a lista que chegou à final do “Nobel dos professores”. Todos são extraordinários.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Freira Indiana apela ao Vaticano contra a sua expulsão da ordem

A irmã Lucy Kalappura, da Congregação das Irmãs Clarissas Franciscanas, que protestou contra o bispo Franco Mulakkal devido à suposta acusação de violação de uma freira, apela ao Vaticano que evite a sua expulsão da ordem a que pertence, depois de lhe terem sido instauradas alegadas “ações disciplinares”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Bicentenário do Báb, “Manifestante de Deus” e fundador da Fé Bahá’í novidade

Uma das particularidades da religião bahá’í é ter na sua origem dois Profetas: o Báb e Bahá’u’lláh. E se na terminologia bahá’í os fundadores das grandes religiões mundiais são referidos como “Manifestantes de Deus” (porque manifestam características divinas), a origem dupla da Fé Bahá’í levou alguns autores a referir os seus fundadores como “Manifestantes Gémeos”.

A crise do capital, uma doença demolidora

Tenho para mim que o problema pode ser mais largo e profundo. Prefiro centrá-lo mais na longa e constante crise da doença destruidora do capitalismo mundial, nas suas mais diversas formas. Um sistema que, verdadeiramente, se encontra doente e não funciona em benefício da maioria da população.

Cultura e artes

Três rostos para a liberdade

De facto, para quem o sabe fazer, o cinema é mesmo uma arte muito simples: basta uma câmara, um ponto de partida e pessoas que se vão cruzando e dialogando. E temos um filme, quase sempre um magnífico filme. Vem isto a propósito do último trabalho do iraniano Jafar Panahi: Três Rostos.

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco