O franciscano que é o melhor professor do mundo

| 9 Abr 19 | Destaques, Educação / Família, Pessoas, Sociedade, Últimas

Peter Mokaya Tabichi, o “melhor professor do ano”. Foto © Fundação Varkey (https://www.globalteacherprize.org/pt/vencedores/peter-tabichi/)

 

O título de “melhor professor do mundo” foi atribuído no final de Março a um queniano de 36 anos, Peter Mokaya Tabichi. O titular da distinção, frequentemente considerada como o “Nobel da educação” ou o “Nobel dos professores”, é também frade franciscano. O Global Teacher Prize tem sido concedido anualmente, desde há cinco anos, pela Fundação Varkey, do Dubai.

Numa entrevista concedida ao La Vie, o “melhor professor do mundo” fez uma síntese do início do seu percurso, que é simultaneamente profissional e religioso: “Depois de tirar o curso de Matemática e Física em 2006, entrei nos franciscanos. A minha formação durou três anos. O frade franciscano que nos ensinava marcou-me”. Aprendeu que, para ter sucesso, era preciso desenvolver a criatividade, o espírito de equipa e, sobretudo, privilegiar a acção e a palavra.

Após essa formação, Peter Tabichi foi enviado como professor para Offaka, uma escola franciscana localizada em Adraa, no Uganda. Foi aí que adquiriu competências mais técnicas, diz: “Nesta escola, havia muito poucos materiais didáticos. Ensinar sem um manual escolar e sem internet obrigou-me a ser mais criativo. Perante estudantes com capacidades limitadas de concentração, também era fundamental possuir um excelente sentido pedagógico”. Peter Tabichi afirma que também compreendeu que o sucesso desses estudantes implicou ajudá-los a adquirir um espírito de equipa. “Estes métodos – característicos da nossa instituição franciscana – forneceram bons resultados escolares”.

Frei Tabichi foi então transferido para uma escola pública mista em Keriko, no oeste do Quénia. O elevado número de alunos por turma, por vezes 70 a 80, e o local onde exerce a actividade docente, uma zona miserável no Quénia, em Nakuru, não são características que facilitem a tarefa docente. Mas os resultados escolares impuseram-se ao júri que teve de avaliar o trabalho educativo de cerca de dez mil candidatos oriundos de 179 países.

A imprensa destacou a circunstância de Peter Tabichi retirar 80 por cento do salário que recebe para o usar na ajuda aos alunos mais desfavorecidos. O diário El País notou que, “à paisana, Peter Tabichi tem um porte tão atlético e imponente que até faz pensar que ganhou a medalha de ouro nos 100 metros dos Jogos Olímpicos. Mas ele é um frade franciscano que revolucionou o modo de ensinar matemática e física numa aldeia remota do Quénia”.

Para melhorar o nível da Escola Secundária Keriko, Peter Tabichi e quatro colegas encarregam-se de ministrar cursos ao domicílio aos alunos com dificuldades em matemática e em ciências, noticiava o jornal francês La Croix, referindo ainda que o número de alunos da escola localizada numa povoação paupérrima do vale do Rift duplicou em três anos, cifrando-se presentemente em 400. A generalidade dos alunos – 95 por cento, para referir a percentagem indicada – são pobres, um terço não tem pai ou mãe e os problemas com drogas, gravidez na adolescência e suicídios são vulgares. Por isso, tal como assinalou o diário espanhol, surpreende que muitos alunos, com idades compreendidas entre os 11 e os 16 anos, sejam capazes de caminhar sete quilómetros por dia para ir à escola.

O jornal El País deu também conta do trabalho assaz diferenciado empreendido pelos dez professores – da Argentina, da Austrália, do Brasil, dos Estados Unidos da América, da Geórgia, da Holanda, da Índia, do Japão, do Quénia e do Reino Unido – que integraram a lista que chegou à final do “Nobel dos professores”. Todos são extraordinários.

Artigos relacionados

Breves

Limpar uma praia porque o planeta está em jogo

Sensível ao ambiente, à poluição e ao seu impacto sobre o mundo animal e o planeta em geral, Sylvia Picon, francesa residente em Portugal, decidiu convocar um piquenique ecológico na Praia do Rei (Costa de Caparica, Almada), no próximo sábado, 20 de abril. A concentração será no parque de estacionamento da Praia do Rei e ao piquenique segue-se uma limpeza do areal desta praia da Costa de Caparica.

União Europeia acusada de financiar trabalho forçado em África

A Fundação Eritreia para os Direitos Humanos (FHRE) e a Agência Habeshia alertaram para o facto de o financiamento da União Europeia (UE) poder estar a ajudar na promoção de situações de semi-escravatura de militares jovens, através dos fundos para a construção de estradas na Eritreia, até à fronteira com a Etiópia, e que supostamente se destinam a combater a “migração irregular”.

Bispos do México fazem frente a Trump e ajudam migrantes nas fronteiras

Os bispos católicos do nordeste do México uniram-se para receber comboios de imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos da América e ficam retidos na fronteira com o seu país. Para tal estão a ser tomadas várias medidas de apoio como a criação de novos centros de acolhimento de migrantes em dioceses transfronteiriças, à semelhança do que já acontece na diocese de Saltillo.

Boas notícias

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

República Centro Africana: jovens promovem acordo de não-agressão entre bairros

Dois jovens centro-africanos – Fabrice Dekoua, cristão, e Ibrahim Abdouraman, muçulmano – decidiram promover um pacto de não-agressão entre as populações dos bairros de Castores (de predominância cristã) e Yakite (maioria mulçumana), na capital da República Centro-Africana, Bangui, para tentar mostrar que é possível pôr fim à violência que assola o país.

É notícia 

Entre margens

A Páscoa como escândalo

A falta de compreensão do sentido da Páscoa tornou-se generalizada no mundo ocidental, apesar de a celebrar, por força da tradição e da cultura. A maior parte dos que se afirmam cristãos revela enorme dificuldade em entender o facto de a época pascal ser a mais significativa no calendário da fé cristã.

Jesus Cristo, o estrangeiro aceite pelos povos bantus

Jesus Cristo é uma entidade exterior aos bantu. É estrangeiro, praticamente um desconhecido, mas aceite pelos bantu. Embora se saiba de antemão que Jesus é originário do Médio Oriente e não português, povo que levou o Evangelho para África. Parece um contrassenso?

Papa Francisco: “Alegrai-vos e exultai”. Santidade e ética

No quinto aniversário do início solene do seu pontificado, a 19 de março de 2018 (há pouco mais de um ano), o Papa Francisco publicou a Exortação Apostólica Gaudete et Exsultate, “sobre a santidade no mundo atual”. Parte do capítulo V da Constituição do Vaticano II, Lumen Gentium. Aí se propõe a santidade para todos os cristãos, entendida em dois níveis: a santidade como atributo de Deus comunicada aos fiéis, a que se pode chamar “santidade ontológica”, e a resposta destes à ação de Deus neles, a “santidade ética”.

Cultura e artes

As Sete Últimas Palavras

Talvez muitas pessoas não saibam que a obra de Joseph Haydn As Sete Últimas Palavras de Cristo na Cruz foi estreada em Cádis, na Andaluzia, depois de encomendada pelo cónego José Sáenz de Santamaria, responsável da Irmandade da Santa Cova.

Laranjeiras em Atenas

Há Laranjeiras em Atenas, de Leonor Xavier (Temas e Debates/Círculo de Leitores, 2019) reúne um conjunto diversificado de textos, a um tempo divertidos e sérios, livro de memórias e de viagens, de anotações e comentários… O gosto e a surpresa têm a ver com pequenos pormenores, mas absolutamente marcantes.

Sete Partidas

Uma gotinha do Tamisa contra o “Brexit”

Mas o meu objectivo número um para a visita neste sábado era o de participar na grande e anunciada manifestação contra o Brexit. Quando cheguei junto ao Parlamento já lá estava tudo preparado para as intervenções políticas.

Visto e Ouvido

Uma criação musical para Quinta-Feira santa: O Senhor mostrou o poder do seu amor, de Rui Miguel Fernandes, SJ

Agenda

Fale connosco