O futuro da sociedade inscrito no futuro da religião

| 22 Abr 19 | Cultura e artes, Newsletter, Outras Religiões, Outras Religiões - homepage, Portugal, Últimas

Uma leitura de: Alfredo Teixeira, Religião na Sociedade Portuguesa. Fundação Francisco Manuel dos Santos, Lisboa 2019

Sociólogo, antropólogo, teólogo e músico, Alfredo Teixeira consegue juntar as suas múltiplas competências num discurso complexo e dialeticamente multifacetado, em que a aridez dos dados sociológicos é animada pela carne do olhar antropológico (que vê gente dentro dos fenómenos), os números são substanciados pelos símbolos e os factos são reconhecidos na independência não autossuficiente da verdade. O discurso científico, sabe este autor inquieto e insatisfeito, desenvolve integralmente o seu potencial apenas no diálogo com a beleza que não se deixa explicar e com o seu próprio autotranscender-se como mistério. O sociólogo que não pode não se dizer antropólogo, mantém assim a rota do seu percurso de investigação olhando para o céu da música e da teologia, não sendo porto aquilo que ele procura, mas unicamente direção.

Esta pluralidade dinâmica e enriquecedora floresce com força no último livro do investigador, Religião na Sociedade Portuguesa (Fundação Francisco Manuel dos Santos, Lisboa, 2019), texto pequeno pela dimensão, mas de grande envergadura teórica, sinopse densíssima de uma vida de investigação dedicada ao fenómeno religioso na sociedade portuguesa.

O formato não académico do livro (publicado na série Ensaios da Fundação, uma coleção de textos que pretendem apresentar o saber fundamental relativo a uma disciplina ou a um tópico a um público não especialista) ajuda à decantação de um longo caminho de pesquisa e reflexão numa síntese conceptual purificada de idolatrias bibliográficas (a literatura de referência fica devidamente registada, mas sem sobrecarregar o texto de notas que interrompem o fio do pensamento) e tecnicismos nebulosos. O resultado é assim uma síntese cristalina dos factos e das hipóteses interpretativas adquiridos ao longo de anos de investigação no campo dos fenómenos e das ideias, nos inquéritos e nos livros, reunidos num quadro geral do estado do religioso em Portugal no ano do Senhor de 2019.

São três as coordenadas de fundo que caracterizam este panorama, segundo Teixeira: destradicionalização, individualização e diversificação.

Na grande evolução conhecida por Portugal no meio século decorrido após a Revolução de Abril, o fenómeno religioso não é excepção: se a Revolução não foi em si um fator directo de mudança neste campo, as consequências sociais que ela desencadeou, contribuindo para recuperar rapidamente o atraso do país em relação ao resto de Europa, foram determinantes em redefinir o perfil da pertença e da crença religiosas, no sentido de uma modernização tumultuosa e difusa.

Longe de poder ser configurada no paradigma clássico da secularização, que identifica a modernização com o declínio da religião, realça Teixeira, esta modernização apresenta-se efetivamente como processo ‘pós-secular’ de redefinição da presença social do religioso, na crescente dissociação da experiência religiosa individual da normatividade e das práticas institucionais (individualização), assim como dos códigos simbólicos de transmissão coletiva (destradicionalização) e do monopólio católico vigente por séculos na sociedade portuguesa (diversificação).

Modernização não significa por isso menos religião, mas menor uniformidade social, confessional, axiológica e comportamental da experiência religiosa. No Portugal contemporâneo, o deus da minha terra, foco simbólico de uma religiosidade tradicional de cariz campesino, sedentário e politicamente manipulada em prol de um nacionalismo autoritário, deu lugar a uma pluralidade incontrolável e fragmentada de constelações simbólicas, em que a crença se emancipa da pertença (e vice-versa), em que a afetividade (núcleo quintessencial da religiosidade portuguesa segundo a célebre definição de Frei Bento Domingues) se torna preponderante, do ponto de vista identitário, sobre a ortodoxia confessional e a ortopraxia ética e ritual  (no prevalecer da autorregulamentação moral e na rarefação despreocupada da regularidade da prática sacramental).

Os portugueses, verifica Teixeira, continuam a ser maioritariamente crentes, mas de cada vez mais religiões, cada vez menos confessionais, cada vez menos fiéis, cada vez menos integrados em padrões comportamentais regulares e conformes a imperativos normativos gerais. Esta religiosidade crescentemente não religiosa (não assimilável a uma pertença coletiva comum) relativiza como caracterização inadequada o lema pós-moderno do regresso da religião, ao mesmo tempo que deslegitima irreversivelmente a tese modernista do desaparecimento da religião, exigindo fórmulas interpretativas radicalmente novas.

É revigorante, deste ponto de vista, a atitude construtiva e generosamente otimista do autor perante uma série de fenómenos que alguns observadores classificam desdenhosamente como mercadização do religioso, vendo-o reduzido a livre mercado de uma oferta diferenciada em que cada um pode adquirir o que quer, num dramático colapso da normatividade comum e da coesão social. Mais do que dissolver-se, para o autor a pertença redefine-se, adquirindo traços que escapam ao controlo institucional, mas podem ser muito fortes. O caso de Fátima e o seu êxito planetário como polo agregador de uma identidade devocional que se integra com a ratio eclesial sem se assimilar plenamente a ela, constitui deste ponto de vista um case study de extraordinário interesse, sobre o qual o autor se debruça com fineza simpatética e singular inteligência hermenêutica.

“O caso de Fátima como polo agregador de uma identidade que se integra com a ratio eclesial sem se assimilar plenamente a ela, constitui deste ponto de vista um case study sobre o qual o autor se debruça com fineza simpatética e singular inteligência hermenêutica.” Foto © António Marujo

O leitor, que chega ao fim do livro esclarecido sobre o ‘estado das coisas’ por este fresco tão nítido, completo e convincente, encontra-se, contudo, no limiar de um novo livro, ainda não escrito, que deve, urgentemente, ser escrito. Qual será a perspetiva construtiva abraçada pelo autor perante o quadro analítico proposto? Qual será a chave eclesiológica elaborada pelo teólogo perante a verificação sociológica da crise da paróquia como entidade territorial e a sua necessária reinvenção como espaço comum de polos comunitários diferentes? Como evitar que a persistência do religioso se traduza num dramático declínio do catolicismo, cujo traço constitutivo de eclesialidade sacramental (de pertença comunitária alimentada pela partilha da Eucaristia) se perde irremediavelmente na fragmentação individualística da fruição de serviços (litúrgicos, sociais, assistenciais, culturais, simbólicos)? Como reconstruir um tecido comunitário, essencial para a Igreja como para a sociedade, perante a desagregação progressiva induzida pela crescente tendência da sociedade à mediatização (a absorção dos processos de comunicação pelos seus canais de transmissão), liquidificação (a descompactação das identidades individuais, segundo a definição dada pelo autor) e terciarização (a redução das práticas sociais a serviços)?

Que o futuro da sociedade esteja inscrito no futuro da religião é convicção que este livro confirma e reforça, ao expor, tão brilhantemente, que não é da manutenção do passado que o futuro de ambas virá a ser gerado. 

 

(O registo vídeo da sessão de apresentação do livro pode ser visto aqui; Teresa Bartolomei é doutorada em Teoria da Literatura pela Universidade de Lisboa, investigadora do Centro de Investigação em Teologia e Estudos de Religião da Universidade Católica Portuguesa https://ft.lisboa.ucp.pt/pt-pt/citer e professora convidada na Faculdade de Teologia da mesma UCP)

Artigos relacionados

Editorial 7M – Um dia feliz

Editorial 7M – Um dia feliz

Hoje é dia de alegria para os católicos e para todos os homens e mulheres de boa vontade. Em São Pedro, um homem que encarna e simboliza boa parte do programa de Francisco para a Igreja Católica recebe as insígnias cardinalícias. É português, mas essa é apenas uma condição que explica a nossa amizade e não é a fonte principal da alegria que marca o dia de hoje. José Tolentino Mendonça é feito cardeal por ser poeta, homem de acolhimento e diálogo. E, claro, por ser crente.

Apoie o 7 Margens

Breves

Astérix inclui protagonista feminina que se assemelha a Greta no seu novo álbum novidade

Astérix e Obélix, dois dos nomes mais icónicos da banda desenhada franco-belga, regressam no 38º álbum da dupla, que celebra igualmente os 60 anos da série criada em 1959 por Albert Uderzo e René Goscinny. Nesta história, há uma nova personagem: Adrenalina, filha desconhecida do lendário guerreiro gaulês Vercingétorix, que introduz o tema das diferenças entre gerações.

Nobel da Economia distingue estudos sobre alívio da pobreza novidade

O chamado “Nobel” da Economia, ou Prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, foi atribuído esta segunda-feira, 14 de outubro, pela Real Academia Sueca das Ciências aos economistas Abijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer, graças aos seus métodos experimentais de forma a aliviar a pobreza.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

A beleza num livro de aforismos de Tolentino Mendonça

Um novo livro do novo cardeal português foi ontem posto à venda. Uma Beleza Que nos Pertence é uma colecção de aforismos e citações, retirados dos seus outros livros de ensaio e crónicas, “acerca do sentido da vida, a beleza das coisas, a presença de Deus, as dúvidas e as incertezas espirituais dos nossos dias”, segundo a nota de imprensa da editora Quetzal.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco