“O grito”

| 24 Abr 2021

O Grito. Munch

Imagem: Skrik (O Grito), de Edvard Munch. Esta versão, pintada em 1910 em têmpera sobre cartão, foi roubada em 2004 do Museu Munch (Oslo, Noruega) e recuperada em 2006.

 

Quem não conhece a pintura a óleo de Edvard Munch, que é posta a par da Mona Lisa? Como é possível que uma tela inerte, fechada em si, no silêncio perpétuo, arraste o nosso olhar como quem é atraído pelo mais tremendo grito de solidão?

Quantas vezes na vida sentimos que somos um grito que perdeu a voz? Não haverá ninguém que nos ouça? Quem dera que todos nós pudéssemos encontrar alguém que nos fitasse nos olhos, escutasse o nosso grito e o deixasse morrer no calor da amizade!

Outras vezes, tanto gritamos que toda a gente olha para nós – ou para nos acudir ou para se alegrar connosco.

Pode ser importante soltar um brado de vez em quando, até para manter a saúde psicológica e a alegria saudavelmente infantil… E muita gente perde a vida por não conseguir bradar por socorro da maneira mais eficaz!

Na Bíblia, o próprio Deus, através dos profetas e de Jesus, grita connosco e bem: quer para avisar do perigo quer para se alegrar connosco. E é o primeiro a incitar-nos a clamar por ajuda e também a gritar de alegria.

Precisamos de gritar bem alto as injustiças em todo o mundo. Mas esses brados de nada valem se não pensamos no que deve ser feito e em como exigir a capacidade e honestidade que devem possuir aqueles que escolhemos para representar os nossos brados. Só assim poderemos avançar na grande marcha: em que gente rica, atletas, grandes artistas, intelectuais… se misturam com os coxos, com os cegos, com os que por amor “perdem” tempo, com as mães que transportam a vida dentro de si ou a seu colo… É na consciência, empatia e entreajuda ao longo deste caminhar, que cada qual se enriquece e fortifica com os talentos, humildade, prudência e força de todos os mais.

Perante Deus, pode haver alguém inútil? Seja qual for a idade ou o tipo de vida, cada ser humano, pelo mero facto de existir, “brada a Deus” – porque tem sede de mais. E por isso, Jesus se apropriou da tradição profética ao dirigir-se de modo especial aos que sentem na pele as injustiças da vida e que precisam de estar atentos a tudo o que possa ser um sinal de vida nova.

Se não somos sensíveis aos problemas dos outros, não nos admiremos que se propague a violência. Se não somos capazes de caminhar junto dos que podem menos como junto dos que podem mais, sem snobismo nem servilismo, não vamos a lado nenhum, por muita sensibilidade que publicitemos. Perdemos demasiado tempo a ter pena – em vez de acções e projectos que valham a pena.

O grito é, pois, um aviso: do problema que sentimos mas sobretudo da multiplicação social das variantes do que parecia ser apenas sofrimento individual. Se não nos habituamos a abrir os olhos à nossa volta, o grito fica estéril, sem eco eficaz. Reflectir sobre a dor, discutir sobre as razões e sentido da dor, e como é que os projectos políticos a podem e devem enquadrar – será, para a grande comunidade, o modo mais saudável de vida.

 

Manuel Alte da Veiga é professor aposentado do ensino universitário.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This