“O grito”

| 24 Abr 2021

O Grito. Munch

Imagem: Skrik (O Grito), de Edvard Munch. Esta versão, pintada em 1910 em têmpera sobre cartão, foi roubada em 2004 do Museu Munch (Oslo, Noruega) e recuperada em 2006.

 

Quem não conhece a pintura a óleo de Edvard Munch, que é posta a par da Mona Lisa? Como é possível que uma tela inerte, fechada em si, no silêncio perpétuo, arraste o nosso olhar como quem é atraído pelo mais tremendo grito de solidão?

Quantas vezes na vida sentimos que somos um grito que perdeu a voz? Não haverá ninguém que nos ouça? Quem dera que todos nós pudéssemos encontrar alguém que nos fitasse nos olhos, escutasse o nosso grito e o deixasse morrer no calor da amizade!

Outras vezes, tanto gritamos que toda a gente olha para nós – ou para nos acudir ou para se alegrar connosco.

Pode ser importante soltar um brado de vez em quando, até para manter a saúde psicológica e a alegria saudavelmente infantil… E muita gente perde a vida por não conseguir bradar por socorro da maneira mais eficaz!

Na Bíblia, o próprio Deus, através dos profetas e de Jesus, grita connosco e bem: quer para avisar do perigo quer para se alegrar connosco. E é o primeiro a incitar-nos a clamar por ajuda e também a gritar de alegria.

Precisamos de gritar bem alto as injustiças em todo o mundo. Mas esses brados de nada valem se não pensamos no que deve ser feito e em como exigir a capacidade e honestidade que devem possuir aqueles que escolhemos para representar os nossos brados. Só assim poderemos avançar na grande marcha: em que gente rica, atletas, grandes artistas, intelectuais… se misturam com os coxos, com os cegos, com os que por amor “perdem” tempo, com as mães que transportam a vida dentro de si ou a seu colo… É na consciência, empatia e entreajuda ao longo deste caminhar, que cada qual se enriquece e fortifica com os talentos, humildade, prudência e força de todos os mais.

Perante Deus, pode haver alguém inútil? Seja qual for a idade ou o tipo de vida, cada ser humano, pelo mero facto de existir, “brada a Deus” – porque tem sede de mais. E por isso, Jesus se apropriou da tradição profética ao dirigir-se de modo especial aos que sentem na pele as injustiças da vida e que precisam de estar atentos a tudo o que possa ser um sinal de vida nova.

Se não somos sensíveis aos problemas dos outros, não nos admiremos que se propague a violência. Se não somos capazes de caminhar junto dos que podem menos como junto dos que podem mais, sem snobismo nem servilismo, não vamos a lado nenhum, por muita sensibilidade que publicitemos. Perdemos demasiado tempo a ter pena – em vez de acções e projectos que valham a pena.

O grito é, pois, um aviso: do problema que sentimos mas sobretudo da multiplicação social das variantes do que parecia ser apenas sofrimento individual. Se não nos habituamos a abrir os olhos à nossa volta, o grito fica estéril, sem eco eficaz. Reflectir sobre a dor, discutir sobre as razões e sentido da dor, e como é que os projectos políticos a podem e devem enquadrar – será, para a grande comunidade, o modo mais saudável de vida.

 

Manuel Alte da Veiga é professor aposentado do ensino universitário.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Fraternidade sem fronteiras

Fraternidade sem fronteiras novidade

A fraternidade é imprescindível na vida e na missão. No Congresso sobre o tema, a realizar nos dias 14 e 15 de Outubro, em Lisboa, queremos reflectir sobre a construção da fraternidade na sociedade, na política, na economia, na missão, no diálogo entre as religiões e na reconstrução da esperança.

Irmã Elis Santos: “São mais de 500 anos a sobreviver, e nós queremos existir”

Indígena do povo Mura em entrevista

Irmã Elis Santos: “São mais de 500 anos a sobreviver, e nós queremos existir” novidade

Aos 35 anos, Elis Santos, religiosa da Divina Providência, é uma das vozes mais ativas no Brasil na luta pelos direitos dos povos indígenas. Descendente do povo Mura e mestre em Antropologia Social, a irmã Elis falou ao 7MARGENS durante o encontro d’A Economia de Francisco, que decorreu na semana passada em Assis, e lamentou que no seu país continue a prevalecer “uma economia que mata”. 

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This