O Holocausto esteve no limbo em Portugal, o livro de Irene Pimentel quer tirá-lo de lá

| 14 Out 2020

O tema do Holocausto tem estado num limbo em Portugal: primeiro, Salazar para lá o remeteu, com a sua política de neutralidade durante a Segunda Guerra Mundial; depois, o assunto foi eliminado da História e da memória portuguesa. E após a instauração da democracia, em 1974, as prioridades da historiografia foram outras.

É deste modo que, na introdução do seu livro Holocausto (que nesta quinta-feira será apresentado publicamente, em Lisboa) a historiadora Irene Flunser Pimentel resume o facto de, até agora, não haver uma investigação exaustiva e detalhada sobre a Shoah (ou Shoá,  como o livro opta por escrever) e sobre o papel de Portugal nesse “medonho acontecimento da história da humanidade”.

A historiadora recorda ainda que depois do 25 de Abril de 1974 se começou a investigar mais o tema, mas centrando as investigações no papel da diplomacia portuguesa e nos refugiados que passaram por Portugal. Faltava fazer, nessa altura, escreve Irene Pimentel na introdução, “a caracterização do regime ditatorial derrubado”, bem como das suas instituições, “passando pelo comportamento dos ditadores Salazar e Caetano” entre 1932 e 1974.

O livro de Irene Pimentel pretende, assim, abordar o papel de Portugal e esclarecer muitas das dúvidas que ainda persistem sobre o Holocausto, procurando responder a muitas perguntas. Desde logo, as de carácter mais genérico, como: o que foi o Holocausto? Como foi possível tamanho crime? Quando souberam os Aliados da Shoah? Poderia ela ter-se evitado? Depois, as perguntas mais específicas sobre o caso português, entre as quais: O regime português era antissemita? Como soube o governo português do genocídio nazi dos judeus europeus? Esteve Portugal também na rota da Shoah? Como foram descobertos os campos de concentração e de extermínio e de que forma foram julgados os criminosos nazis? E a opinião pública portuguesa, a viver em ditadura, quando e o que soube?

sinal stop auschwitz holocausto

Sinal com ordem para parar, em Auschwitz: o tema do Holocausto tem estado ausente da memória portuguesa, Irene Pimentel pretende colmatar essa brecha. Foto: Wikimedia Commons.

 

A obra pretende “desfazer confusões, contribuindo para um conhecimento maior” da tragédia do Holocausto e do papel de Portugal diante desse “terrível acontecimento”, com base na investigação da autora e também “na profusa bibliografia existente sobre o tema, em geral, e relativamente a Portugal, em particular”.

Dividido em duas partes, Holocausto começa por fazer uma contextualização histórica da Shoah –antecedentes, linguagem, como foi vista pela comunidade internacional –, para se centrar depois em Portugal, no Estado Novo, na política externa de Salazar e na opinião pública portuguesa sobre a guerra e o extermínio de milhões de inocentes às mãos dos nazis.

Irene Flunser Pimentel é autora, entre outras obras, de História das Organizações Femininas do Estado Novo (2000), Fotobiografia de Manuel Gonçalves Cerejeira (2002), Judeus em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial. Em Fuga de Hitler e do Holocausto (2006), A História da PIDE (2007), Salazar, Portugal e o Holocausto (2013, em coautoria) e foi distinguida com o Prémio Pessoa em 2007.

A apresentação do livro, que tem edição da Temas e Debates, decorre no Instituto Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Lisboa, no âmbito do programa Nunca Esquecer. Terá lugar nesta quinta-feira, 15 de Outubro, às 17h, com a intervenção da jornalista Luciana Leiderfarb e entrada pelo Largo das Necessidades (Protocolo de Estado). Em virtude das regras de segurança em vigor, será obrigatório o uso de máscara e deve enviar-se previamente um mail para conferencias.idi@mne.pt ou mafalda.trindade@bertrand.pt.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This