O Irão em brasa: A brutal repressão aos protestos

| 20 Jan 2023

protestos no irao contra morte de Mahsa Amini foto redes sociais

“A luta das mulheres – e não só – no Irão, desencadeada pelo espancamento até à morte de Masha Amini, por violação do código de vestuário em vigor, tem estado a comover o mundo e a abalar o teocrático regime iraniano.” Foto: Protestos no Irão contra morte de Mahsa Amini. Retirada das redes sociais

 

Não há dia que não cheguem notícias relativas ao grande e antigo país que é o Irão. As ruas das cidades desde há largas semanas que têm sido palco de multidões de manifestantes a clamarem por liberdade. Aos apelos dos iranianos, o governo religioso autocrático do Irão tem respondido com uma desmesurada e sangrenta violência, chegando a condenar à morte alguns manifestantes.

Os regimes autoritários, como é o caso do Irão, não suportam a palavra liberdade e as manifestações de rua. Desde Putin na Rússia, ao regime chinês, aos talibãs. Quando há qualquer manifestação, a polícia sai à rua para reprimir brutalmente os manifestantes.

É o que está agora a acontecer todos os dias no Irão, governado pelo regime teocrático dos ayatollahs, seguidores do islão xiita. O regime deste país impõe às mulheres iranianas estarem encerradas no seu lar, cuidar apenas dos seus filhos e vestir-se como mandam – todas tapadas; os gays não devem atrever-se a vir para a praça pública manifestar-se – as minorias devem contentar-se a viver a sua vida marginalizada.

A luta das mulheres – e não só – no Irão, desencadeada pelo espancamento até à morte de Masha Amini, por violação do código de vestuário em vigor, tem estado a comover o mundo e a abalar o teocrático regime iraniano. Amini foi considerada, pela revista Time, a heroína do ano de 2022, pelo grave acontecimento que viveu, conseguindo pôr em causa o todo-poderoso regime religioso do Irão, implantado no país desde a revolução islâmica de 1979. Estes acontecimentos têm provocado, por todo o mundo livre, homenagens públicas à bravura destas mulheres iranianas, bem como à opressão feminina, nomeadamente no nosso país. Em 2022, pelo menos 28 mulheres foram mortas em contexto de relações de intimidade. Lamentavelmente, Portugal e muitos países democráticos continuam também a registar uma elevada taxa de casos de violência de género. Portanto, a luta das mulheres do Irão deve também ser motivadora do apoio que todos devemos dar a esta causa universal.

Se virmos o que se passa no Irão relativamente à opressão das mulheres, temos de ter em conta que se trata de uma região que tem estado a ser governada por califados muçulmanos desde 650, altura em que os exércitos árabes islâmicos conquistaram um imenso território que ia desde a Península Ibérica até ao rio Indo na Índia.

Trata-se da dinastia Omíada que transformou radicalmente a vida na Pérsia e noutros estados cristãos, unindo-os a todos na mesma língua e religião. A língua árabe, a cultura e a ciência, as artes e os costumes, bem como a religião dos povos invadidos e dominados, foram implantadas nas mesquitas, que se tornaram o centro mais importante de cada cidade ou aldeia. Uma poderosa civilização espalhada pela Ásia e Europa que ajudaria a impulsionar o movimento cultural de Renascimento na Europa.

Uma data importante para o que é hoje o Irão, antiga Pérsia, deu-se em 1500 em que se foi implantando, em alguns nos reinos muçulmanos, a denominação xiita do islamismo.

Dando um salto até à Grande Guerra 1914-18 este país foi envolvido neste conflito integrado no Império Otomano. Derrotado neste conflito, foi ocupado pelo vencedor Reino Unido que se dedicou a explorar o precioso petróleo, arrecadando para o seu país fabulosas fortunas.

De 1921 a 1925, no pós-guerra, uma nova dinastia tomou conta do país, dotando o Irão de grandes e modernas infraestruturas e indústrias, nomeadamente o caminho de ferro. O poder foi então centralizado no monarca Xá Reza Pahlavi.  Seria só em 1935 que o monarca reinante solicitou e foi aceite pela comunidade internacional o nome Irão para a antiga Pérsia. Após a Segunda Guerra Mundial, implantou-se no Irão uma ditadura do Xá tendo, na década de 70, o clero xiita ganhado força política. Em 1963 o Irão modernizou-se novamente, chegando a dar o voto às mulheres. Um progresso assinalável.

Em abril de 1979, a autoridade suprema foi ocupada por um chefe religioso. Desde 1981, o país tornou-se num regime teocrático, contra as forças civis que são reprimidas. É neste escaldante clima actual de repressão em que vive a sociedade civil, sobretudo as mulheres, as mais perseguidas na sua dignidade. Até quando durará esta brutal repressão aos justos protestos?

Um Próspero Novo Ano!

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

 

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo”

Último dia na RD Congo

Francisco alerta bispos para o perigo do “carreirismo” novidade

Antes de se despedir da República Democrática do Congo (RDC), o Papa visitou na manhã desta sexta-feira, 3 de fevereiro, a sede da Conferência Episcopal do Congo (CENCO), onde se encontrou com os bispos do país. No seu discurso, desafiou-os a serem uma “voz profética” em defesa do “povo crucificado e oprimido”, e alertou-os para a tentação de “ver no episcopado a possibilidade de escalar posições sociais e exercer o poder”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências”

Encontro com consagrados

Papa pede aos padres que não se sirvam da sua função para “satisfazer carências” novidade

Depois de ter passado a manhã com mais de 80 mil jovens e catequistas, o Papa encontrou-se na tarde desta quinta-feira, 2 de fevereiro, com cerca de 1.200 padres, diáconos, consagrados e seminaristas, na Catedral de Kinshasa. Naquele que foi o terceiro dia da sua viagem apostólica à República Democrática do Congo (RDC), véspera de rumar ao Sudão do Sul, Francisco alertou que o sacerdócio ou qualquer forma de vida consagrada não podem ser vistos como um meio para “satisfazer carências e comodidades” ou para adquirir uma melhor “posição social”.

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada

Tensão no bairro cristão de Jerusalém

Americano judeu tenta destruir rosto de Cristo à martelada novidade

Um americano judeu de cerca de 40 anos deitou por terra e desfigurou esta terça-feira, 2 de fevereiro, uma imagem de Cristo na capela da Condenação, situada no perímetro da Igreja da Flagelação, na Terra Santa. O ataque deu-se logo de manhã, pelas 8h30, e a destruição só não foi maior porque o porteiro do templo se lançou sobre o atacante e imobilizou-o, tendo os frades chamado a polícia. Esta levou o homem sob prisão para uma esquadra.

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa novidade

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes

Casos de abusos nos últimos 15 anos

Lista de padres pedófilos em Itália contém mais de 400 nomes novidade

Nos últimos 15 anos, 164 padres foram condenados por abuso sexual de menores em Itália. A listagem divulgada em conferência de Imprensa pela organização Rete L’ABUSO no dia 1 de fevereiro foi apresentada como “um inventário incompleto” dos clérigos predadores objeto de condenações definitivas, a que se juntam 88 nomes de padres sinalizados pelas suas vítimas, mas cujos casos não foram objeto de investigação criminal por já terem prescrito os crimes de que foram acusados.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This