O “maior e mais natural protagonismo” das mulheres no mundo protestante e evangélico

| 2 Mar 19

Ilustração © Sara Naves

O papel das mulheres nas diferentes igrejas protestantes, anglicanas e evangélicas é encarado de formas muito diversas, devido à abundante quantidade de diferentes confissões existentes nestes campos do cristianismo (no caso das igrejas ortodoxas, a realidade é, em grande parte, semelhante ao catolicismo).

A ordenação de mulheres e os cargos da maior responsabilidade nessas confissões cristãs – explica a socióloga Helena Vilaça, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, que tem estudado a religião em Portugal – surgem na sequência da Reforma protestante. As cinco sola (só a graça, só a fé, só a Escritura, só Cristo e a Deus toda a honra e glória) contribuem também para o individualismo da modernidade, pois colocam o homem sozinho perante Deus e a sua consciência.

O facto de a autoridade ser atribuída sobretudo à Bíblia acaba por levar, num processo muito centro e indireto, à união do poder secular com o poder religioso: “No século XVI, os movimentos sociais eram movimentos religiosos. O poder secular começa a aderir à religião quando Lutero tem o apoio dos príncipes. Calvino também tem apoio secular e a ruptura de Henrique VIII acaba por fundar o anglicanismo. Uma vez mais, começa a surgir uma união de poder político e religioso na Europa”, diz a socióloga, em conversa com o 7MARGENS.

Nos países que se tornam protestantes, o facto de o poder político dominar o poder religioso tem consequências no papel das mulheres nas diferentes confissões, pois há uma pressão do próprio Estado para mudanças que beneficiem a agenda política: “Se o Estado está a defender a igualdade das mulheres, vai pressionar para que as igrejas de Estado também ordenem mulheres. Há pressão do poder secular sobre o poder religioso”, explica a socióloga.

Noutra vertente, e também por ter a Bíblia como principal fonte de autoridade, há uma defesa do sacerdócio universal: “Embora exista alguma hierarquia no protestantismo, o que se defende é o sacerdócio universal de todos os crentes. Ou seja: todos pecaram e estão privados da glória de Deus, como se lê na Carta de São Paulo aos Romanos. E, apesar de haver pastores, padres, bispos e diáconos, somos todos iguais e estamos todos num processo de santificação. Nesse sentido, qualquer crente tem um sacerdócio universal, incluindo as mulheres.”

Nas três igrejas históricas, as mulheres ordenadas surgem a partir do século XX: o anglicanismo começa por ter leitoras leigas, em 1917, e a primeira pastora anglicana é ordenada em Hong Kong em 1944 – a primeira mulher bispo surge em 1988 nos Estados Unidos, em Massachussets; os luteranos têm a primeira pastora em 1948; e os reformados em 1956.

Mas o protestantismo é um mundo muito mais vasto e muitos grupos que surgem no século XVII e XVIII “opõem-se ao casamento entre Estado e Igreja”. É o caso dos Quakers, Baptistas e Metodistas. Mas “não é por isso que deixam de dar menos importância à mulher”, diz a socióloga.

 
Uma flexibilidade que permite o protagonismo

No século XVII, nos Quakers havia mulheres pregadoras e, nos Metodistas, as mulheres organizavam as chamadas classes metodistas (reuniões em casa de famílias) e podiam pregar e anunciar a palavra. Helena Vilaça nota que, quando as estruturas são menos rígidas, as mulheres têm maior protagonismo: “Aos olhos de uma leitura linear secular podem parecer igrejas conservadoras, mas é preciso olhar de todas as perspectivas.”

Para a investigadora, outro dado muito interessante é a importância das mulheres dos pastores: “Há igrejas também evangélicas como os baptistas que, na sua maioria, não ordenam mulheres, por esse princípio não ser explicitamente bíblico. Mas as mulheres, e principalmente a mulher do pastor, têm um papel fundamental na igreja.”

O princípio “só a Escritura” acabaria por ser um dos fatores que contribuiu para a progressiva afirmação do papel da mulher nas correntes protestantes e evangélicas do cristianismo (Foto © Pixabay)

 

“Principalmente em algumas igrejas de matriz pentecostal, as mulheres tornaram-se pastoras sem terem passado por discussões ou debates e as mulheres de pastores são também chamadas pastoras”, nota Helena Vilaça. “Há um facto sociologicamente fascinante: nas últimas décadas, verificou-se, por exemplo, em igrejas de raiz pentecostal consideradas conservadoras em muitos aspectosl, que as mulheres, que não valorizam tanto a formação teológica, passaram a ter protagonismo e a tornar-se pastoras, sem ter de passar pela burocracia dos sínodos e assembleias que existem em outras igrejas protestantes e evangélicas, tornando-se pastoras muitas vezes pelo simples facto de serem esposas de pastores.” Essas igrejas acabam por ter uma flexibilidade que permitiu às mulheres um maior e mais natural protagonismo, sublinha.

Os elementos mais importantes neste tema, resume a socióloga, é que as igrejas protestantes e evangélicas colocam a igualdade perante Deus e a complementaridade de funções como elementos decisivos e fundamentais. 

Com a criação, em 1948, do Conselho Mundial (ou Ecuménico) de Igrejas (CMI), que reúne 350 igrejas protestantes e ortodoxas, a mensagem da promoção dos direitos da mulher acabou por se disseminar. Em 1953, o CMI iniciou o programa Mulher na Igreja e na Sociedade, que começou com a proclamação de que a renovação da vida dignificada após a II Guerra Mundial só seria possível se as mulheres fossem “uma parte ativa de todas as iniciativas de justiça e paz das igrejas na sociedade“.

 

As mudanças trazem esperança sobretudo aos mais novos

Ainda assim, nem todas as mulheres estão satisfeitas com o papel que a religião lhes dá. Enquanto que muitas mudam de denominação, outras acabam por abandonar a fé por sentirem que ela não corresponde a uma visão atual da sociedade.

Num estudo desenvolvido por Sonya Sharma, relativo à relação entre a sexualidade e as igrejas cristãs no Canadá foram recolhidos testemunhos de várias jovens que se diziam confinadas pelas mensagens relativas à sexualidade e aos seus corpos. Anita, 28, afirma  que se sentiu mais confortável consigo mesma após deixar a Igreja Baptista. Jenny, uma mulher de meia-idade noutra Igreja Evangélica partilhou que se sentia infeliz com a sua posição na congregação: participava ativamente na vida da Igreja mas sentia que, por ser solteira, não era tida em conta para posições de liderança.

A autora analisa que “o desequilibro numeral de géneros dentro das igrejas, as proibições relativas a relações pré-maritais e a prática da homogamia religiosa, não só colocou o foco nas mulheres solteiras como reduziu a possibilidade de as mesmas encontrarem parceiros que elas ou a igreja aprovem.”

Em 2008, o CMI promoveu um encontro de mulheres ortodoxas que reivindicavam mais direitos como o melhor acesso e fundos para o estudo da teologia, a inclusão nos organismos administrativos, o reconhecimento da biologia e dignidade feminina (ciclo menstrual, abortos) nas preces e práticas associadas com estas e uma maior participação nos cargos menores (acólito) e maiores (pastoras).

Dentro das várias denominações, as mulheres continuam a ultrapassar marcos. Em 2012, uma mulher sul-africana foi escolhida como a segunda mulher-bispo anglicana em África. Em 2015, a Igreja de Inglaterra consagrou a primeira mulher-bispo, Libby Lane.

No ano passado, a Igreja Evangélica Luterana nos Estados Unidos, elegeu 17 mulheres para guiar as várias divisões geográficas (65 no total), o maior número de mulheres-bispos até à data. Uma delas, Negrón Caamaño, deu conta da realidade de Porto Rico, onde a maioria das pessoas que vão à igreja são mulheres e metade dos pastores também. Helena Vilaça nota, a este propósito, que a ordenação de mulheres não é um fator automático de vitalidade das igrejas. As igrejas tradicionais – luteranas, reformadas e algumas correntes presbiterianas – que adotaram o liberalismo teológico e uma agenda exclusivamente secular são as que estão a sofrer maior erosão.

Comentando o que significava ser uma líder da igreja na era do movimento Me Too, Viviane Thomas-Breitfeld, bispo do Wisconsin, afirmou: “Como uma jovem me disse numa reunião de jovens em Houston: ‘Sinto que posso ficar e fazer parte desta igreja.’ Há uma ideia de que as pessoas que não têm certas características – um homem caucasiano já de alguma idade – não podem liderar. Estas mudanças trazem esperança a muitos, especialmente aos que são mais novos.”

Quão grandes são as diferenças de género dentro de cada religião? E o que querem as mulheres crentes em cada uma das confissões? Até 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, o 7MARGENS irá traçar um retrato da situação das mulheres nas principais confissões e falará dos debates existentes sobre os seus papéis dentro de diferentes tradições religiosas. 

Artigos relacionados

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?” novidade

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco