O meio é a massagem

| 16 Out 20

Nas margens da filosofia (XXV)

 

Na minha crónica anterior, citei o filósofo canadiano Marshal Mc Luhan, lembrando a afirmação the medium is the message (“o meio é a mensagem”), por ele usada em Understanding Media.[1] Editado em 1964, o livro foi um sucesso. Três anos mais tarde, associando-se ao desenhador Quentin Fiore, Mc Luhan publicou uma pequena brochura intitulada The Media is the Massage (“O Meio é a Massagem”)[2], uma representação gráfica e criativa das teses defendidas na obra de 64. O título insólito deveu-se a um erro do editor. Mas o filósofo resolveu mantê-lo, servindo-se dele para um melhor aprofundamento das suas teses sobre os meios de comunicação. Aproveitando o termo massage, esclareceu os seus leitores quanto à relação existente entre message (mensagem), Mess Age (Idade da Confusão) massage (Massagem) e Mass Age (Idade das Massas). Afinal o engano foi positivo, pois proporcionou toda uma séria de aproximações.

McLuhan interessou-se pelos vários tipos de linguagem, analisando os diferentes suportes das mesmas – o gesto, a palavra, a escrita, a imprensa, a televisão e os diferentes media. Escreveu antes do boom internético a que hoje assistimos, mas as suas teses podem facilmente adaptar-se ao Facebook, Whatsapp, Instagram, Twitter e outras redes sociais.

Num outro livro – Mutations – analisou o modo como a tecnologia electrónica modela o futuro da educação e profetizou que a escola não tem necessariamente de se circunscrever a uma sala de aula.[3] Os meios de comunicação têm a sua química própria. A cultura do livro apela à reflexão isolada. O mundo da electrónica é o lugar do imediato e do global – a humanidade transforma-se em tribo na medida em que todos participam na vida e nas acções de cada um, ultrapassando a distância física com um mero clic no telemóvel.

Transportando para o século XXI as reflexões do filósofo canadiano, temos presente o modo como somos constantemente “massajados” pelas mensagens que nos são enviadas a um ritmo alucinante. Não só porque elas nos informam, enformam e deformam, mas sobretudo porque o seu objectivo é o de uma adesão imediata ao seu conteúdo, quer rindo do que nos é apresentado de um modo humorístico, quer sintonizando com as críticas que visam provocar a nossa indignação, quer comprazendo-nos com a beleza de determinadas imagens.

A imediatez das nossas reacções e o facto de não haver espaço para um distanciamento crítico constitui as mais das vezes o objectivo principal dessa “massagem” que se nos impõe e que sub-repticiamente nos conquista. Consequentemente, a distância relativamente aos posts, mems, vídeos e outro material que recebemos torna-se um imperativo ético.

Ao procurar uma ajuda contra o excesso de mensagens/massagens que constantemente nos interpelam, deparámos com o Manual de Sobrevivência para Tempos de Ignorância Organizada, publicado pelo padre Nelson Faria no Portal dos Jesuítas em Portugal, a 31 de Agosto 2020.

É um pequeno texto cuja leitura aconselhamos. Ao tentar responder às  questões que aí se levantam, ficaremos cientes de quem criou a mensagem, de que modo estão a tentar-nos convencer da sua verdade, que perspectivas e valores nela se transmitem, que razões levaram ao seu envio,  e outras tantas interrogações que certamente nos impedirão de sermos “massajados” ou anestesiados pela informações que constantemente nos assediam.

Embora McLuhan não tenha previsto a profusão de informações que os actuais meios electrónicos nos fazem chegar, ele tocou num ponto determinante da comunicação, ao enfatizar que os meios (the media) não são meros canais transmissores de mensagens. Para ele, os suportes mediáticos são determinantes na divulgação e recepção dos conteúdos.

Há que perceber a existência de um determinismo tecnológico, ou seja, a profunda influência dos meios de comunicação no modo como a informação é recebida. Não é o mesmo ler uma notícia num jornal ou recebê-la na televisão ou nas redes sociais. A publicidade tem perfeita consciência de que o meio utilizado tem uma influência determinante no conteúdo da mensagem.

As novas tecnologias transformaram profundamente a sociedade em que vivemos. Ao comparar as dificuldades com que determinados grupos etários lidam com os novos meios de comunicação, verificamos  a existência de um fosso geracional:  uma criança de três anos pega no telemóvel ou no ipad  para  procurar as suas histórias preferidas enquanto a maior parte dos idosos recorre a filhos e netos para conseguir aceder às sessões de zoom e de webinar que se tornaram de uso comum nestes tempos de covid.

Não interessa, quais Velhos do Restelo, lamentar-nos pela perda de um tempo em que o suporte de papel era determinante para a comunicação. Mas se acreditamos na importância do meio para a divulgação da mensagem, há que reconhecer (e fazer reconhecer) às novas gerações o valor dos livros, o prazer experimentado na leitura dos mesmos, a importância de os sublinhar, de copiar deles frases que poderão nortear a nossa vida, de os arrumar num espaço sem que os descartemos imediatamente depois de lidos. Porque os livros revisitam-se e falam-nos diferentemente nas diferentes épocas das nossas vidas.

A aldeia global de McLuhan abre-nos para um mundo interligado, onde as mensagens circulam com celeridade. Mas esta inegável vantagem proporcionada pelos actuais meios de comunicação exige, paralelamente, uma atitude de cautela e de distanciamento. Sem ela, as mensagens tornam-se “massagens” que impedem a nossa criatividade e nos transformam em meros receptores acríticos.

 

Notas 

[1] Marshal Mc Luhan, Understanding Media. The Extensions of Man, New York, Mentor, 1964, p. 9.
[2] Marshal Mc Luhan e Quentin Fiore, The Medium is the Massage, New York, Bantam Books, 1967.
[3] Marshal Mc Luhan, Mutations, Montréal, Hurtubise HMH, 1966.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é professora catedrática de Filosofia da Faculdade de Letras de Universidade de Lisboa

 

Precisamos de nos ouvir (20) – P. Luís Marinho: A quem pertences?

Precisamos de nos ouvir (20) – P. Luís Marinho: A quem pertences? novidade

A liturgia daquele 2º domingo de setembro de 2020 dava-nos a ouvir breves e incisivas frases da Carta aos Romanos: “Nenhum de nós vive para si mesmo e nenhum de nós morre para si mesmo. Se vivemos, vivemos para o Senhor, e se morremos, morremos para o Senhor.” A minha memória foi tomada pela letra de uma canção que povoou o meu imaginário juvenil – um sentido grito de liberdade!

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – Quem dá o pão…

Segunda leitura – Quem dá o pão…

A reportagem era sobre as saudades da escola, sobre a falta que ela fazia. Melhor: sobre a falta que dela se sentia. Que não é exatamente a mesma coisa, mas adiante… Claro que sim, claro que sentiam a falta, meninas e meninos a uma só voz, e de quê?, pois de tudo, de estar com os amigos, de aprender muitas coisas novas, de estar com os amigos, de jogar e brincar no recreio, de estar com os amigos outra vez…

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

Que futuro, Iémen? novidade

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

A sociedade e os idosos

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos muito se tem falado dos que vivem em residências para idosos. Antes da covid-19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado.

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This