O menino que não via o sol, mas que o tinha dentro de si

| 5 Set 20

O livro O Menino que Não Via o Sol será apresentado neste sábado, 5 de setembro, na Feira do Livro de Lisboa, às 16h15. A sessão decorre no Auditório Poente, com a intervenção de Teresa Fragoso, presidente da Comissão para a Cidadania  Igualdade de Género.

 

Mussa era o menino cego que não via o sol. Mas via o que não viam nenhum dos outros meninos e meninas da aldeia, nenhuma das mulheres grandes ou dos homens crescidos. O modo de Mussa ver era sentir. E foi a sentir, com uma luz que vinha do coração, que, um dia, Mussa salvou os outros meninos e meninas seus amigos. Mussa não via o sol, porque tinha o calor dentro dele.

A história d’O Menino que Não Via o Sol, escrita por Inês Leitão e ilustrada por Carla Lobato, inspira-se na tradição cultural guineense. Fala de uma aldeia em que as crianças que nasciam cegas eram levadas para o mato e abandonadas. Mussa virá quebrar o enguiço e mostrar que mesmo alguém nessa circunstância pode ser (é…) importante para a comunidade.

O Menino que não via o sol. Livro. Carla Lobato

Ilustração do livro O Menino que não via o sol. © Carla Lobato

 

Antes disso, porém, há um facto da ordem do maravilhoso: quando Mussa nascera e quando se descobriu que era cego, uma seca grave atingia a aldeia e “a comida não crescia do chão”. Por isso, Mussa, apesar de ser filho de chefe, era, segundo o curandeiro, o culpado pela maldição que a todos atingira. Mas, perante o choro da mãe, que não queria que o seu filho fosse levado para morrer, o céu começou também a chorar e a chover.

Esta história é, portanto, uma narrativa pedagógica: em tempos em que nos sentimos ameaçados pela globalização e pela uniformidade, tendemos a acentuar particularismos ou nacionalismos, por exemplo, sempre na lógica da recusa do que é diferente, e não com o sentido de descobrir nesses particularismos um factor de diversidade que só nos torna mais ricos a todos – indivíduos ou sociedades.

O que nos torna iguais em dignidade é a nossa diferença, quer este livro dizer-nos. O que ele pretende é que as crianças aprendam e apreendam a importância das diferenças, da inclusão, do respeito e do entendimento pelos universos culturais de outros – outros que, como Mussa, até aprendiam a tocar kora…

O Menino que não via o sol. Livro. Carla Lobato

Ilustração do livro O Menino que não via o sol. © Carla Lobato

 

História curta, O Menino que Não Via o Sol é grande na sua metáfora: aquela aldeia é o mundo inteiro, Mussa são todas as pessoas vítimas de preconceitos colectivos ou individuais, que apenas acabam resgatadas pelo amor – no caso, pela sua mãe, que entende que o filho pode, até, chegar a chefe da aldeia, como a história conta no seu desfecho.

Além da história e do texto de Inês Leitão, as ilustrações são outro bom argumento para nos aproximarmos do livro, com a vibração das cores que nos remetem imediatamente para África. Um livro alegre, no fim, para nos redimir destes tempos de sombra.

 

O Menino que Não Via o Sol
de Inês Leitão (texto) e Carla Lobato (ilustrações)

Edição: Paulus, 40 páginas

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista” novidade

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Natal em Belém será em formato reduzido e virtual novidade

A cidade de Belém, na Cisjordânia, onde segundo a tradição cristã nasceu Jesus, vai manter as celebrações natalícias habituais, mas limitar a participação presencial a um número reduzido de fiéis e privilegiar as transmissões online. Segundo informou este domingo, 22, o presidente da câmara, Antón Sálman, o objetivo é evitar a reunião de grandes grupos em lugares emblemáticos. É o caso da Praça da Manjedoura, onde milhares de pessoas costumavam assistir à iluminação da grande árvore de Natal, evento que este ano deverá ser limitado a 50 pessoas.

Como acompanhar A Economia de Francesco

O encontro A Economia de Francesco, que junta em videoconferência cerca de 2000 jovens, entre esta quinta-feira e sábado próximos, pode ser acompanhado no canal YouTube da iniciativa. O encontro começa às 13h (hora de Lisboa), com um curto filme com o título Ouvi o grito dos pobres para transformar a terra, preparado pelo movimento ATD Quarto Mundo.

O Papa mandará condolências pela morte do cardeal acusado de abusos?

Com 30 horas de diferença, entre os dias 15 e 16, morreram dois cardeais idosos e doentes: o equatoriano Eduardo Vela e o polaco Henryk Gulbinowicz. Nesta terça-feira, o Papa Francisco enviou à Igreja e ao povo do Equador um telegrama de condolências, mas até final da tarde do mesmo dia não fizera o mesmo com o antigo bispo polaco de Breslávia (Wroclaw).

Entre margens

Uma oportunidade para a renovação democrática novidade

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Bater o coração com novas músicas de Abril

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Cultura e artes

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia novidade

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro novidade

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco