O menino que roubou o chocolate

| 11 Abr 2022

Miúdos de rua no Rio de Janeiro, Brasil. Foto © Diogo Pereira | Unsplash

Miúdos de rua no Rio de Janeiro, Brasil. Foto © Diogo Pereira | Unsplash

 

Esta manhã, à porta do supermercado, como é habitual, estava um menino que pedia leite.

Não era o mesmo menino todos os dias: há um género de organização interna entre os pedintes menores dos bairros do Rio de Janeiro, e vão-se espalhando de modo a ocuparem alternativa e rotativamente, às portas dos estabelecimentos.

Compro o leite e entrego-o; e é neste momento que um homem de cerca de 50 anos, corpo forte e decidido, marrento e raivoso, esbofeteia o menino mesmo à minha frente; e grita “Vou-te cortar as mãos rapaz”…

À medida que lhe grito para que pare, o menino cai no chão, desmaiado por entre o sangue escorrido, a pressentir a morte.

O homem, do alto da sua imponência e orgulhoso da razão, gritava: “Esses moleques me roubando chocolates na venda, ué!” enquanto o povo passava indiferente, adormecido, desligado, gelado. A indiferença; só e apenas, naquele momento, a indiferença.

Peguei, no chão, a cabeça do menino, abriu os olhos e pediu-me, ainda atordoado, que não chamasse a polícia para o homem, porque ele saberia que era a ele que a polícia voltaria a machucar, “é que eu roubei o chocolate, tia.” confessou-me num olhar direto e profundo. “Não roubou, não, menino. Eu paguei esse chocolate pra você”, foi só o que consegui responder.

Senti vergonha de ser gente; vergonha daquele homem que à semelhança de tantos outros não se revê no crime social que comete contra os roubadores de chocolates; cuja lucidez fraqueja em reconhecer que são aqueles meninos as verdadeiras vítimas de uma sociedade estruturada para que os mesmos fiquem de fora. Aqueles meninos são roubados desde que nascem, sabotados por um sistema interessado na sua invisibilidade. Aquele menino arriscava a vida todos os dias para levar leite para casa, e não foi por ele que o homem da venda foi roubado, mas sim pelo próprio governo no qual votou. A raiva do homem não é contra o menino nem contra o roubo do chocolate, o menino é apenas um pretexto, o elo mais fraco onde a raiva pode ser descontada sem consequências. Afinal de contas, só os meninos sem lar – nem leite nem chocolate – conhecem verdadeiramente as profundezas da opressão.

 

Ana Sofia Brito é performer e artista de rua por opção, embora também mantenha a arte de palco; frequentou o Chapitô e estudou teatro físico na Moveo, em Barcelona.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This