O Mercado e o Templo (8): Quando e porquê os negociantes puderam ocupar o templo

| 11 Abr 21

Nos séculos XIV-XV, passou-se, rapidamente, do Bem comum ao bem do Município[1]: a Igreja justificava a ação dos homens novos do mercado, se beneficiava a cidade. Uma história que tem como protagonistas os Médicis e outros ilustres florentinos, Santo Antonino, o bem comum e os Reis Magos.

Mercado em Florença

“Algo já mudara em Florença e nas novas cidades comerciais. O nascimento dos municípios livres e a afirmação de uma classe de comerciantes estavam a mudar a relação entre princípios teológicos e praxis económica.” Foto: Mercado de rua em Florença. © Catarina Soares Barbosa.

 

Ao longo da história, os pactos entre riqueza e religião foram sempre assuntos complicados, com êxitos, geralmente, muito diferentes das intenções dos seus protagonistas. A Florença dos séculos XIV-XV foi o cenário de uma destas substituições, onde se jogou a partida determinante para a ética económica moderna. Os seus protagonistas foram os Médicis, Santo Antonino Pierozzi (1389-1459), a categoria do bem comum e os Reis Magos.

Comecemos pelo bem comum. Esta fundamental categoria teológica, entre os séculos XIV e XV, sofreu uma torção semântica e prática. As razões do bem comum venceram frente às razões teológicas da condenação do lucro. A teologia do bem comum tornou-se cada vez mais a nova teologia das novas cidades. Um bem comum que se torna cada vez mais concreto, profundamente ligado à outra grande categoria de comunidade. Tanto que a passagem de bem comum ao bem do município foi muito rápida. Quase toda a ação económica dos novos homens do mercado acabava por ser justificada pela Igreja, se beneficiava o bem comum da cidade. E, como naqueles séculos, o bem comum e o do município eram, de facto, o dos grandes mercadores-banqueiros, acabava-se por fazer coincidir o bem comum com o das corporações dos mercadores.

Santo Antonino, dominicano, bispo, teólogo e “economista”, como pastor e especialista em acompanhamento dos leigos e das leigas, estava consciente que, nestas matérias económico-financeiras, existe uma grande complexidade. E, assim, falando das vendas “a termo”, concluía: “No entanto, esta é uma maneira muito complicada e não muito clara, razão pela qual não se deve aprofundá-la” (Summa Theologica).

Não se deve aprofundá-la: é justamente esta “complicação” que evidencia algo que já mudou em Florença e nas novas cidades comerciais. O nascimento dos municípios livres, a afirmação de uma classe de comerciantes, com as suas leis e tribunais especiais, estavam a mudar profundamente a relação entre princípios teológicos e praxis económica. As Escrituras e a suas condenações da usura eram sempre as mesmas e a desconfiança dos Padres da Igreja em relação aos comércios e comerciantes permaneciam ainda um magistério essencial e imutável. Mas a emersão de uma nova realidade económica, cada vez mais complexa, tornava a antiga Escritura e a teologia não aptas para disciplinar os muitos casos concretos dos negócios que – e aqui está a questão – tanto bem estavam a fazer à cidade e à Igreja. A realidade foi superior à ideia. O “mercador civil” torna-se a imagem do negotium que vence o otium e o nega (nec-otium).

 

Culpas e penitências
Florença

“Quase toda a taxa de juro se tornava potencialmente lícita, sobretudo se o juro era benefício para o bem comum e do bem do município.” Foto: Ponte Vecchio, em Florença. © Catarina Soares Barbosa.

 

Aqui, estamos perante uma autêntica revolução ética, teológica, social e económica. A teologia dos eclesiásticos começa, muito progressivamente, a afastar-se do âmbito económico, considerado demasiado complexo, e especializa-se mais no âmbito pessoal e familiar e da vida das instituições religiosas.

O mercador é tratado enquanto indivíduo que, no confessionário elenca as suas culpas e obtém as suas penitências, cada vez mais mudáveis em dinheiro através das nascentes indulgências; mas o olhar ético sobre a vida pública, que tinha caracterizado os primeiros dois-três séculos do segundo milénio, retraiu-se e transformou-se em considerações genéricas, confiadas às pregações quaresmais. Em matéria de usura, por exemplo, as exceções lícitas eram demasiado abstratas, a ponto de não consentirem juízos concretos e eficazes. Quase toda a taxa de juro se tornava potencialmente lícita (por indefinidos lucro cessante ou dano emergente), sobretudo se o juro era benefício para o bem comum e do bem do município (isto é, da cidade).

Assim, para a dívida pública florentina, acontecia que, se a emitir a dívida era o município, a taxa lícita de 5% ao ano crescia até às taxas usurárias de 10 e 15%. Como? O município, “para não incorrer na censura da Igreja, fez recurso do engenhoso sistema do ‘Montepio de um, dois’ e do ‘Montepio de um, três’: a quem levava ao Montepio 100 liras, fazia registar 200 ou 300” (Armando Sapori, Casse e botteghe a Firenze nel Trecento, 1939). A razão de tudo isto não foi, com certeza, o bem comum, mas “a ambição do grande lucro, que muitos tiraram da mercadoria, com a usura” (Giovanni e Matteo Villani, Cronaca VIII).

A razão do bem comum e do bem do município tornaram-se tão interligados e centrais para justificar práticas comerciais que nós, hoje, nem sequer conseguimos compreender. Entre estas, a represália mercantil. Isto é, quando os mercadores de uma cidade sofriam, em território estrangeiro, atos de violência e estragos, os costumes mercantis permitiam a represália, isto é, atos de retaliação pelos prejudicados em relação a qualquer mercador da cidade onde tinha acontecido o dano, independentemente de qualquer envolvimento direto dos interessados no episódio em questão. O bem comum do grupo mercantil prevalecia sobre o dos seus membros individuais.

Além disso, para que os estrangeiros pudessem comprar títulos de dívida pública de Florença, era necessário que lhes fosse concedida a cidadania e nos atos de conceção desta cidadania ex privilegio, a retórica mais usada era a da amizade e do bem comum: “Com o amigo fiel, nenhum negócio pode superar o valor da amizade, que vale mais que o ouro e a prata” (Lorenzo Tansini, I forestieri e il debito pubblico).

 

Uma explosão de magnificência

“Os mercadores foram libertados das muitas armadilhas teológicas sobre a usura e lucro e as igrejas tornaram-se magníficas pela sua grande riqueza gerada também pela libertação dos vínculos religiosos.” Foto: Catedral de Santa Maria dei Fiori, Florença. © Catarina Soares Barbosa.

 

Esta aliança entre Igreja e mercadores, em nome do bem comum, produziu uma explosão de magnificência. O dispositivo para tornar a riqueza boa e santa passa da produção para o consumo: o que verdadeiramente conta não é, como no passado, como se gera a riqueza, mas como ela é usada. O rico mercador torna-se abençoado se gasta uma boa parte dos seus haveres para a assistência aos pobres, mas ainda mais para tornar magnífica a cidade, os seus palácios e as suas igrejas. Em tudo isto, Florença é emblemática, graças também à especial amizade que se realizou entre Santo Antonino e a família Médicis: “As virtudes do dinheiro e do deu uso são duas: a liberdade e a magnificência” (Antonino, Summa).

A relação entre a Igreja florentina e os seus grandes mercadores foi uma perfeita vantagem mútua: os mercadores foram libertados das muitas armadilhas teológicas sobre a usura e lucro e as igrejas tornaram-se magníficas pela sua grande riqueza gerada também pela libertação dos vínculos religiosos. Mas, nesta fase de afirmação de uma nova ética económica, permanecia sempre central o elemento religioso. De facto, mais que de laicidade, é preciso falar de uma nova religiosidade. Porque os leigos e os mercadores apoderaram-se de algumas imagens e códigos religiosos. A eles, não bastava a autonomia da religião; queriam-na do seu lado. Não bastava serem ricos e bons; também queriam ser santos.

Já falámos da difusão de Maria Madalena, tida como ícone do bom uso público do dinheiro por parte dos ricos. Um outro paradigma religioso que se afirma entre a Idade Média e a Modernidade é o dos Reis Magos. A Ordem Dominicana contribuiu não pouco para a difusão do seu culto na Europa. Em Florença, já em finais do séc. XIV, estava ativa a prestigiosa Companhia dos Magos (ou “da Estrela”), uma associação de mercadores, da qual também eram sócios muitos filósofos, humanistas, literários, artistas e vários outros expoentes do mundo cultural florentino, talvez a congregação leiga mais importante do séc. XV florentino, que teve a sua idade de ouro com Santo Antonino e os Médicis (Monika Poettinger, Mercanti e Magi).

Estes ricos mercadores que, sem se tornarem pobres, adoravam Cristo com ouro e presentes, prestavam-se perfeitamente para a nova ética económica dos ricos da cidade. Em muitas igrejas dominicanas destes séculos, encontram-se frescos que representam os Magos – inclusive no convento dominicano de São Marcos, em Florença, a sede da Companhia dos Magos, onde se concluía a espetacular procissão dos Magos, no dia da Epifania. Mas a “cavalgada dos Magos” era parte essencial de outras importantes procissões citadinas, como a procissão por ocasião da festa de S. João, presidida por Santo Antonino: “Três Magos com cavalaria, com mais de 200 cavalos, ornados com muita magnificência” (Matteo Palmieri, La processione del 1454). Sensacional!

 

Converter a ética antiga com a beleza e com a admiração

Gentile di Fabriano, Adoração dos Magos (1423). Na primeira fila do cortejo, está representado o encomendador, Palla di Noferi Strozzi e a sua família. Foto © Catarina Soares Barbosa.

 

Em 1420, Palla di Noferi Strozzi, o mais rico mercante-banqueiro de Florença, encomendou a Gentile di Fabriano, uma pintura dos Magos, estando, na primeira fila do cortejo, o próprio Palla e a sua família. Os Médicis fizeram muito pelos dominicanos, em Florença, entre outras coisas a caríssima reconstrução da Basílica de Fiesole e do Convento de São Marcos, onde o Beato Angélico pinta a Adoração dos Magos na cela dedicada a Cosimo.

Encontramos capelas semelhantes, dedicadas pelos mercadores aos Magos, noutras cidades renascentistas (em Turim, por exemplo). O papel da Companhia da Estrela torna-se tão importante a ponto de se transformar, apesar da bênção de Santo Antonino, numa espécie de nova religião. Gentile de Becchi, escrevendo, de Roma, a Lorenzo, o Magnífico, em 1467, assegura-lhe que os cardeais do colégio do Papa concederiam “por tua intercessão, cem indulgências a quem participar nas reuniões da Companhia dos Magos, durante as quais se podia receber a comunhão, por dispensa papal” (Rab Hatfield, The Compagnia de’ Magi). Marsilio Ficino (De Stella Magorum, 1482), Pico della Mirandola e os neoplatónicos de Florença fizeram o resto, transformando os Magos no ícone de uma religiosidade pagã, pré-cristã e esotérica, sobre a qual se fundou o Renascimento na Europa. É o fim do Humanismo civil, o início da decadência de Florença e das cidades italianas.

Aquele pacto Igreja-mercadores foi um fruto maduro de uma grande sedução da magnificência que aquele primeiro “capitalismo” exercia sobre a Igreja (Santo Antonino é um dos primeiros teóricos do “capital”). Lutero, na sua Reforma, ficou impressionado justamente com esta aliança entre Igreja e mercadores, que ele considerou um desvio da lógica evangélica. Mas precisamente o mundo nascido da Reforma gerou, séculos depois, um novo capitalismo da riqueza que, mais uma vez, está a usar símbolos e linguagens da religião cristã.

Mas como conseguiram os “mercadores” de Florença ocupar o ‘templo’? Já não temos as categorias para compreender qual tenha sido o impacto, sobre os cidadãos de Florença, das riquezas e do imenso luxo dos novos mercadores. As suas roupas esplêndidas, as novas cores brilhantes, as procissões admiráveis, palácios e igrejas nunca vistas, foram algo de fantástico, novos relatos das “Mil e uma noites”, que seduziam e “convertiam”. Eram os novos heróis, os herdeiros, ainda mais bonitos, dos cavaleiros da Idade Média, encantavam a todos. Florença, a nova Terra Prometida, onde corria leite e mel.

Os mercadores conquistaram o mundo, converteram a ética antiga, sobretudo com a beleza e com a admiração. Não venceram com os florins, mas com a sua magnificência. Será, então, uma nova beleza que nos salvará deste capitalismo, onde muitos Reis Magos se aliaram ao Rei Herodes, lhe disseram onde estava o Menino e se tornaram cúmplices dos muitos massacres dos inocentes? Talvez seja a nova beleza, certamente muito diferente, mas ainda e sempre maravilhosa.

 

Nota
[1] Trocadilho, em italiano: “dal Bene comune al bene del Comune” (NdT).

 

Luigino Bruni é coordenador da iniciativa A Economia de Francesco que decorreu em novembro sob impulso do Papa. Escrevendo regularmente no jornal italiano AvvenireBruni dedica esta série de crónicas (reproduzidas também no portal da Economia de Comunhão) à exigência de soluções criadoras para ultrapassar crises como a que vivemos, tomando o exemplo dos séculos XIV e XV, quando franciscanos e várias instituições católicas contribuíram para uma revolução económica e financeira na Europa. Este é o quinto dos textos da série que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, aqui reproduzidos com autorização do autor.
Tradução: p. António Antão; revisão: p. António Bacelar; subtítulos do 7MARGENS.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos. Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This