Mingyur Rinpoche em Portugal

O monge budista que alia a ciência e a meditação – e é feliz

| 27 Jul 2022

Yongey Mingyur Rinpoche, um dos mestres do budismo tibetano, vem a Leiria e Lisboa. Foto: Direitos reservados.

Yongey Mingyur Rinpoche, um dos mestres do budismo tibetano, vem a Leiria e Lisboa. Foto: Direitos reservados.

 

Uma conferência em Leiria (esta quinta-feira, 28, às 18h) e outra em Lisboa (dia 1 de Agosto, 19h), um retiro fechado e uma cerimónia para quem queira iniciar-se na via do Buda serão os actos principais da estadia em Portugal de Yongey Mingyur Rinpoche, um dos mestres do budismo tibetano e autor de A Alegria de Viver (ed. Temas e Debates/Círculo de Leitores). 

Rimpoche (na realidade, um título tibetano que significa aproximadamente “precioso”, um mestre de espiritualidade) nasceu em 1975, em Nubri (Nepal) e é considerado um dos grandes mestres do budismo tibetano formados fora do Tibete. Desde há anos que tem manifestado muito interesse pela investigação científica acerca dos efeitos da meditação. “Houve pouco desacordo entre os budistas e os cientistas modernos quanto ao facto de o estado de espírito de uma pessoa ter alguns efeitos sobre o corpo”, escreve ele, no livro citado (há uma outra obra de Rimpoche publicada em Portugal pela mesma editora, Amar o Mundo – A Viagem de um monge pelos bardos da vida e da morte, em que ele conta a sua experiência de quase “morte”, quando passou quatro anos num retiro errante, vivendo como mendigo).

Yongey Mingyur Rinpoche é um monge budista que alia a ciência e a meditação. Foto: Direitos reservados.

Yongey Mingyur Rinpoche é um monge budista que alia a ciência e a meditação. Foto: Direitos reservados.

Recentemente, há cientistas que começaram a “olhar mais de perto para a anatomia e fisionomia de seres humanos felizes e saudáveis”, diz Yongey Mingyur n’A Alegria de Viver. “Nestes últimos anos, vários projectos mostraram vínculos muito fortes entre estados mentais positivos e uma redução do risco ou da intensidade de diversas doenças físicas”, acrescenta, citando vários estudos nesse âmbito. 

“Explicações objectivas da eficácia da formação budista” também estão a ser estabelecidas por outros cientistas, escreve Rimpoche, que tem aliado a sua prática de meditação à investigação dos neurocientistas do Laboratório Waisman de Imagiologia Cerebral e Comportamento. A meditação, defende o monge budista, pode aumentar a actividade das zonas do cérebro que normalmente se associam à felicidade e à compaixão. 

Daniel Goleman, autor de Inteligência Emocional, considera, no prefácio do livro já referido, que as investigações que estão a ser feitas podem vir a mostrar que a meditação, praticada durante anos, “pode melhorar a capacidade humana de alterar positivamente a actividade cerebral numa medida nunca sonhada pela neurociência cognitiva moderna”. 

Na conferência desta quinta-feira em Leiria (Teatro Miguel Franco, em inglês e com tradução simultânea), sobre meditação e alegria de viver, Rinpoche partilhará “conselhos práticos sobre como usar a meditação para cultivar consciência, compaixão e sabedoria”.  

A conferência de Lisboa, no auditório da Faculdade de Medicina Dentária, da Universidade de Lisboa, será uma introdução ao budismo Vajrayana, com o título “Tu és Buda agora mesmo”.

No sábado (19h-22h), também na Faculdade de Medicina Dentária, e inserida no retiro que vai orientar, Rimpoche presidirá a uma cerimónia “de tomada de refúgio” para todos os que queiram iniciar-se na via do Buda. 

Mingyur Rinpoche começou a estudar meditação com o seu pai, Tulku Urgyen Rinpoche, ele próprio um respeitado professor budista, que contactava acom muitos cientistas – o que levou o filho a interessar-se pelo tema. 

Líder da Comunidade de Meditação Tergar, Mingyur Rinpoche tem dirigido conferências e cursos um pouco por todo o mundo. Já por três vezes o monge e mestre budista tinha estado em Portugal, como se recorda no programa A Fé dos Homens, da RTP.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This