O mosaico de todos os dramas da humanidade no filme “Francesco” que o 7MARGENS já viu

e | 26 Out 20

Cristãos a escutar uma mensagem do Papa acerca das alterações climáticas: o tema é um dos mais importantes no documentário de Evgeny Afineevsky. Foto: Direitos reservados.

 

Um mosaico construído pelos dramas da humanidade, que o Papa assumiu como seus, é como se pode definir o filme-documentário Francesco, do realizador russo Evgeny Afineevsky, que foi apresentado na Festa do Cinema de Roma na passada quarta-feira. Na noite deste domingo, 25, a obra ficou disponível no Savannah Film Festival (EUA), podendo ser alugado e visto até ao próximo sábado.

O filme, que o 7MARGENS já viu, ultrapassa em muito a questão das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, que dominou as notícias na última quarta-feira, 21. Antes mostra um Papa que não se limita a falar sobre esses dramas mas que, em muitos casos, está atento a todos eles e se faz presente, incluindo até com gestos concretos. Dessa forma tem contribuído para colocar muitos deles na agenda mediática. E, em alguns deles, tem exercido mesmo uma influência benéfica.

Ao longo de quase duas horas, vemos passar no filme quase todos esses dramas. Haverá um ou outro que porventura não é referido explicitamente no documentário, apesar de ter merecido a atenção do Papa, como é o caso da luta contra a Máfia e a corrupção.

Entre os que merecem maior destaque e a que o documentário dedica maior tempo, destacam-se a guerra e a crise ambiental. Esta é uma das questões que mais preocupa Francisco, e constitui o tema de abertura do filme, dedicando-lhe nove minutos. Ligada àquelas duas questões, estão ainda o drama dos refugiados e a pobreza.

Em relação à crise dos refugiados o Papa fez o que estava ao seu alcance, para incitar todos a fazerem o mesmo: quando foi a Lesbos, na Grécia, levou consigo três famílias muçulmanas, que acolheu no Vaticano. Quando questionado por um jornalista sobre essa sua opção, e se não tinha medo que elas pudessem influenciar a cultura da Igreja Católica, limitou-se a responder: “Eu salvo estas pessoas, porque merecem ser salvas. São seres humanos.”

Nour, muçulmana, uma das refugiadas sírias que foi para Roma com o Papa, em Abril de 2016, diz no documentário: “Nenhuma mãe escolhe este caminho se não acreditar que a água é mais segura do que a terra.”

O documentário realça ainda as influências benéficas das visitas do Papa a Lampedusa e à República Centro-Africana (RCA). A primeira esteve na origem da operação Mare Nostrum da Marinha Italiana, para resgatar refugiados no Mediterrâneo e permitiu salvar 150 mil pessoas. Já a visita à RCA, dilacerada pela guerra, permitiu que se fizessem eleições e que, durante alguns meses, as populações tenham vivido em paz.

 

A crise dos abusos e a humanidade do Papa

A ilustração do artista TVBoy, em que o Papa Francisco apoia uma criança que pede o fim dos abusos sexuais. Foto: Direitos reservados

 

O assunto que merece maior destaque (perto de vinte minutos, no total, em três momentos diferentes), e também aquele que é mais constrangedor para o Papa, é a crise dos abusos sexuais na Igreja Católica, sobretudo no Chile. Mas é igualmente o que melhor destaca a humanidade de alguém que também erra, mas pede perdão e tudo faz para corrigir o seu erro, como fez em relação ao que se passou na sua visita ao Chile. Nem que para isso tenha de aceitar a demissão de vários bispos chilenos.

Também não foram esquecidos pelo Papa, e são referidos no documentário, o genocídio dos Arménios, a Shoah, o papel da mulher na sociedade e na Igreja, a desigualdade racial e todo o tipo de discriminação. Sobre a perseguição aos rohingya em Myanmar, vários aparecem a testemunhar sobre o impacto positivo que teve a visita do Papa, em 2017, ao país e ao vizinho Bangladesh, onde muitos sobrevivem em campos.

Sobre os muros antigos e novos que separam países e dividem a humanidade, Francisco é muito crítico. Por isso, o documentário mostra imagens fortes do Papa a rezar junto do muro da Cisjordânia, em Belém, do Muro das Lamentações, em Jerusalém, e do memorial na fronteira entre os EUA e o México, que homenageia os migrantes que perderam a vida a tentar atravessá-lo.

O documentário vai mostrando um Papa preocupado em incarnar naturalmente a frase com que abre a constituição pastoral Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II: “As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo.”

Sinal disso mesmo é também o ter assumido, para o seu pontificado, o nome do santo de Assis e a inquietação que lhe é atribuída: “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho e se necessário, usai palavras”. A frase que abre o documentário, que defende ainda que Francisco é “o Papa certo no momento certo”.

 

Uniões civis homossexuais longe de ser o único tema
Homofobia. Homossexualidade

Manifestação em Estrasburgo, em Janeiro de 2013: “Perante a homofobia, Jesus grita”, lê-se no cartaz. Foto © Claude Truong-Ngoc/Wikimedia Commons

 

Este mosaico ultrapassa, em muito, a polémica em torno das declarações sobre a possibilidade de união entre homossexuais, que no entanto teve o condão de chamar a atenção para o documentário. Evgeny Afineevsky, o realizador de Francesco, judeu nascido em Kazan e que emigrou para Israel e hoje vive nos EUA, dedica a essa problemática apenas cerca de dois dos quase cento e vinte minutos do filme.

Também não estamos perante um documentário biográfico de Jorge Bergoglio, embora se façam alusões, ainda que breves, à história de vida daquele que veio do “fim do mundo” para ser bispo de Roma. Refere-se a sua infância e a importância da avó na sua formação cristã; o dia em que decidiu tornar-se padre; o período em que foi o superior provincial dos jesuítas na Argentina, Chile e Uruguai, cargo que assumiu com apenas 34 anos e em que, como o próprio já assumiu, cometeu muitos erros.

Sobre esta fase, o documentário refere que era muito autoritário, pelo que muitos dos seus confrades o detestavam. Embora tivesse alguns que o admiravam, a Companhia de Jesus acabou por enviá-lo para Córdova, uma cidade a norte de Buenos Aires, onde passou dois anos da sua vida, numa espécie de exílio. Mas que, segundo o documentário, contribuíram para moldar a sua humildade e abertura a opiniões divergentes das suas.

O próprio realizador lamentou que “o único assunto” que tantas pessoas viram neste filme fossem os dois minutos em que o Papa fala sobre a questão das uniões civis homossexuais – ainda por cima, essas afirmações foram feitas, em Maio de 2019, numa entrevista à jornalista mexicana Valentina Alazraki, para a Televisa, que na altura não as incluiu e que depois seria colocada na íntegra, na internet.

Ou seja, como se recordou no 7MARGENS, estas declarações do Papa nem sequer eram novas, embora tenha sido a primeira vez que o Papa foi tão assertivo a abordar o assunto. “Sinto-me mesmo com pena, porque o mundo precisa de esperança, neste momento”, disse Evgeny Afineevsky, em declarações reproduzidas pela Global News, criticando a redução do filme a um único tema. O Papa, acrescenta, não pretendia, com aquelas declarações, discutir ou tentar mudar a doutrina da Igreja sobre o tema, mas antes falar sobre “como se pode permitir as pessoas terem a mesma liberdade e de ninguém ser discriminado.

 

Uma mensagem para o Sul do mundo

O padre Thomas Reese, um dos mais conhecidos e respeitados comentadores dos EUA, escreveu na sua crónica no Religion News Service, que as afirmações do Papa não são novidade e que elas são importantes sobretudo para o Sul do mundo – nomeadamente, África (onde a homossexualidade ainda é crime, em alguns países), Ásia ou mesmo alguns países da América Latina. Aí, sim, “as suas palavras serão política e culturalmente revolucionárias”. Deste modo, acrescenta o padre Francis DeBernardo, do New Ways Ministry  (Ministério Novos Caminhos), que ajuda pessoas homossexuais, o Papa não só “protegeu os casais e famílias LGBTQ, como também salvará muitas vidas LGBTQ”.

“O apoio às uniões civis em muitos países africanos abrirá a Igreja ao ataque dos imãs conservadores e do clero cristão. Em países onde as tensões religiosas estão inflamadas, isto não é um problema que os bispos desejem”, escreve o padre Reese. “Se houver um grande recuo nas palavras do Papa, ele virá de África. Recorde-se como as questões LGBTQ têm fracturado a Comunhão Anglicana em África.

Por outro lado, diz, o Papa está apenas a tecer um “juízo prudencial” e não a mudar a doutrina. Os ensinamentos dos papas não têm todos o mesmo nível de autoridade. “Francisco (…) está a falar de direito civil (…). Santo Agostinho e São Tomás de Aquino, ambos doutores da Igreja, ensinaram que nem toda a moralidade deve ser consagrada na lei. Ambos, por exemplo, acreditavam que era insensato proibir a prostituição, porque a lei não seria observada.”

Comparando com João Paulo II e Bento XVI, estes fizeram, “no seu tempo”, o juízo prudencial “de que as uniões civis eram uma má ideia”. Mas os tempos mudaram: “Francisco está agora a fazer o juízo prudencial de que as uniões civis seriam uma boa ideia para proteger os direitos dos casais homossexuais. (…) O Papa não está a mudar o ensino da Igreja sobre sexo gay, não mais do que a Igreja mudou o seu ensino sobre divórcio e novo casamento quando desistiu de lutar contra a legislação do divórcio no século XX.”

O trailer do filme poder visto a seguir:

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Como acompanhar A Economia de Francesco

O encontro A Economia de Francesco, que junta em videoconferência cerca de 2000 jovens, entre esta quinta-feira e sábado próximos, pode ser acompanhado no canal YouTube da iniciativa. O encontro começa às 13h (hora de Lisboa), com um curto filme com o título Ouvi o grito dos pobres para transformar a terra, preparado pelo movimento ATD Quarto Mundo.

O Papa mandará condolências pela morte do cardeal acusado de abusos?

Com 30 horas de diferença, entre os dias 15 e 16, morreram dois cardeais idosos e doentes: o equatoriano Eduardo Vela e o polaco Henryk Gulbinowicz. Nesta terça-feira, o Papa Francisco enviou à Igreja e ao povo do Equador um telegrama de condolências, mas até final da tarde do mesmo dia não fizera o mesmo com o antigo bispo polaco de Breslávia (Wroclaw).

Biden aumenta limite de refugiados nos EUA de 15 mil para 125 mil

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, anunciou que irá aumentar exponencialmente o número limite de entradas de refugiados no país. Os 15 mil estabelecidos por Donald Trump para o ano de 2021 (que correspondiam ao número mais baixo de sempre) passarão a 125 mil, assegurou Biden numa mensagem de vídeo dirigida ao Serviço Jesuíta para os Refugiados, que assinalou na passada quinta-feira, 12 de novembro, o seu 40º aniversário.

Milhares de católicos manifestaram-se em França pelo regresso das missas

Bordéus, Nantes, Nice, Marselha, Toulouse, Versalhes. Estas foram apenas algumas das cidades francesas nas quais milhares de católicos saíram à rua na manhã deste domingo, 15 de novembro, para protestar contra a suspensão das missas durante o segundo período de confinamento decretado pelo Governo. Nessa mesma tarde, o primeiro ministro, Jean Castex, agendou um encontro com os líderes religiosos para esta segunda-feira, durante o qual informou que as celebrações públicas não serão retomadas antes do dia 1 de dezembro.

Entre margens

Bater o coração com novas músicas de Abril novidade

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Ignorância útil

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras. 

Cultura e artes

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

O Espírito surpreende-nos

Este livro não tem índice. Não tem nem precisa. Seria redundante. É uma coleção de diários. Todos os dias, de 24 de março a 29 de maio. Um exercício de diálogo com a Palavra, com os acontecimentos do dia – dos mais próximos e pessoais, aos mais longínquos e de todos conhecidos –, com as inquietações, as esperanças e as alegrias de cada dia.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco