Apresentado em Lisboa

Novo livro de Esther Mucznik conta a história da família, faz o retrato de um povo e lança um apelo

| 7 Fev 2024

Livro Uma Família Judaica, Esther Mucznik

Nesta obra, a investigadora de temas judaicos conta o percurso dos descendentes dos vários ramos da família Goldreich Mucznik.

 

“Uma saga familiar que é, simultaneamente, um retrato da errância e das adversidades vividas pelos judeus nos últimos três séculos”: assim se pode resumir o novo livro de Esther Mucznik, que será apresentado esta quinta-feira, 8 de fevereiro, em Lisboa. Intitulado Uma Família Judaica, de Varsóvia e Brody a Lisboa e Telavive, a mais recente obra daquela que é uma das figuras mais conhecidas da comunidade israelita em Portugal conta a história da sua própria família, ao mesmo tempo que faz o retrato de um povo através de três séculos de diáspora, e lança um apelo ao mundo para que estas memórias não sejam apagadas.

Filha de pais judeus polacos, Esther Mucznik viveu em Israel, onde estudou língua e cultura hebraicas, e em Paris, onde estudou sociologia na Sorbonne. Foi vice-presidente da Comunidade Israelita de Lisboa entre 2002 e 2016, e fundadora e presidente da Associação Memória e Ensino do Holocausto – Memoshoá.

esther mucznik

Filha de pais judeus polacos, Esther Mucznik viveu em Israel, onde estudou língua e cultura hebraicas, e em Paris, onde estudou sociologia na Sorbonne. Foto: Direitos reservados

Nesta obra, a investigadora de temas judaicos conta o percurso dos descendentes dos vários ramos da família Goldreich Mucznik, “a sua diáspora, ou seja, os países onde criaram raízes ou onde apenas fizeram uma breve paragem”, abordando “as culturas que os moldaram, as línguas que acumularam, as experiências que os marcaram, os momentos felizes e os mais dolorosos”, tendo como pano de fundo “a História, com o seu implacável determinismo”, adianta o comunicado da editora Dom Quixote ao 7MARGENS.

“Escrever esta obra é talvez também um apelo silencioso para que não nos esqueçam, para que nos guardem nas suas mentes e nos seus corações”, explica a autora no prefácio. E acrescenta: “Os judeus são errantes, não por defeito, mas pela sua história, e gostaria que este livro e as vidas que nele são retratadas contribuíssem para a percepção clara de que se pode ter uma origem e uma identidade religiosa diferentes daquelas onde nos estabelecemos e sermos cidadãos fiéis, leais e patriotas, não só legalmente mas de alma e coração. Dirão alguns que isso é óbvio, e para esses assim o é, porém a experiência mostrou-me que para demasiadas pessoas ainda não é bem assim, aliás, que o diferente é demasiadas vezes o outro”.

Numa altura em que o conflito Israel-Palestina atinge níveis de violência sem precedentes e em que crescem os atos antissemitas na Europa, Esther Mucznik assinala ainda, no epílogo do livro, que “o que se passa em Israel e na Europa” a “magoa e preocupa profundamente”. “Jamais tive ilusões sobre o ‘nunca mais’, mas não esperava, nem previa uma expressão tão violenta e generalizada do ódio a Israel, imediatamente a seguir ao ignóbil massacre, por tantos considerado como um ato de libertação do povo palestiniano, como não esperava a ferocidade do vómito antissemita, finalmente libertado com imenso júbilo. Israel é a minha segunda pátria. Mas, depois de 7 de outubro, Israel não será mais o mesmo país. Ninguém esquecerá o que aconteceu e como aconteceu. Tal como em todas grandes feridas, há um antes e um depois”, escreve a autora.

A investigadora publicou já, além de artigos de imprensa e catálogos, vários livros como a biografia de Grácia Nasi (2010), Portugueses no Holocausto (2012), Auschwitz, Um Dia de Cada Vez (2015), A Grande Epopeia dos Judeus no Século XX (2017) e Judeus Portugueses – Uma história de luz e sombra (2021). Foi também co-coordenadora do Dicionário do Judaísmo Português (2009)

O novo livro será apresentado pelo jornalista António Marujo, diretor do 7MARGENS, e pela historiadora Margarida Lages, pelas 18h30, no Hotel PortoBay Liberdade (sala Madeira), em Lisboa. A entrada é livre.

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This