O padre que incitou o Papa Francisco a visitar o Iraque

| 2 Mar 21

Padre Jalal Yako Iraque: “O Mundo não se pode esquecer de nós. Resta-nos a nossa dignidade porque não temos mais nada.” Foto © José Manuel Rosendo, cedida pelo autor.

 

Em Outubro de 2015, nos arredores de Erbil, no Curdistão iraquiano, o padre Jalal Yako lançava o desafio: “O Papa Francisco que venha ao Iraque!”. Um desafio e simultaneamente um pedido, em nome da esperança que os cristãos (e outras comunidades) iraquianos precisavam de ter, face ao sofrimento que estavam a passar.

Tinham fugido tão depressa quanto possível, levando parcos haveres, mas salvando a vida e evitando uma conversão forçada ao islão. Por essa altura, a organização Estado Islâmico (EI) estava no apogeu expansionista e dominava um vasto território na Síria e no Iraque. Mossul, no Iraque, tinha sido palco da proclamação do Califado. Esta declaração, em finais de Junho de 2014, foi motivo de preocupação internacional e obrigou à fuga de muitos iraquianos que viviam nos territórios que passaram a estar sob domínio do EI.

É conhecido o sofrimento yazidi nas montanhas de Sinjar, no noroeste do Iraque, e com os cristãos passou-se algo muito semelhante. As várias cidades ao redor de Mossul, por exemplo Qaraqosh e Bashika, viram partir praticamente toda a população. Em Qaraqosh as igrejas foram destruídas. Yazidis, cristãos e todos os que receavam o EI, encontraram refúgio no Curdistão iraquiano.

Foi aí, no norte do Iraque, que encontrei o padre Jalal Yako. Tinha fugido de Qaraqosh e era o responsável pelo campo de refugiados Ashty 1, que albergava 265 famílias cristãs, em contentores com fogão à porta. Havia uma igreja improvisada (ver fotografia) e a missa era celebrada três dias por semana.

A cada gesto e a cada olhar do padre Jalal Yako ficava evidente o desespero e a ausência de uma ideia que fosse, para ajudar a resolver o drama que a presença do EI provocava. A cada pergunta, o padre abria os braços com a palma das mãos viradas para cima ganhando tempo para respostas que não tinha. Mas houve uma pergunta que lhe provocou um sorriso e resposta imediata: “Gostava que o Papa viesse ao Iraque?”. Claro que sim: “É muito importante para nós. Basta chegar, acenar e pode ir-se embora. Seria muito importante para nós.”

Nesse dia, para além do pedido ao Papa Francisco, o padre Jalal Yako deixou uma mensagem ao mundo, em aramaico, a língua de Jesus Cristo: “O Mundo não se pode esquecer de nós. Resta-nos a nossa dignidade porque não temos mais nada. Queremos protecção do mundo quando regressarmos às nossas aldeias. O Iraque é o nosso país e nós queremos voltar às nossas casas, por que é melhor para as pessoas viverem no seu próprio país. Não há nada mais doce. Pedimos a todas as pessoas e organizações que fiquem ao nosso lado, mas sentimos que os governos não nos estão a apoiar”.

Uma mensagem que traduz tudo: desespero, mas também fé e vontade de ficar no sítio a que se pertence. Jalal Yako acrescentou que para os cristãos não deixarem o Médio Oriente, seria importante a presença do Papa no Iraque.

Entretanto, o EI e o Califado foram derrotados, mas permanecem sinais da presença do EI no Iraque e na Síria. Há também relatos de cristãos que temem a atitude das milícias (xiitas) pró-iranianas que combateram o EI e que controlam agora alguns dos locais de onde os cristãos fugiram, e a que alguns já regressaram.

Nas duas últimas décadas a população cristã no Médio Oriente tem vindo a diminuir drasticamente. Os números variam consoante as fontes e falta saber se a visita do Papa Francisco vai ter o efeito que o padre Jalal Yako pretendia, em 2015, quando lançou o desafio para uma visita do Papa ao Iraque.

Tenho pena de não regressar agora ao Iraque para voltar a encontrar o padre Jalal Yako e para testemunhar o momento histórico da primeira visita de um líder da Igreja Católica. A visita do Papa Francisco ao Iraque decorre entre 5 e 8 de Março.

 

José Manuel Rosendo é jornalista da Antena 1 e tem feito reportagem em vários países do Médio Oriente; o texto foi publicado em simultâneo no blogue Meu Mundo Minha Aldeia, do qual é autor.

 

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This