O País de Gales sem máscara, através da janela

| 11 Out 20

Colina de Rhydyfelin, vista de Pontypridd, País de Gales

Colina de Rhydyfelin, vista de Pontypridd, País de Gales. Foto © Filipe Serrazina

 

Enquanto, em Portugal, parte de mim desculpava o número arrasador de vítimas da covid-19 em certos países com o óbvio argumento “claro, têm mais pessoas, vão ter mais casos…”, o país que me interessa a mim, o Reino Unido, encontrava-se entre os lugares mais altos na lista de países com mais infetados. Mas não me preocupei: o argumento anterior relaxava-me.

Preenchi os formulários e tomei as medidas necessárias para poder regressar à minha casa britânica, esperando que tudo fosse avaliado com rigor, seguido por uma quantidade de testes e precauções estritas de segurança no aeroporto. Para minha surpresa, tal não aconteceu. Os testes não vieram e os meus vizinhos de avião certamente não estavam nem a 20 centímetros de distância. Mas claro, um aeroporto é um estabelecimento ocupado e nem tudo pode ser feito. Compreendi. Aterrei, analisaram os meus formulários e segui viagem.

Agora, de volta aos vales galeses, vejo-me forçado a cumprir quinze dias de quarentena e a observar o país através de uma janela. A caminho de casa, vindo do aeroporto, paro no supermercado local para me abastecer para as próximas duas semanas.

Tal como é normal na nossa nova realidade, saio do carro, coloco a minha máscara e fico à espera que a minha colega faça o mesmo. Ela, em retorno, observa-me durante uns segundos e indica-me que não preciso de usar máscara se não o quiser fazer. Confuso e preocupado que o meu inglês possa estar um pouco mais ferrugento do que me lembrava, assumo que ela se refere ao facto de estar ainda na rua e não dentro do supermercado. Portanto, posso tirar a máscara enquanto estamos ao ar livre.

Assim o faço, e começo a dirigir-me às portas. Vejo uma mulher à minha frente a entrar sem qualquer tipo de proteção facial e espero pela inevitável equipa de segurança que a irá mandar embora, mas esta nunca chega. Enquanto volto a colocar a minha máscara, peço uma explicação à minha colega em relação ao que acabei de ver. Ela responde com indiferença: “Eu disse que não precisavas de usar máscara se não quisesses.” Foi assim que percebi onde estava e compreendi, pela primeira vez, os valores exorbitantes de casos que vemos na televisão.

Ao longo das duas semanas que se seguiram, cada vez os compreendi mais. Quer seja através das histórias de clientes desagradáveis de colegas que trabalham em pubs e supermercados, dos convites sem vergonha para festas de 20 ou mais pessoas para celebrar o regresso aos estudos ou do vizinho que me apertou a mão para me dar as boas vindas, não me faltaram provas de que, de facto, os números são bastantes compreensíveis.

Agora, mesmo com a minha sentença de duas semanas cumprida, continuo a observar o país através de uma janela, pois os condados vizinhos tomaram a decisão de fechar novamente as suas fronteiras e o governo viu-se forçado a impor um recolher obrigatório às 22h (e as máscaras são, finalmente, obrigatórias em espaços fechados, ao fim de quase um ano em pandemia). Mas, pelo menos, temos pubs abertos para relaxar e beber uma pint depois de aulas realizadas através de um ecrã, e isso é que importa.

 

Filipe Serrazina é estudante na University of South Wales (Cardiff, País de Gales), em busca de uma licenciatura em Engenharia Informática e de explorar um país que tem tanto para ver.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This