O Palácio dos sem-abrigo com vista para o Vaticano

| 6 Fev 20

Palazzo Migliori, edifício do início do século XIX que o Papa mandou adaptar para ser casa para pessoas sem-abrigo. Foto © Comunidade de Santo Egídio

 

A diferença é esta: “Aqui sinto-me mais em casa. Tenho a minha própria cama, quarto e casa de banho. É bem diferente dos dormitórios onde tenho passado até agora, onde por vezes parecemos animais num estábulo sobrelotado.”

As palavras são de Mario Brezza, 53 anos, citadas pela cadeia NBC News, dos Estados Unidos. E referem-se ao facto de ele ser, agora, um dos cerca de 50 homens e mulheres sem-abrigo que dormem nos 16 quartos do Palazzo Migliori, um edifício do início do século XIX que, oferecido à Igreja pela família que lhe deu o nome, já foi casa de religiosas onde eram acolhidas mães solteiras e, agora, poderia ter sido um hotel com vista privilegiada para a Praça de São Pedro…

A vista continua lá, mas o Papa Francisco quis que o edifício, depois de algumas obras, fosse destinado a acolher pessoas pobres e sem-abrigo. E, acrescenta a Renascença, o Papa ordenou explicitamente ao esmoler do Vaticano, o cardeal Konrad Krajewski, que o prédio fosse adaptado ao uso que agora começou a ser feito.

Com uma perna amputada por causa de uma doença circulatória grave, Brezza vive com um subsídio mensal de invalidez de cerca de 270 euros. E é uma das cinco dezenas de pessoas que, com o apoio da Comunidade de Sant’Egídio, têm possibilidade de satisfazer as necessidades básicas: comer, dormir debaixo de um tecto, lavar-se e vestir-se. No edifício, há ainda salas para formação, serviços, aconselhamento ou utilização de computadores – uma das ideias da casa e do projecto é que os sem-abrigo são ajudados a procurar de novo trabalho, como forma de reinserção.

O Palazzo está ainda preparado, se necessário, para acolher mais pessoas, caso o frio em Roma obrigue os sem-abrigo a refugiar-se em sítios mais protegidos.

Carlo Santoro, da Comunidade Sant’Egidio, grupo católico que tenta ligar oração e acção social e desenvolve vários projectos ligados à paz, define o Palazzo Migliori como um “paradoxo”: “É um belo palácio ao lado da Praça de São Pedro e da Basílica e é o lar de quem até há pouco tempo não tinha uma casa para onde ir”, afirmou, citado pela NBC.

Sharon Christner, 23 anos, norte-americana oriunda da Pensilvânia, voluntária no projecto, afirma, na mesma reportagem: “O que há de especial neste lugar é que não se trata de maximizar cifrões.” E acrescenta a jovem, que foi para Roma fazer uma pesquisa sobre questões sociais e falta de casa que se trata, antes, de “dar às pessoas um lugar realmente bonito para se estar, com a ideia de que a beleza cura”.

“A beleza cura” foi a expressão usada pelo Papa quando foi visitou o palácio, depois do final das obras em Novembro, e almoçou com as pessoas que agora ali moram. Não é a primeira vez, aliás, que Francisco toma decisões para apoiar os pobres e os sem-abrigo que vivem na zona do Vaticano: já foi assim com a instalação de duches para crianças, de um centro médico e, antes disso, de uma lavandaria, vários outros duches e uma barbearia.

O Papa a almoçar com pessoas pobres e sem-abrigo no Palazzo Migliori, edifício do início do século XIX que o Papa mandou adaptar para ser casa para pessoas sem-abrigo. Foto Comunidade de Santo Egídio

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres novidade

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo novidade

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Peter Stilwell deixa reitoria da única universidade católica da R.P. China

O padre português Peter Stilwell será substituído pelo diácono Stephen Morgan, do País de Gales, no cargo de reitor da Universidade de São José, em Macau.  A mudança, que já estava a ser equacionada há algum tempo, está prevista para julho, depois de um mandato de oito anos naquela que é a única universidade católica em toda a República Popular da China.

Governo português decreta que imigrantes passam a estar em situação regular

O Governo português decretou que, a partir de 18 de Março (dia da declaração do Estado de Emergência Nacional), todos os imigrantes e requerentes de asilo que tivessem pedidos de autorização de residência pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passam a estar em situação regular, com os mesmos direitos que todos os outros cidadãos, incluindo nos apoios sociais.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As circunstâncias fazem os grandes líderes. Cá estão elas.

Faço parte de uma geração que reclama grandes líderes. Não tenho muitas dúvidas que esta reclamação é de quem vive num certo conforto. Não tive um Churchill porque não passei por uma grande guerra. Não tive um Schuman porque não era vivo quando a Europa esteve em cacos. Não tive um Sá Carneiro, Freitas do Amaral ou Mário Soares porque não era vivo quando Portugal ainda só sonhava com uma Democracia plena e funcional.

Cultura e artes

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

Sete Partidas

Um refúgio na partida

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco