O Papa em Moçambique, uma viagem desejada mas com riscos, para insistir na paz

| 5 Set 19 | Cristianismo - Homepage, Destaques, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas

Populações atingidas pelo Idai, em Março: a região da Beira ficará à margem do programa do Papa. Foto © Caritas Internationalis. Foto da capa: o Papa a saudar a multidão, no aeroporto de Maputo, quarta. dia 4, ao início da noite. Foto extraída da transmissão em directo do Vatican Media.  

 

Uma viagem desejada mas com riscos, onde não faltam críticas do interior da própria Igreja Católica, dedicada ao tema “Esperança, paz, reconciliação” mas que deixa incompreensivelmente de fora algumas das populações mais necessitadas de esperança – as da região centro do país, devastada em Março pelo ciclone Idai. Durante pouco mais de 48 horas, o Papa está em Moçambique (onde chegou ao fim da tarde de quarta-feira, 4 de Setembro), primeira etapa de um périplo que o levará ainda a Madagáscar e Ilhas Maurícias.

O Papa chegou ao fim da tarde desta quarta-feira, 4 de Setembro. Depois de recebido no aeroporto pelo Presidente Filipe Nyusi, outras autoridades políticas e bispos, além de uma multidão que o aclamava, dirigiu-se para a nunciatura apostólica, onde ficaria alojado. No trajecto, continuou a haver muita gente a saudá-lo, depois de dias de expectativa sobre a sua vinda.

Quinta-feira o dia será preenchido com encontros com políticos e diplomatas, jovens e crentes de diferentes religiões, clérigos e religiosos, catequistas e animadores de comunidades católicas. A visita do Papa Francisco a Moçambique incluirá ainda, no final da tarde, uma visita privada à Casa Mateus 25, uma instituição de acolhimento de pessoas doentes. Sexta de manhã, Francisco visitará um hospital e preside a uma missa no estádio de Zimpeto, antes da partida, ao início da tarde, para Madagáscar, a etapa seguinte.

É de prever que, no primeiro discurso que fará – e possivelmente também no encontro inter-religioso com jovens, ainda na manhã de quinta-feira, e na missa de despedida, sexta-feira – o Papa aborde os temas da paz e da reconciliação. A 6 de Agosto, depois de um acordo de cessação de hostilidades, o Governo e a Renamo assinaram o “Acordo de Paz Definitiva”.

Para a população, a expectativa é que a visita de Francisco e os apelos que não deixará de fazer selem a palavra “definitiva” consagrada no acordo entre o Governo da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique, que lidera o país desde a independência, em 1975, e durante muitos anos em regime de partido único e sem liberdade política) e a Renamo (Resistência Nacional de Moçambique, principal partido da oposição e, durante os anos de guerra civil, adversário armado do Governo da Frelimo).

 

Consolidar a paz

A viagem de Francisco pode ser importante para consolidar a paz em Moçambique, afirmou, em declarações à Lusa citadas no Público, o padre Tony Neves, dos Missionários do Espírito Santo, que trabalhou nos países lusófonos africanos durante vários anos. Mas há ainda muito cepticismo decorrente do facto de o país nunca ter consolidado a paz já prevista no acordo geral de Outubro de 1992, negociado com a intermediação da Comunidade de Santo Egídio e do então arcebispo da Beira, Jaime Gonçalves – cujo papel era recordado num artigo do padre José Luzia, publicado no 7MARGENS.

Por coincidência, o principal mediador por parte da Comunidade de Santo Egídio, o então padre Matteo Zuppi, foi um dos nomes anunciados pelo Papa no domingo como um dos novos cardeais.

Outra razão para o cepticismo é que vários membros militares da Renamo não aceitaram o acordo de Agosto e ameaçam retomar as hostilidades. Além disso, têm sido notícia vários ataques no norte do país, por parte de grupos não identificados, mas que são apontados como sendo islamitas.

Se a paz e a reconciliação do país são o problema número um a que o Papa não deixará de aludir, há outro elemento que não é pacífico, em relação à própria visita e à data escolhida: o país está em campanha eleitoral (haverá eleições a 15 de Outubro). Eric Morier-Genoud, professor de História na Universidade de Belfast, que fez uma tese de doutoramento sobre o catolicismo e a política em Moçambique entre 1940 e 1986, dizia há dias ao Público, que há “um alto risco de aproveitamento da visita por parte do partido no poder, a Frelimo”.

Claro que o Papa estará consciente disso mesmo e não deixará de vincar, sempre que possível, o seu afastamento da contenda eleitoral. Mas não poderá livrar-se das imagens que serão captadas e difundidas nas televisões e nos jornais. E também já não se livra das críticas que vários responsáveis católicos – incluindo bispos – fizeram à data escolhida (o secretário-geral da Cáritas Moçambicana considerou que não seria oportuna) e ao facto de o programa limitar a presença do Papa à capital, Maputo, não incluindo no roteiro a Beira, castigada pelo Idai em Março. Ou seja, a dimensão da esperança que outros moçambicanos reclamariam do Papa não será, para eles, tão facilmente concretizada.

O ciclone Idai acrescentou, aliás, destruição e deterioração social grave a uma situação já marcada por graves índices de pobreza e de doenças como a sia, por exemplo.

 

Diálogo inter-religioso e escravatura

Falando de paz, o Papa católico também se confronta com os incidentes violentos de origem islamita no norte. Nesta perspectiva, o encontro inter-religioso de Francisco com jovens, na manhã de quinta-feira, 5, pode ser um ponto alto da viagem. De acordo com o Censos de 2017, a população reparte-se entre 8,8 milhões de protestantes (sobretudo de grupos evangélicos) 7,3 milhões de católicos, e cinco milhões de muçulmanos (concentrados essencialmente a norte), o diálogo inter-religioso é um desafio decisivo para o país e os crentes moçambicanos.

Numa mensagem vídeo que o próprio Papa dirigiu aos moçambicanos, Francisco afirma: “Que o Deus e Pai de todos consolide a reconciliação, reconciliação fraterna em Moçambique e na África inteira, única esperança para uma paz firme e duradoura.” O Papa acrescenta que quer também confirmar a comunidade católica “no seu testemunho do evangelho que ensina a dignidade de cada homem e mulher”.

 

Os problemas e desafios não são exclusivos de Moçambique. Em Madagáscar, a quarta maior ilha do mundo, a leste de Moçambique, em pleno Oceano Índico, mais de metade dos 24 milhões de habitantes tem menos de 20 anos e o país sofre de pobreza endémica, com graves índices de doenças como a lepra.

A tensão política e a importância do diálogo inter-religioso também estão presentes no país: em 2009, na sequência de protestos e com ajuda dos militares, o actual Presidente, Andry Rajoelina, chegou ao poder. Em 2018, venceu as eleições, com 55% dos votos. Citado no portal da Unisinos, o provincial dos jesuítas em Madagáscar, Fulgence Ratsimbazafy, diz que aconselharia o Papa a usar a palavra malgaxe “fihavanana”, que sublinha a construção de uma cultura da unidade, da solidariedade e do trabalho em equipa.

Em Madagáscar, o Papa permanece também dois dias, sábado e domingo, igualmente apenas na capital, Antananarivo. Nas Ilhas Maurícias, Francisco irá apenas um dia – segunda-feira –, regressando ao final do dia a Antananarivo, de onde partirá no dia seguinte para Roma.

Nas Maurícias, onde predomina o hinduísmo (metade dos 1,3 milhões de pessoas, com 26% de católicos e 17% de muçulmanos), o Papa encontra-se com o Presidente interino, Barlen Vyapoory, que assumiu o cargo depois de Ameenah Gurib-Fakim, a anterior chefe de Estado, ter sido acusada de fraude.

Aqui, o programa de Francisco estará também centrado na capital, Port-Louis. Um dos pontos significativos será a visita provada ao santuário do padre Jacques-Désiré Laval, missionário francês do século XIX que dedicou a vida a cuidar de escravos na então colónia britânica, como recorda também o portal da Unisinos.

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Formação avançada em património religioso lançada na Católica novidade

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Cinco cristãos libertados na Índia depois de 11 anos presos por acusações falsas

Cinco cristãos indianos que tinham sido presos em 2008 com acusações falsas, na sequência da morte de Swamy Laxmananda Saraswati em Kandhamal (distrito de Orissa, a quase 700 quilómetros de Calcutá) foram agora libertados, onze anos depois das condenações e quatro anos depois de, em 2015, testemunhos apresentados por dois polícias terem levado à consideração da falsidade das acusações.

Igreja Católica em Espanha tem de “relançar compromisso” com os migrantes, pede responsável das Migrações

O diretor da Comissão de Migrações da Conferência Episcopal Espanhola, José Luis Pinilla, pediu o “relançamento do compromisso” da Igreja Católica em Espanha com os migrantes, fazendo frente à “xenofobia”. Numa conferência sobre Juan Antonio Menéndez, o antigo bispo e presidente desta comissão que morreu em maio de 2019, Pinilla afirmou que é necessária uma Igreja mais comprometida com os migrantes e lembrou os ensinamentos de Menéndez.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Aprender a dizer amor

Jorge Jesus, treinador do Flamengo, o mais falado clube nos últimos dias, afirmou: “No Brasil aprendi a dizer amor… Em Portugal é uma complicação para dizer amor. Quero desfrutar desse amor”. Sim, mas porque será tão difícil aos portugueses dizê-lo?

Cultura e artes

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

A primeira poetisa da Europa

Comparada a Homero; segundo Platão, a décima Musa. Era «a Poetisa», tal como Homero era «o Poeta». Manuscritos, nunca os vimos. Provavelmente, queimados, devido ao fanatismo de eclesiásticos bizantinos. Só alguns poemas inteiros chegaram até nós; o resto são fragmentos. Porque nos fascina ainda, uma frase, um verso, passado 2600 anos?…

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
9
Seg
Falar de vida e fé – Leonor Xavier conversa com Maria Antónia Palla @ Capela do Rato
Dez 9@18:30_19:45
Dez
10
Ter
Apresentação do livro “Os dons do Espírito Santo”, de frei João de São Tomás @ Livraria da Universidade Católica Portuguesa
Dez 10@17:30_18:30

O livro será apresnetado por Manuel Cândido Pimentel, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Dez
11
Qua
Apresentação do livro “John Henry Newman”, de Paolo Gulisano @ Capela do Rato
Dez 11@21:15_22:15

O cardeal Newman testemunhou, na Inglaterra do século XIX, uma prodigiosa aventura intelectual e espiritual de diálogo ecuménico (entre a Igreja Católica e a Igreja Anglicana). Reclamava uma fé lúcida, inteligente, em diálogo com a cultura e a tradição patrística (o passado). Antecipou o Vaticano II com a sua compreensão da soberania da consciência. Foi um motivar da intervenção dos leigos na sociedade do seu tempo. A sua recente canonização, em 13 de Outubro, pelo Papa Francisco, é estimulo para se aprofundar o seu pensamento e a novidade do seu testemunho.

O livro será apresentado pelo padre António Martins (Faculdade de Teologia/Capela do Rato) e Artur Mourão, filósofo, tradutor de Newman e membro do Centro de EStudos de Filosofia. O debate é moderado por Nuno André.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco