O Papa Francisco e a reabilitação da política

| 21 Jan 19

1. Quando, na mensagem para o Dia Mundial da Paz (1 de Janeiro), regista dez “vícios” no exercício político, que diz serem “a vergonha da vida pública”, o Papa Francisco reassume a prioridade da reabilitação da política. Francisco teme o enfraquecimento do “ideal duma vida democrática autêntica” e sintetiza os perigos para a paz social, ou seja, para a democracia: “a corrupção – nas suas múltiplas formas de apropriação indevida dos bens públicos ou de instrumentalização das pessoas –, a negação do direito, a falta de respeito pelas regras comunitárias, o enriquecimento ilegal, a justificação do poder pela força ou com o pretexto arbitrário da “razão de Estado”, a tendência a perpetuar-se no poder, a xenofobia e o racismo, a recusa a cuidar da Terra, a exploração ilimitada dos recursos naturais em razão do lucro imediato, o desprezo daqueles que foram forçados ao exílio” (Mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2019).

Se economia e finanças continuam a (co)mandar, ampliando bolsas de pobreza, descontentamento e exclusão – “esta economia mata”, diz o Papa na Exortação Evangelli Gaudium–, há uma cada vez maior influência cultural sobre os decisores, construtora de segregação e beligerância, a exacerbar o medo do diferente e da diferença.

No discurso ao corpo diplomático, dia 7 de janeiro, Francisco ampliou a análise e alertou para o “ressurgimento de tendências nacionalistas”, comparando o tempo presente com o tempo entre as duas grandes guerras do século XX, quando uma Liga das Nações não impediu a deriva populista e anti-sistema que promove os medos e vê a diversidade como um risco.

Elogiando as diferenças, o Papa sublinha os riscos para a democracia provocados pelas “colonizações ideológicas, culturais e económicas”, que coarctam a liberdade. Na mensagem de Natal disse que “as diferenças não constituem um dano nem um perigo, são uma riqueza”, uma “mais-valia”(Mensagem Urbi et  Orbi, 25 de Dezembro de 2018).  

A organização social em livre pensamento constrói ideias, vive no percurso de uma história de ideias, de busca e interpelação de arquétipos. Impor um pragmatismo controlador, qualquer que ele seja, é um retrocesso. As ideologias compõem também a teia plural com que se tece o exercício político. Mas, apar do aparente crescimento da indiferença em relação às regras de participação democrática, como o ato de votar, constata-se o renascimento de narrativas messiânicas contra as diferenças, as ideias e a ideologia, acentuando os desequilíbrios.

O que tem a religião a ver com isto? Basta ver como (a)s palavra(s) religiosa(s) e as ideias por ela produzidas vão sustentando emergentes correntes populistas e novos pólos de pertença desinstitucionalizada, não sintonizados com os modelos clássicos de “esquerda” e “direita” e com princípios da democracia.

Também os livros sagrados desenham contornos políticos de convivência, desenvolvem ideias que, por sua vez, podem sustentar ideologias. Mas, como a imposição de ideologias sobre a liberdade individual é a negação do próprio exercício político, recorrer às narrativas do sagrado para contrariar ideias e diabolizar ideologias é um negro paradoxo já experimentado.

2. Necessitaremos de outro modelo de participação que renove o exercício político? Recordemos as primeiras semanas do pontificado, quando o Papa Francisco recebeu na Praça de São Pedro, a 18 de maio de 2013, representantes de movimentos da Igreja, alguns conotados com gente ligada a jogos de influência na alta finança e na política. Ali mesmo, sem meias palavras, pôs álcool na ferida: “Se os investimentos nos bancos caem um pouco… tragédia, como se faz? Mas se morrem pessoas à fome, se não têm o que comer, se não têm saúde, nada se faz”. A pobreza, acrescentou, “não é uma categoria sociológica, filosófica ou cultural”, mas um facto relacional, de (ir)responsabilidade na gestão ética do bem comum.

Olhar a vida a partir da experiência dos que menos têm, no sentido material e existencial, abre outro horizonte de leitura da realidade. As estatísticas têm revelado melhorias sociais após a recente crise, mas, segundo o Instituto Nacional de Estatística, um em cada cinco portugueses tem ainda rendimentos inferiores a 454 euros, considerado o limiar da pobreza. E um em cada dez trabalhadores portugueses épobre.

Calçar os sapatos do outro é a metáfora da atitude. A pobreza não tem apenas uma forma de se dizer, nem uma causa única, e a experiência da pobreza em Portugal não corresponde à de outras latitudes. Mas a pobreza não resulta apenas da falta de bens essenciais – há excessos de produção e consequentes desperdícios, com graves e irreversíveis consequências ecológicas – é, acima de tudo, o resultado de uma distribuição injusta e desequilibrada, pelo que a resposta passa por dar prioridade ao combate às desigualdades, atenuando as múltiplas e por vezes insondáveis causas, que vão das políticas remuneratórias à forma como se pensa socialmente uma cidade.

No combate à pobreza há vários patamares de urgência e emergência. E se num primeiro momento, perante as circunstâncias, a assistência é inevitável, posteriormente esta pode não ser libertadora e pode até vir a tornar-se perversa. Cada caso é um caso, mas seguir a mera lógica de distribuição dos excessos, ou seja, das sobras, apenas perpetua as circunstâncias da fragilidade.

Pelo impulso da doutrina social católica em relação ao destino dos bens, o sociólogo Alfredo Bruto da Costa trabalhou a ideia segundo a qual o que nos sobra não nos pertence, apenas o gerimos.

O desafio é mais ambicioso, humana e eticamente: atuar a montante, na pedagogia para a produção e o consumo, produzir na medida justa e ecologicamente adequada e distribuir adequadamente os recursos pela justa medida. Na equação do evangelho, “dividir para multiplicar, somar sem subtrair nada a ninguém” (Frei Fernando Ventura, Somos Pobres mas Somos Muitos, 2013). É também um desafio político no sentido mais nobre do termo e que nos transporta para a corresponsabilidade na gestão da polis.

3. “O que devo fazer para melhorar o mundo?”, perguntou um professor no encontro do Papa com alunos e professores de escolas jesuítas (7 de junho de 2013, no Vaticano). “Dedica-te à política”, respondeu-lhe o Papa, que enquadra o exercício político na encíclica Laudato Si: “Devemos implicar-nos na política, porque a política é uma das formas mais elevadas da caridade, visto que procura o bem comum”; “Compete à política e às várias associações um esforço de formação das consciênciasda população. Todas as comunidades cristãs têm um papel importante a desempenhar nesta educação (…) para uma austeridade responsável, a grata contemplação do mundo, o cuidado da fragilidade dos pobres e do meio ambiente”; “Tendo em conta o muito que está em jogo, do mesmo modo que são necessárias instituições dotadas de poder para punir os danos ambientais, também nós precisamos de nos controlar e educar uns aos outros” (Encíclica Laudato Si, 24 deMaio de 2015).

A nova cidadania, propõe o Papa Francisco, é a que segue o paradigma de um “amor civil e político”, com “pequenos gestos de cuidado mútuo, manifestando-se em todas as ações que procuram construir um mundo melhor”, contrariando a submissão do exercício político à economia e da economia aos “ditames” da tecnocracia refém de uma redutora visão de lucro que concentra em poucos o que é de e para todos.

Este “amor à sociedade” passa, na perspetiva de Bergoglio, por um exercício político em subsidiariedade, escrutinado na promoção de parcerias que não perdem o azimute de um “compromisso pelo bem comum”.

Estamos diante de um evidente apelo à reabilitação da política, (re)pensando a Comunidade, na qual as instituições sociais de várias origens e objetos, atuantes na proximidade e conhecedoras privilegiadas do pulsar humano, têm um papel fundamental. Contribuir para a justiça e o bem comum impõe ter vistas largas e disponibilidade para um debate político que não se esgota na realidade partidária, mas com esta se faz em mútuo espírito de serviço, valorizando redes de ação e corresponsabilidade. E se, de um lado ou de outro, há o risco de “sujar as mãos”, que esta contingência não bloqueie o propósito maior. Faz parte desta relação contornar os obstáculos e encontrar as vias de equilíbrio entre as ideias e as possibilidades, a ideologia e a realidade, a vontade e a cultura. Os grandes sonhos de mudança não se concretizam contra, mas a favor.

Joaquim Franco é jornalista

Breves

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Boas notícias

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Encontro de Taizé em Rostock

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Mário Reis nunca tinha ouvido um aplauso tão longo em toda a sua vida, em nenhum dos concertos aos quais foi até hoje, em nenhuma das peças de teatro às quais assistiu, nem tão-pouco no final de algum discurso que tenha escutado. No dia em que ouviu esse aplauso, ou melhor, nessa noite, Mário não estava em nenhum espetáculo ou conferência inspiradora: estava numa oração ecuménica, mais propriamente no Encontro Europeu de Taizé, que decorreu de 28 de dezembro a 1 de janeiro na cidade de Rostock, numa das regiões mais secularizadas da Alemanha.

Outras margens

Cultura e artes

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Um concerto de gregoriano e música seiscentista antes de uma visita de estudo a Roma para 22 alunos portugueses

Dia 28, em Lisboa

Um concerto de gregoriano e música seiscentista antes de uma visita de estudo a Roma para 22 alunos portugueses

Será um concerto que cruza o canto gregoriano com música portuguesa do século XVII, mas que pretende preparar também uma visita de estudo a Roma: no próximo sábado, 28, às 17h, na Igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa, 22 alunos da Escola Artística e do Consort de Flautas de Bisel do Instituto Gregoriano de Lisboa (IGL) cantarão gregoriano e executarão obras de compositores como Manuel Rodrigues Coelho, António Carreira, Pedro de Araújo ou Pedro de San Lorenzo, transcritas para flauta.

Pessoas

Francis Prevost: um missionário à frente do Dicastério dos Bispos

Ouellet sai prestigiado e ferido

Francis Prevost: um missionário à frente do Dicastério dos Bispos novidade

Depois de 12 anos à frente do poderoso Dicastério para os Bispos, o cardeal canadiano Marc Ouellet acaba de ser substituído no cargo de prefeito por Robert Francis Prevost, um missionário da Ordem de Santo Agostinho e desde 2015 bispo da diocese de Chiclayo, no Peru.

Sete Partidas

O livro que ele não escolheu

O livro que ele não escolheu

E esse homem que lê o livro que não escolheu. Derrama a imaginação no sarcasmo do travesseiro que é degrau de livraria. Então eu sei que o livro é pai e mãe, e voz serena para embalar quem vai dormir. Só que o sono não chega porque a serenidade não cabe nas páginas de quem continua preta.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Não esqueço de modo nenhum o tempo de companheirismo de ano e de turma, desde a idade dos 14/15 anos, no seminário de Almada prolongando-se depois pelo dos Olivais, ao todo num período de nove anos. O Luís evidenciava-se pela inteligência, sem nunca fazer disso pedestal para sobressair; sempre a cumplicidade alegre, brincalhona e solidária com todos os colegas. E assim foi crescendo, evidenciando-se sempre sem nunca deixar de ser o mesmo.

Eutanásia numa sociedade pluralista

Eutanásia numa sociedade pluralista

A eutanásia nada mais é do que o cumprimento da vontade soberana do indivíduo de querer pôr termo a uma vida que, pelas mais variadas razões, considera destituída de sentido. A legalização da eutanásia revela tão-só o respeito do Estado pela autonomia individual e a garantia de que o indivíduo terá todo o apoio necessário para que a sua vontade soberana se possa cumprir.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This