O Papa para Tolentino Mendonça: “Tu és a poesia”

| 6 Out 19

Novo cardeal português, que foi cumprimentado por largas centenas de pessoas durante mais de duas horas, diz que o novo cargo é tão difícil quanto a vida de um desempregado, um refugiado ou um pai de família.

 

Vestes e insígnias cardinalícias já vestidas, Sala Régia do Palácio Apostólico – uma das mais belas e importantes –, ambiente de festa no Vaticano, neste sábado, 5 de Outubro, ao final da tarde: “Quando [o Papa] se abeirou de mim, eu disse-lhe baixinho: ‘Santo Padre, o que é que me fez?’ E ele riu-se e disse: ‘Olha, a ti eu digo aquilo que um poeta disse, ‘tu és a poesia’.” O curto diálogo foi contado aos jornalistas pelo próprio José Tolentino Mendonça, o novo cardeal português, investido sábado, na função de conselheiro do Papa.

“Foram palavras que eu guardo no meu coração, no fundo para dizer uma coisa essencial, que a Igreja conta com uma determinada sensibilidade, uma atenção a um determinado campo humano, que é o campo da cultura, das artes, da estética”, afirmou, antes de receber centenas e centenas de pessoas para o cumprimentar, entre amigos, clérigos, bispos, diplomatas ou políticos (entre os quais, a ministra da Justiça, Francisca Van Dunen, em representação do Estado português).

“O Santo Padre considera que esse campo [da poesia] é também importante para a missão da Igreja e para aquilo que ela hoje é chamada a ser no mundo contemporâneo”, acrescentou, ainda em referência ao diálogo que teve com o Papa antes do início do consistório. Na cerimónia, além do barrete e do anel, o novo cardeal português receberia o título da igreja de São Domingos e Sisto, em Roma – na cerimónia, por lapso, o título da igreja São Jerónimo foi “atribuído” duas vezes, mas Tolentino Mendinça corrigiu depois a informação.

Nem só de poesia se fará a missão de um novo cardeal: “A vida vai-nos dando, pela mão de Deus, os caminhos, mais do que pesos”, afirmou, perguntado sobre os receios que porventura teria acerca da nova responsabilidade. “Porque a vida de um cardeal é pesada, mas a vida de um pai de família também é, a vida de um operário, a vida de um desempregado, a vida de um homem sobre a terra, a vida de um refugiado, a vida de alguém que constrói a sociedade.”

Poeta e investigador da Bíblia, Tolentino Mendonça acrescentou: “A vida é difícil para todos, também será para um cardeal. Mas também é bela, também é entusiasmante e é nisso que eu penso. Partilho a humanidade dos meus irmãos e faço com eles um caminho crente, um caminho de fé.”

 

Papa pede homens atentos as descartados

Com 53 anos (54 em Dezembro), Tolentino Mendonça é o segundo mais jovem membro do Colégio Cardinalício e é o terceiro cardeal português, além do patriarca de Lisboa e do bispo de Leiria-Fátima (Manuel Clemente e António Marto) a integrar um próximo conclave. Além destes três portugueses com direito a voto na eleição de um papa (por terem menos de 80 anos), há ainda outros dois portugueses: José Saraiva Martins e Manuel Monteiro de Castro.

Na mensagem que dirigiu a todos os novos 13 cardeais, na homilia do consistório, o Papa Francisco pediu-lhes que sejam pessoas com a “capacidade de ter compaixão” e, à semelhança de Jesus, atentos nomeadamente às “pessoas descartadas, aquelas que já estão sem esperança”.

“Muitos comportamentos desleais de homens de Igreja” ligam-se à “falta deste sentimento da compaixão recebida e do hábito de passar ao largo, do hábito da indiferença”, acrescentou o Papa, condenando o facto de, com frequência, os cristãos e “mesmo pessoas religiosas ou até ligadas ao culto” não mostrarem compaixão.

Francisco acrescentou ainda que por vezes se procuram “justificações” para a falta de compaixão, sobretudo “quando um homem de Igreja se torna um funcionário”. A compaixão, concluiu, é uma palavra-chave do Evangelho e “está escrita no coração de Cristo, está sempre escrita no coração de Deus”.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco