O papel da UE numa África cada vez mais dependente da China

| 14 Dez 20

União Europeia. Banco Central Europeu. Frankfurt

” É certo, no entanto, que raramente as potências europeias conseguiram ter uma política de desenvolvimento digna em África, onde a perspetiva extrativa, infelizmente, prevaleceu durante séculos.” Banco Central Europeu, em Frankfurt. Foto: António Marujo

 

Dezembro de 2019 parece que foi há muito tempo, não tivesse, entretanto, o mundo mudado por causa da covid-19. No entanto, remonta à fase inicial do mandato da Comissão Europeia, que ainda tem muitos anos para cumprir. Foi nesse mês que Ursula von der Leyen foi a Adis Abeba reunir-se com Moussa Faki, presidente da Comissão da União Africana. O objetivo fundamental foi o de se discutir uma parceria estratégica e a gestão migratória.

Enquanto portugueses sabemos bem qual a ligação que os povos europeus tiveram e têm com África. Partilhamos um passado relativamente comum, para o bem e para o mal. É certo, no entanto, que raramente as potências europeias conseguiram ter uma política de desenvolvimento digna em África, onde a perspetiva extrativa, infelizmente, prevaleceu durante séculos. Ainda assim, ultrapassados os processos de independência, volvidas as gerações que por ela lutaram e consolidado o projeto europeu, a realidade parece mostrar que há espaço daqui para a frente para a cooperação entre iguais.

No entanto, os EUA atrasaram-se quatro anos na sua política externa com um presidente errático e sem estratégia. Já a União Europeia enleia-se em enredos internos, tropeça nas faltas de unanimidade de um Conselho cansado no seu conceito e a ideia de uma Política Externa ativa e verdadeiramente comum caminha em passos modestos.

É neste quadro que a China avança em força, num conjunto de iniciativas de influência económica que acabam em influência política e de perda de autonomia africana. O crescimento económico chinês dos últimos 25 anos foi à volta de uns impressionantes 10% ao ano. De acordo com o Banco Mundial, saíram da pobreza extrema 850 milhões de chineses, desde 1978. Este crescimento tem gerado uma sucessiva necessidade de matérias-primas e energia, até porque a China não é um país com muitos recursos naturais para a sua população. Isto acontece quer pelos seus grandes investimentos públicos, quer por ter uma classe média cada vez numerosa. Além desta perspetiva do lado das importações, existe ainda o lado exportador. Numa economia que cresceu virada para a exportação, urge a necessidade de escoar a produção para outros mercados emergentes.

Em 2009, a China já era o primeiro parceiro comercial de África. A nível petrolífero, por exemplo, o atual maior importador do mundo recorre intensamente ao Sudão e a Angola. Já o urânio, para a energia, vem especialmente da Namíbia e do Níger. Muitos outros minérios são importados de África, como o ferro, o cobre, o zinco ou o cobalto. Estima-se que um terço do investimento chinês em África se destine a esse sector. Por país, a esmagadora maioria dos países africanos já tem na China o seu principal parceiro de origem das importações. Já nas exportações de África para a China, países como Angola, Congo, Zâmbia ou o Sudão do Sul já têm mais de 30% das suas exportações afetas ao país asiático. Até a África do Sul, uma das mais fortes economias regionais, tem entre 15% a 30%. Moçambique, Etiópia ou Níger entre 10% a 15%.

Além disto, um dos grandes fatores que contribui empiricamente para a armadilha da pobreza são os endividamentos sucessivos e/ou impagáveis. A China tem desenvolvido investimentos – sobretudo por via de empréstimos – avultados naquele continente. Entre 2000 e 2017, os governos angolano e etíope receberam mais de 10.000 milhões de dólares da China. No primeiro caso ligado sobretudo ao setor do minério e o segundo ao transporte, dois setores que dominam, além da energia, os principais empréstimos para África.

Os mais variados dados económicos demonstram, de forma inequívoca, uma África cada vez mais dependente da economia chinesa e, consequentemente, da política planificadora e centralizada do governo chinês.

No anterior mandato da Comissão, a Europa avançou a bom ritmo no que aos acordos comerciais diz respeito, como o exemplo do Japão e do Mercosul. Com os atuais e limitados instrumentos em áreas como a Política Externa que a Europa tem, não há dúvidas que o nosso peso comercial e a regulação que lhe está associada são uma das nossas maiores “armas” para cooperar e desenvolver regiões, beneficiando ambas as partes. Temos ainda importantes instrumentos nacionais e supranacionais de ajuda ao desenvolvimento para poder ajudar, por exemplo, na gestão dos fluxos migratórios e das alterações climáticas. Existem de facto, ferramentas que já hoje podem contribuir para um trabalho mais estreito com o continente africano.

É por isso necessária uma Europa que olhe mais para África, percebendo o seu passado nesta histórica relação, a atual posição frágil dos EUA e o avanço do Partido Comunista Chinês que não pede licença. Essa será uma Europa mais independente nos seus valores e nas suas políticas a nível global, mas também uma Europa que procura, sem vergonhas, fazer espalhar os seus interesses além-fronteiras, numa ótica inclusiva e não extrativa.

 

João Catarino Campos é economista pelo ISEG – Lisbon School of Economics and Management, atualmente no Mestrado em Economia Internacional e Estudos Europeus pelo mesmo Instituto; e é vice-presidente da Comissão Executiva do Conselho Nacional de Debates Universitários.

 

Precisamos de nos ouvir (24) – Ivo Neto: O que aprendemos na saúde mental com a pandemia?

Precisamos de nos ouvir (24) – Ivo Neto: O que aprendemos na saúde mental com a pandemia? novidade

A avó estava a dias de fazer 90 anos e a mesa para juntar a família reservada, não muito longe de casa para ela não se cansar. Tinha começado há dias no Público e a Rita estava animada com a viagem aos Açores marcada para Maio. Ela foi a primeira. Veio para casa a pensar que na quarta-feira regressava ao trabalho, ao ginásio e, no fundo, à vida normal. Mas não. Na semana seguinte foi a minha vez de fazer da casa, a redacção.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net”

Segunda leitura – O caso, a sentença e o debate “na Net” novidade

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a condenação de um homem ao pagamento de mais de 60 mil euros à ex-companheira pelo trabalho doméstico que esta desenvolveu ao longo de quase 30 anos de união de facto. (Público, 24-2-2021)
No acórdão, datado de 14 de Janeiro (…), o STJ refere que o exercício da actividade doméstica exclusivamente ou essencialmente por um dos membros da união de facto, sem contrapartida, “resulta num verdadeiro empobrecimento deste e a correspectiva libertação do outro membro da realização dessas tarefas”.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This