Funeral em Lisboa

O papel de Feytor Pinto na mudança social

| 7 Out 21

vitor feytor pinto (4) © Ecclesia/MC

Vitor Feytor Pinto © Ecclesia/MC

 

O padre Vítor Feytor Pinto “foi um exemplo magnífico” das propostas do Concílio Vaticano II no sentido de uma relação “muito activa Igreja-mundo, em que as comunidades cristãs longe de estarem fechadas sobre si próprias se transformam como lugar de encontro e proposta para a sociedade envolvente através dos seus membros, padres ou leigos”, disse nesta quinta-feira o patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, aos jornalistas, por ocasião do funeral do antigo pároco do Campo Grande. 

“Não conheço ninguém que durante tanto tempo, em tantas fronteiras e com tanta expansão representasse esta fantástica mensagem do Concílio Vaticano II”, disse o patriarca, na homilia da celebração, citado pela Ecclesia, referindo-se ainda a Feytor Pinto, que morreu na véspera. 

O padre Vítor “não punha restrições nenhumas nos seus contactos, nas suas amizades”, acrescentou o cardeal. 

Na missa do funeral esteve presente o Presidente da República, que destacou o papel de Feytor Pinto na “viragem da Igreja do passado para a nova mensagem do Vaticano II” e na “mudança da sociedade portuguesa”. 

José Manuel Pureza, deputado do Bloco de Esquerda e vice-presidente da Assembleia da República, afirmou também aos jornalistas que “o padre Vítor Feytor Pinto foi alguém que marcou com o seu testemunho de vida, de palavra, de acção, um modo de a Igreja estar no mundo, marcado pela abertura, pelo espírito de tolerância, pelo acolhimento das diferenças”. 

 

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser.

Nós somos porque eles foram. E nós seremos nos que vierem a ser. novidade

A homenagem aos que perderam as suas vidas nesta pandemia é uma forma de reconhecermos que não foram só os seus dias que foram precoce e abruptamente reduzidos, mas também que todos nós, os sobreviventes, perdemos neles um património imenso e insubstituível. Só não o perderemos totalmente se procurarmos valorizá-lo, de formas mais ou menos simbólicas como é o caso da Jornada da Memória e da Esperança deste fim-de-semana, mas também na reflexão sobre as nossas próprias vidas e as das gerações que nos sucederão.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã

Jornada da Memória e da Esperança

Parlamento aprovou voto de solidariedade com vítimas da pandemia e iniciativa cidadã novidade

A Assembleia da República (AR) manifestou o seu apreço pela Jornada de Memória e Esperança, que decorre neste fim-de-semana em todo o país, através de um voto de solidariedade com as vítimas de covid-19 e com as pessoas afectadas pela pandemia, bem como com todos os que ajudaram no seu combate, com destaque para os profissionais de saúde.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This