O paradoxo do silêncio (ou acautelar a ingenuidade)

| 29 Set 20

Rémi écoutant la mer. Rémi escutando o mar. Edouard Boubat

Rémi écoutant la mer (Rémi escutando o mar). Paris 1995. Foto © Edouard Boubat/Wikimedia Commons

É por demais sabido que o silêncio é o maior aliado do medo. Enquanto calamos as ameaças que nos invadem por dentro, umas vezes com razão e outras sem sequer terem pretexto, elas crescem, avolumam-se e, a dado momento, incapacitam-nos.

Por outro lado, ninguém duvida que a calma, como refere Eckhart Tolle, no seu livro O Poder do Silêncio, é a nossa natureza essencial. Precisamos de parar, de olhar para os detalhes, de cheirar, de saborear, de tocar, de deixar o nosso pensamento ir sem objetivo, mas com liberdade para ser capaz de entender o que encontra a cada instante e de processar tudo isso de forma sã.

Há momentos que não são percebidos nem apreciados porque não nos atemos a eles. Passamos como flechas com a preocupação do que se segue sem deixar lugar ao aqui e agora, único momento para verdadeiramente existirmos.

Seguindo o mesmo autor, quando perdemos o contacto com a nossa calma interior, perdemos o contacto connosco mesmos. Conhecemos o risco iminente do ruído constante que ocorre pelo excesso de informação, pelo excesso de desinformação, pelos conteúdos atualmente quase monotemáticos que nos asfixiam. Realmente temos de nos posicionar, pois não é possível viver bem, assim, permanentemente invadidos por correrias exteriores e interiores que resultam de um permanente desejo de não perdermos os comboios da vida, mas também de um sistemático risco de vermos desaparecer os carris da nossa essência.

Sem calma não alcançamos a verdadeira inteligência que só atua silenciosamente, afirma Tolle. Por isso temos de a fomentar com a serenidade de quem sabe que, tal como outro alguém disse, quando não podemos controlar uma situação, devemos tentar controlar como reagimos a ela. Esse é o nosso verdadeiro poder.

Ao continuar um pouco mais esta viagem pelo pensamento do autor, encontramos algo que temos vindo a defender noutros enquadramentos – a sabedoria vem da capacidade de manter a calma e o silêncio interior.

Nos tempos que correm precisamos muito de nos equilibrarmos entre as certezas e as dúvidas, a confiança e o medo, a esperança e o desespero. Se o silêncio nos ajuda a entender melhor o mundo exterior e o nosso mundo interno, a partilha equilibrada e serena contribui para que o nosso eco nesse outro que nos escuta e disso é merecedor, desmistifique e desconstrua algo que pode ser aterrorizador se for vivido sozinho e inundado de sombras, já que muitas pessoas vivem aprisionadas nos limites dos próprios pensamentos sem a consciência de que isso, só por si, as faz cair num abandono humano a resvalar para a diluição quase completa do seu eu.

O lugar do silêncio parece paradoxal nas nossas vidas. Ele é insubstituível mas, ao mesmo tempo, não pode deixar-se ficar em si mesmo. Trata-se, pois, de nos esforçarmos por encontrar o equilíbrio entre o espaço que lhe damos e o tempo para o encontro com o outro. Esse outro que merecemos e que nos merece; esse outro que quer, genuinamente, o nosso bem e a quem também queremos bem; esse outro que escuta e se esforça por compreender o que colocamos em comum e procura, connosco, alternativas de bem ser e de bem sentir.

Vivemos, exatamente agora, um período de grande exigência. Somos desafiados a crescer à força para enfrentarmos um invisível que continua poderoso, sem sabermos como foi possível que assim tivesse acontecido, a não ser que conspiremos baseados nos raciocínios de cada um ou em tantos estudos, não raramente contraditórios.

Somos, hoje, protagonistas de histórias e de preocupações que só os irresponsáveis colocariam em segundo plano. Queremos continuar a lutar no mundo e por ele, construindo paz, apoiando famílias e buscando saúde.

Ainda assim, com toda esta panóplia de desafios, está visto que não podemos resvalar para a ingenuidade. Há e haverá sempre aqueles que, nos momentos mais críticos, tentarão aproveitar e aproveitar-se da generosidade dos bem-intencionados. É por isso que, frequentemente, o justo paga pelo pecador.

Mantenhamos o silêncio interior, a partilha equilibrada e o olhar bem aberto ao que nos rodeia para que, desse modo, o contributo que damos ao mundo e a cada outro, seja merecido e merecedor do nosso esforço e do nosso empenho.

 

Margarida Cordo é psicóloga clínica, psicoterapeuta e autora de vários livros sobre psicologia e psicoterapia.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Fátima entra no Inverno e mantém restrições novidade

O Santuário de Fátima anunciou que, a partir do próximo dia 1 de Novembro, domingo, entra em vigor o horário de Inverno do programa celebrativo na instituição, mantendo entretanto em vigor as regras definias pelas autoridades de saúde para o combate à pandemia.

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Este país ainda não é para velhos

A pandemia só veio tornar evidente o abandono social dos mais velhos. Colocar um familiar num lar de idosos tornou-se potencialmente perigoso, por isso há que apostar num novo modelo de respostas sociais para os seniores.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Cultura e artes

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco