O pecado de Sodoma foi a falta de hospitalidade (Reportagem, epílogo)

| 12 Abr 19 | Igrejas Cristãs, Judaísmo, Últimas

(Em busca de Sodoma, por Frédéric Martel – IV)

Thomas Römer, numa imagem reproduzida de um vídeo do Collège de France, disponível no endereço https://www.youtube.com/watch?v=YpyXgeO3t2w

 

Thomas Römer é um dos maiores especialistas do Antigo Testamento. Professor no Collège de France, o mais prestigiado dos centros de pesquisa franceses, é aí que o encontro.

O gabinete deste investigador suíço situa-se no Quartier Latin, perto da Sorbonne. Por também eu aí ter estudado vários anos, conheço este tipo de atmosfera, tão antiga quanto parisiense: livros empilhados, revistas empilhadas, manuscritos empilhados; um gabinete feito de arquivos e de publicações acumuladas.

Römer publicou várias obras sobre a questão da homossexualidade na Bíblia e a história de Sodoma. E é categórico: os versículos do Antigo Testamento sobre Sodoma que sustentaram as perseguições aos homossexuais ao longo da história cristã e judaica foram desvirtuados.

O especialista identifica em primeiro lugar problemas graves de tradução e de interpretação. Sublinha depois que a própria Bíblia revela que os habitantes de Sodoma eram heterossexuais, uma vez que Lot chega a propor as suas próprias filhas a estes habitantes, para que as «conheçam» sexualmente. A presumível homossexualidade dos sodomitas é, portanto, refutada, tanto mais que não é concebível que uma cidade inteira, vivendo em auto-suficiência ao longo de séculos, possa ser composta apenas por homossexuais. Finalmente, por que é que cinco cidades teriam sido destruídas ao mesmo tempo que Sodoma, se esta fosse a única (talvez com Gomorra) a ser homossexual?

A partir de comparações complexas e filológicas com outros relatos bíblicos do Antigo Testamento, e um trabalho de análise da sexualidade na antiguidade, Thomas Römer chega à conclusão definitiva de que a punição de Sodoma está ligada à violação, à violência sexual, à recusa da justiça e à falta de hospitalidade.

– A homossexualidade não tem nada a ver com o assunto. O narrador da Bíblia não faz uma reflexão sobre o valor moral, a homossexualidade, mas sobre o orgulho, a agressividade e a falta de hospitalidade de Sodoma, garante Römer.

O Novo Testamentotambémnão relaciona a destruição de Sodoma com a homossexualidade. Segundo os evangelhos de Mateus e Lucas, o próprio Jesus pensava que a destruição de Sodoma estaria ligada à falta de hospitalidade dos seus habitantes. Várias outras alusões a Sodoma noNovo Testamentoconfirmam que a falta de hospitalidade e de acolhimento dos estrangeiros são as causas principais da punição divina, não sendo nunca evocada a homossexualidade para justificar a destruição da cidade maldita.

– A história de Sodoma é um exemplo do modo como a Igreja, por razões ideológicas, leu os textos bíblicos, contrariando o que dizem, afirma Thomas Römer.

Se aceitamos esta leitura, o Papa Francisco, que defende os migrantes e tende a aceitar os gays, estaria na linha da Bíblia, enquanto a extrema-direita católica mereceria a excomunhão! Os juízos de cardeais como Raymond Burke, Robert Sarah ou os famosos “indecisos” estariam, portanto, profundamente baralhados!

Segundo Römer, a reinterpretação selectiva da Bíblia é muito mais tardia.

– A condenação da homossexualidade corresponde a uma leitura muito posterior, quando o judaísmo se encontrou com acultura grega, provavelmente no séc. I d.C.. O pecado da homossexualidade ter-se-ia definido naquela altura, com os judeus helenistas que fazem da Bíblia uma releituraenviesada, numa palavra, apócrifa.

 

Uma leitura selectiva da Bíblia

Finalmente, Thomas Römer surpreende-se por esta leitura homofóbica da Bíblia ser tão selectiva. Se, por um lado, não nega que há dois breves versículos problemáticos no Antigo Testamento, essencialmente no Levítico, em que a homossexualidade é condenável, por outro, considera que é preciso relativizar tais interditos e recolocá-los no seu contexto. Aliás, a maior parte dos teólogos cristãos recusou as regras do Levítico, actualmente anacrónicas ou indefensáveis. É preciso lembrar que a Bíblia considera a escravatura como um dado natural; que os homens são “proprietários” das mulheres, longe de qualquer igualdade de género; que a poligamia é consentida; que Jacob se casa com duas irmãs ou ainda que o incesto é bem tolerado entre Lot e as filhas. E que dizer da visão bíblica sobre as estrelas ou a criação das plantas e dos animais? Hoje nenhum católico arriscaria contar essas histórias, sob pena de ser ridicularizado pelos filhos. Então, porquê querer seguir à letra as afirmações sobre a homossexualidade que são arcaicas e ultrapassadas e, além disso, apócrifas?

Afinal, Römer denuncia todos os teólogos contemporâneos que fazem uma leitura da Bíblia tão selectiva, só retendo os interditos.

O principal desafio da destruição de Sodoma é a questão da hospitalidade, insiste Römer. Lot é poupado porque se revelou hospitaleiro. A questão da homossexualidade não se coloca. Segue-se o episódio do incesto de Lot com as filhas. Estranhamente, fecha-se os olhos a este pecado, mencionado na história de Sodoma, para realçar a homossexualidade, que não é referida.

Centenas de passagens do Antigo Testamento, refere ainda, são cruéis e violentas: Deus é sanguinário e vingativo e actua para matar, quando não está presente como um déspota e um purificador étnico; a lapidação e a pena de morte são infligidas a numerosos “crimes”; o marido tem o dever de matar a mulher adúltera; o pai tem o direito de vender os filhos como escravos e de matar o filho rebelde que não lhe obedeça….

Perante esta litania de passagens insustentáveis e das quais nenhum cristão pode hoje fazer uma leitura fundamentalista de preceitos entretanto apagados ou esquecidos, por que razão continuar a ler à letra só as passagens críticas a respeito dos homossexuais? – interroga-se ainda o célebre pensador. 

Em relação a estas afirmações selectivas, Römer acrescenta a incoerência de enfatizar na Bíblia os textos anti-homossexuais, apesar de o Antigo Testamento conter narrativas bíblicas que fazem o elogio da homossexualidade. Assim, a história de David e Jónatas seria claramente, segundo ele, a ilustração de relações amorosas entre homens, embora raramente isto seja tido em conta, tal como o erotismo das histórias de Saul e David ou Ruth e Noami.

Esta leitura parcial da Bíblia – preconizada, designadamente, pelos papas Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI – consistiu, portanto, em exagerar o crime dos “sodomitas”, ignorando os amores homossexuais. Dois pesos, duas medidas.

A história de Sodoma, apócrifa, foi, na verdade, escrita sobre a areia. Ou, pelo menos, sobre o sal.

 

(Tradução: Maria Carvalho Torres; Edição: Maria Carla Crespo e António Marujo)

 

No trabalho de reportagem que fez para o livro No Armário do Vaticano (ed. Sextante Editora, Sodoma, na versão original), o jornalista e investigador francês Frédéric Martel incluiu uma pesquisa sobre a busca da cidade bíblica de Sodoma. Esse trabalho acabou por não ser incluído no livro e deu origem a um capítulo que o autor promete publicar na página da Internet dedicada à obra (www.sodoma.fr). Entretanto, os direitos de publicação deste trabalho, para português, foram cedidos pelo autor ao 7MARGENS, que hoje termina a publicação desta grande reportagem. O texto anterior da série pode ser lido aqui.

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco