"Colmeia", filme kosovar

O peso de uma aliança

| 9 Jun 2022

Colmeia

Colmeia: uma verdadeira graça ver este filme nestes tempos. Foto: Direitos reservados.

 

Em tempo de Páscoa e nestes dias ainda violentos da guerra na Ucrânia, quando tantas mulheres tiveram de fugir com os filhos, deixando os seus maridos, foi uma verdadeira graça ver o filme Colmeia, da realizadora kosovar Bertha Basholli.

Também por esses dias, coincidência interessante, tinha lido um artigo da teóloga espanhola Cristina Inogés Sanz, no 7MARGENS, com este título: A Ressurreição e as abelhas, que começava por dar conta de um projecto, no Haiti, à volta das abelhas, e que escrevia mais adiante: “Quando falamos de ressurreição, o nosso pensamento vai logo para a ressurreição final; no entanto, estas ressurreições quotidianas onde o Ressuscitado se faz presente custam-nos mais a ver. Quanto nos custa ver aquilo que é evidente! Nisto somos parecidos com as abelhas. Milhares delas passarão por este projecto e só verão o mel que produzem, nada mais…. E sem elas não haveria vida!”

É desta ressurreição que nos fala o filme de uma forma belíssima e serena, apesar de todas as tensões e conflitos e tristezas. Naquela aldeia – que parece mesmo uma colmeia – a maior parte dos homens mais jovens foram para a guerra. Não se sabe se estão vivos ou se foram mortos, espera-se a chegada de corpos e procura-se alguma maneira de os identificar. O que vemos sobretudo são mulheres indefinidamente “viúvas”, numa sociedade profundamente machista, patriarcal e opressiva que não tolera nem compreende que elas continuem a levar a vida para a frente e assumam o cuidado da família, enquanto esperam, ao mesmo tempo que lutam.

No centro do filme, que parte de uma história verídica, está Fahrije, cujo marido desapareceu na guerra do Kosovo, e que vai corporizar essa luta significada no seu rosto duro e a maior parte das vezes fechado. Com o apoio e a insistência de outras mulheres, na mesma situação que ela, vai tirar a carta de condução, para assim conseguirem criar e pôr a funcionar uma pequena empresa de produção de ajvar, uma especiaria típica daquelas latitudes e muito apreciada. Criticada e atacada (sobretudo ela) por todos, até pela filha adolescente, para quem essa determinação da mãe significava esquecer o pai, ela não vai desistir. 

E não era verdade a acusação da filha. Antes pelo contrário. Daí esse detalhe, mais ou menos subtil, que está presente, desde o início: a aliança no dedo. A realizadora parece fazer questão de nos obrigar a ver muitas vezes a aliança no dedo de Fahrije. E mesmo no final, já depois de ela ter ido identificar roupas que poderiam ser do seu marido – mas que ela diz que não são (será por querer continuar a acreditar que ele está vivo e ter assim uma razão para esperar?) –, o filme termina com ela vestida de apicultora. E o que vemos na mão estendida é uma abelha e a aliança mais visível do que nunca. A aliança com todo o peso que carrega, mas ainda mais com toda a força do amor que a fez lutar e vencer. E continuar a esperar.

“Há pessoas que nos dão a vida através do seu testemunho e do seu compromisso. Dão-nos a oportunidade de desfrutar da vida como ela deve ser, de amor dado”, escreve ainda Cristina Sanz. É esse o testemunho deste filme inquietante sobre a perseverança e a luta daquela(s) mulher(es) que teve de cerrar os dentes, mas que guarda um imenso amor e uma imensa ternura, bem mostrada na forma como trata e cuida do seu sogro. E que, dessa maneira, vai conseguir congregar as outras mulheres e até mudar mentalidades. Uma forma de ressurreição.

Colmeia, de Blerta Basholli
Título original: Hive
Com Yllka Gashi, Çun Lajçi, Aurita Agushi, Kumrije Hoxha
Drama, M/12
Macedónia/Kosovo/SUI/Albânia, 2021, Cores, 84 min.

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar). Este texto foi inicialmente publicado no número de Junho 2022 da revista Mensageiro de Santo António

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This