O princípio da incerteza

| 29 Jul 20

As pessoas andam inquietas, intolerantes e azedas, tanto nas redes sociais como nas relações humanas directas. Uma situação que denuncia um custo da presente pandemia dificilmente orçamentável.

 

Seria talvez expectável que em tempo de férias de Verão, as relações humanas se tornassem mais calorosas e empáticas, em nome da descompressão de um ano de trabalho e do clima mais favorável e consentâneo com o sol sem o qual os portugueses não sabem viver.

Mas não. A verdade é que as perturbações emocionais provocadas pela pandemia do coronavírus estão a vir à superfície, em especial pela fase pós-confinamento, mas sobretudo pelo efeito de cansaço provocado pelo prolongar dos surtos que dele derivam, e ainda pela incerteza com que a educação, a saúde e a economia se defrontam.

De facto, por enquanto ainda não se podem fazer planos concretos para nada, nem na vida empresarial, nem nas universidades, nem na vida pessoal e familiar (por exemplo, marcar férias e viagens com antecedência). Mesmo a governação dos países é feita à vista porque tudo é fluído.

Esta incerteza está a dar cabo da saúde mental dos indivíduos e a minar as relações interpessoais. São demasiadas dúvidas, receios, medos e surpresas para conseguir gerir sem perturbação. Alunos, famílias e professores não sabem como vão decorrer as aulas no próximo ano lectivo, tanto no ensino básico, como no secundário e no superior. As empresas não sabem se devem investir, como e em que condições, nem se vale a pena programar produção para exportar, visto que se desconhece a evolução da economia nos mercados de destino.

O sector da saúde também está na expectativa, sem saber quando virá uma segunda vaga da pandemia ou se ela chegará mesmo. Os meios religiosos vão mantendo os serviços de forma condicional, mas sem saber por quanto tempo ou o que virá. No fundo, todos os sectores da economia e da sociedade estão pendentes do que vier a suceder nos tempos mais próximos, da banca aos seguros, da indústria à agricultura e pescas, da educação à saúde e às religiões, e em tudo quanto diz respeito às famílias e aos indivíduos.

Ora, sabemos que o talvez é normalmente mais difícil de gerir do que o sim ou o não, em termos emocionais. No final da década de 1920, Heisenberg formulou o chamado princípio da incerteza aplicado ao mundo subatómico, no âmbito da Mecânica Quântica. De acordo com esse princípio, não podemos determinar com precisão e simultaneamente a posição e o momento de uma partícula, não devido a qualquer dificuldade com o aparato utilizado nas medidas físicas de grandeza, mas sim pela própria natureza da matéria e da luz.

Pois bem, é mais ou menos assim que estamos. A incerteza permanecerá devido à acção humana face ao vírus, o que vai influenciar a contenção ou a multiplicação das cadeias de contágio, mas também a falta de vacina ou medicamento eficazes e comprovados.

É este princípio da incerteza que está a destruir a saúde mental das populações, quando se sabe que “a prevenção e a promoção da saúde psicológica e do bem-estar nas empresas pode reduzir as perdas de produtividade em pelo menos 30%, o que corresponde a uma poupança de mil milhões de euros por ano.” Ou seja, “três vezes mais que o despendido pelo Estado na Ponte Vasco da Gama”, estima a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP).

Para agravar ainda mais a situação, note-se que estes números ignoram a crise pandémica, considerando apenas o stresse, o burnout e outros problemas de saúde psicológica, que levam os trabalhadores a faltar até 6,2 dias por ano, segundo o Jornal de Negócios.

Recentemente uma equipa de psicólogos do King’s College, em Londres, correlacionou um conjunto de vinte e quatro estudos realizados no contexto de outros surtos, e cuja análise global permitirá eventualmente antecipar o comportamento da generalidade das pessoas no período pós-pandemia da covid-19. Apesar de ser impossível para já antecipar com segurança o impacto psicológico provocado pelas medidas de confinamento ou quarentena nas populações, até porque diferem de país para país, o consenso geral é que será dramático do ponto de vista da saúde mental.

No caso de um dos estudos, cerca de 54% dos inquiridos declararam que durante algumas semanas depois de terminada a quarentena ainda continuaram a evitar o contacto com pessoas com tosse ou espirros, 26% disseram evitar espaços fechados e movimentados e 21% todos os espaços públicos. Num outro estudo qualitativo os participantes apontaram alterações no seu comportamento a longo prazo, incluindo a frequente lavagem das mãos e o evitamento de multidões, sendo que, uma parte dos inquiridos afirmou que o regresso à normalidade demorou alguns meses. Mas são igualmente apontados indicadores de stresse pós-traumático.

Todavia a intolerância, agressividade e violência também parecem surgir como respostas emocionais espontâneas à situação. Talvez por isso é que andamos todos um bocado azedos.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

A sociedade e os idosos novidade

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos muito se tem falado dos que vivem em residências para idosos. Antes da covid-19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado.

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This