O princípio da incerteza

| 29 Jul 20

As pessoas andam inquietas, intolerantes e azedas, tanto nas redes sociais como nas relações humanas directas. Uma situação que denuncia um custo da presente pandemia dificilmente orçamentável.

 

Seria talvez expectável que em tempo de férias de Verão, as relações humanas se tornassem mais calorosas e empáticas, em nome da descompressão de um ano de trabalho e do clima mais favorável e consentâneo com o sol sem o qual os portugueses não sabem viver.

Mas não. A verdade é que as perturbações emocionais provocadas pela pandemia do coronavírus estão a vir à superfície, em especial pela fase pós-confinamento, mas sobretudo pelo efeito de cansaço provocado pelo prolongar dos surtos que dele derivam, e ainda pela incerteza com que a educação, a saúde e a economia se defrontam.

De facto, por enquanto ainda não se podem fazer planos concretos para nada, nem na vida empresarial, nem nas universidades, nem na vida pessoal e familiar (por exemplo, marcar férias e viagens com antecedência). Mesmo a governação dos países é feita à vista porque tudo é fluído.

Esta incerteza está a dar cabo da saúde mental dos indivíduos e a minar as relações interpessoais. São demasiadas dúvidas, receios, medos e surpresas para conseguir gerir sem perturbação. Alunos, famílias e professores não sabem como vão decorrer as aulas no próximo ano lectivo, tanto no ensino básico, como no secundário e no superior. As empresas não sabem se devem investir, como e em que condições, nem se vale a pena programar produção para exportar, visto que se desconhece a evolução da economia nos mercados de destino.

O sector da saúde também está na expectativa, sem saber quando virá uma segunda vaga da pandemia ou se ela chegará mesmo. Os meios religiosos vão mantendo os serviços de forma condicional, mas sem saber por quanto tempo ou o que virá. No fundo, todos os sectores da economia e da sociedade estão pendentes do que vier a suceder nos tempos mais próximos, da banca aos seguros, da indústria à agricultura e pescas, da educação à saúde e às religiões, e em tudo quanto diz respeito às famílias e aos indivíduos.

Ora, sabemos que o talvez é normalmente mais difícil de gerir do que o sim ou o não, em termos emocionais. No final da década de 1920, Heisenberg formulou o chamado princípio da incerteza aplicado ao mundo subatómico, no âmbito da Mecânica Quântica. De acordo com esse princípio, não podemos determinar com precisão e simultaneamente a posição e o momento de uma partícula, não devido a qualquer dificuldade com o aparato utilizado nas medidas físicas de grandeza, mas sim pela própria natureza da matéria e da luz.

Pois bem, é mais ou menos assim que estamos. A incerteza permanecerá devido à acção humana face ao vírus, o que vai influenciar a contenção ou a multiplicação das cadeias de contágio, mas também a falta de vacina ou medicamento eficazes e comprovados.

É este princípio da incerteza que está a destruir a saúde mental das populações, quando se sabe que “a prevenção e a promoção da saúde psicológica e do bem-estar nas empresas pode reduzir as perdas de produtividade em pelo menos 30%, o que corresponde a uma poupança de mil milhões de euros por ano.” Ou seja, “três vezes mais que o despendido pelo Estado na Ponte Vasco da Gama”, estima a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP).

Para agravar ainda mais a situação, note-se que estes números ignoram a crise pandémica, considerando apenas o stresse, o burnout e outros problemas de saúde psicológica, que levam os trabalhadores a faltar até 6,2 dias por ano, segundo o Jornal de Negócios.

Recentemente uma equipa de psicólogos do King’s College, em Londres, correlacionou um conjunto de vinte e quatro estudos realizados no contexto de outros surtos, e cuja análise global permitirá eventualmente antecipar o comportamento da generalidade das pessoas no período pós-pandemia da covid-19. Apesar de ser impossível para já antecipar com segurança o impacto psicológico provocado pelas medidas de confinamento ou quarentena nas populações, até porque diferem de país para país, o consenso geral é que será dramático do ponto de vista da saúde mental.

No caso de um dos estudos, cerca de 54% dos inquiridos declararam que durante algumas semanas depois de terminada a quarentena ainda continuaram a evitar o contacto com pessoas com tosse ou espirros, 26% disseram evitar espaços fechados e movimentados e 21% todos os espaços públicos. Num outro estudo qualitativo os participantes apontaram alterações no seu comportamento a longo prazo, incluindo a frequente lavagem das mãos e o evitamento de multidões, sendo que, uma parte dos inquiridos afirmou que o regresso à normalidade demorou alguns meses. Mas são igualmente apontados indicadores de stresse pós-traumático.

Todavia a intolerância, agressividade e violência também parecem surgir como respostas emocionais espontâneas à situação. Talvez por isso é que andamos todos um bocado azedos.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Artigos relacionados

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Reino Unido: Líderes católicos condenam cortes na ajuda ao desenvolvimento

A hierarquia da Igreja Católica britânica condenou veementemente a decisão anunciada esta semana pelo ministro das Finanças do Reino Unido, Rishi Sunak, de reduzir a ajuda ao desenvolvimento em 2021 para 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) contra os habituais 0,7%, o que significa um valor de cerca de 10 mil milhões de libras (cerca de 11 mil milhões de euros), contra os 15 mil milhões de libras de anos anteriores.

Exéquias de frei Armindo Carvalho, ex-provincial dos Franciscanos

Decorreram nesta quarta-feira, no Seminário da Luz, em Lisboa, as cerimónias exequiais de frei Armindo de Jesus Ferreira Carvalho, ex-ministro provincial dos franciscanos (Ordem dos Frades Menores). A celebração foi presidida pelo patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Atenção aos pobres, pedem os bispos numa nota de preparação do Natal

Num texto de duas páginas e de estilo diferente do habitual – menos formal, com menos linguagem eclesiástica –, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) divulgou nesta terça-feira, 24, uma mensagem para o Advento, tempo de preparação para o Natal que se inicia no próximo domingo.

Um consistório virtual para os novos cardeais

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Espanha: Fiéis exigem que bispo de Cádiz-Ceuta seja investigado por suspeitas de má gestão

A Plataforma pró-justiça na diocese de Cádiz enviou esta semana uma carta ao núncio espanhol, Bernardito Auza, denunciando que o bispo de Cádiz-Ceuta, Rafael Zornoza, “realiza atividades económicas e patrimoniais que causam profundo mal-estar e escândalo na população, além de serem de legalidade duvidosa”. Assinada por mais de 300 fiéis, a missiva dirige-se também ao Papa, e nela se exige “uma completa e profunda investigação-auditoria à gestão do bispo”.

Colaboradora da Cáritas entre as 100 mulheres mais influentes do mundo

A cadeia noticiosa britânica BBC divulgou esta semana a lista das “100 mulheres mais inspiradoras e influentes de todo o mundo em 2020”. Entre elas, e lado a lado com personalidades como a atriz norte-americana Jane Fonda ou a primeira-ministra da Finlândia Sanna Marin, está Susana Raffalli, uma colaboradora da Cáritas Venezuela. Médica nutricionista, Raffali é a responsável pelo sistema de monitorização da alimentação infantil no país enquanto este atravessa uma crise humanitária sem precedentes, e que já salvou da morte milhares de crianças.

Aristides de Sousa Mendes homenageado na Argentina

O Seminário Rabínico Latino-Americano e a Embaixada de Portugal na Argentina estão a promover uma Cátedra de Estudos Judeo-Portugueses, de homenagem a Aristides de Sousa Mendes, o primeiro dos quatro “Justo entre as Nações” portugueses.

Estado de Nova Iorque processa diocese de Buffalo por encobrimento de abusos sexuais

A procuradora-geral do estado de Nova Iorque, Letitia James, processou esta segunda-feira a diocese de Buffalo e dois dos seus antigos bispos, por terem encoberto mais de 20 padres acusados de cometer abusos sexuais e permitido que os mesmos se reformassem ou fossem transferidos, em vez de terem seguido os procedimentos definidos pela Igreja Católica para estes casos, que os teriam levado a um possível abandono do sacerdócio.

Entre margens

O sonho de Mohamed Zakaria, morto por um camião quando fugia da polícia em Calais novidade

O mundo chora mais uma morte de um refugiado, uma morte sem sentido, uma morte não necessária, apenas porque os países de acolhimento não garantem passagens seguras para a Europa e, neste caso, dentro da própria Europa.
Esta é a carta escrita pelos amigos de um jovem que partiu para Deus e que estão na mesma situação em que ele se encontrava: na fronteira em Calais (França), esperando a oportunidade de passar, através do Canal da Mancha (em barcos ou camiões), para o Reino Unido, para aí pedirem asilo.

Valha-me o bom samaritano novidade

A idolatria da juventude leva os mais velhos a dizer coisas como “já não tenho idade para mais”. O referido palestrante ridiculariza esta desculpa. Eu vou tendo idade para fazer as coisas com mais experiência e conhecimento – e, portanto, com mais criatividade.
Aproveito ainda não ter lido a carta de Francisco Samaritanus bonus para exemplificar sentimentos e razões que podem nascer das referências e comentários nos meios de comunicação – como no 7MARGENS.

A Ilha da Verdade no Oceano da Desinformação

Quando vejo quanto tempo as pessoas dedicam aos seus ecrãs, dentro e fora de casa, mais ainda em tempo de pandemia onde andamos todos feitos zoomies, isto é, mortos-vivos de zoom em zoom, fico a pensar que não nos podemos queixar de não ter sido avisados. O que procuramos com todo este dinamismo digital? Que valor tem a conectividade permanente para uma vida plena e profunda? Sabemos ainda o que alimenta uma vida profunda?

Cultura e artes

Não podemos ignorar novidade

Há muitas razões que tornam este pequeno livro maior do que a sua dimensão física. A bibliografia sobre a luta antifascista é já extensa, mas este ensaio é diferente. Ao fazer a história da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos (CNSPP) nos seus cinco anos de existência (1969-1974), Edgar Silva escolhe retratar a sociedade portuguesa daquele período a partir do conceito de medo.

“Vimos do mar e da montanha”, um disco contemporâneo apresentado sábado, 28, em Lisboa

Vimos do Mar e da Montanha é o título do projecto discográfico que será apresentado neste sábado, 28 de Novembro, às 11h, na Igreja de São Tomás de Aquino (Lisboa). Com edição da Paulus Editora, o disco tem música de Alfredo Teixeira e João Andrade Nunes, e textos de José Augusto Mourão e do Missal Romano, sendo interpretado pelo Ensemble São Tomás de Aquino.

Descoberto esboço de retrato de Jesus atribuído a Leonardo da Vinci

Um equipa de investigadores italianos encontrou recentemente, numa coleção privada na região da Lombardia, o esboço de um retrato de Jesus Cristo que acreditam ser da autoria de Leonardo da Vinci. O desenho, feito a giz vermelho – técnica que era frequentemente utilizada pelo pintor renascentista – tem semelhanças com algumas das suas obras mais emblemáticas, nomeadamente “Mona Lisa” e os seus autorretratos, revelou o jornal britânico The Telegraph.

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Sete Partidas

Ídolo novidade

Não sei quem escreveu o livro do Levítico, e gostava de saber, para lhe deitar as culpas retroactivas do fundamentalismo que se abateu sobre vastas áreas da Europa no século XVI, e que levou simpáticos cristãos a destruir inúmeros objectos de arte sacra porque viam neles uma blasfémia.

Aquele que habita os céus sorri

estamos perto

breve comentário aos textos bíblicos lidos em comunidade | Domingo I Advento B | Lisboa, 28 de Novembro de 2020.
António Pedro Monteiro

Agenda

Parceiros

Fale connosco