As questões “ambientais, económicas e éticas” do desperdício alimentar

| 13 Dez 18 | Cultura e artes, Literatura e Poesia

 
É possível que o livro Desperdício alimentar, de Iva Pires, professora da Universidade de Lisboa, não seja para muitos um livro oportuno para a quadra natalícia. Os que pouco se apoquentam em multiplicar o esbanjamento de comida nesta altura do ano acharão, com certeza, impertinente a ocasião escolhida para ouvir falar do tema.
Os que se encontram no lote de perdulários são, aliás, abundantes. A autora chama a atenção para a circunstância de não passar um dia sem vermos comida em perfeitas condições para consumo depositada no lixo: “Estima-se que cada português desperdice 100 quilos de alimentos por ano. Responda honestamente: qual foi o último alimento que pôs no lixo – e porquê?”
Em Desperdício alimentar, Iva Pires pede mais acção para lutar contra o que é tanto mais grave quanto se sabe que, no mundo, anualmente, ao mesmo tempo que se estragam 1,3 mil milhões de toneladas de alimentos, há 805 milhões de pessoas a padecer de subnutrição ou a viver numa situação de insegurança alimentar.
O livro começa com um exemplo simples: “Se em minha casa se estragar uma laranja numa semana, porque se compraram demasiadas e uma acabou por apodrecer, tendo em conta que somos 4 043 726 famílias em Portugal (em 2016, segundo a Pordata) e que uma laranja pesa em média 80 gramas, nessa semana deitaram-se para o lixo em Portugal 323 toneladas de laranjas, e por ano 16 800 toneladas”. Iva Pires calcula que isto se traduz num desperdício de 25 200 euros. Depois, sugere: “Façamos o mesmo exercício incluindo maçãs, peras, pão, alfaces ou iogurtes que, semanalmente e por razões variadas, acabam no lixo”. A dúvida colocada no fim do livro é pertinente: “Já pensaram o que representaria para a redução do desperdício alimentar em Portugal se todas as quatro milhões de famílias dessem um pequeno contributo?”
O desperdício alimentar, como Iva Pires explica, é “um problema grave, que convoca questões ambientais, económicas e éticas”. Como alternativa “à economia linear de ‘extração-produção-deitar fora’”, a autora propõe a “economia circular”, que prolonga a vida dos recursos, “recuperando-os e reciclando-os”. Entre os modos de não estragar, há os apurados num inquérito citado por Iva Pires: os consumidores podem reduzir o desperdício tomando decisões mais reflectidas ao fazer compras; planeando as refeições; reaproveitando as sobras em vez de as deitar fora (embora isso não seja referido, o que nos sobeja quando vamos aos restaurantes também merece ser reutilizado); usando melhor o congelador, nele armazenando alimentos em excesso para os utilizar mais tarde; reclamando embalagens mais pequenas às cadeias de distribuição.
Sobre o combate ao esbanjamento, empreendido por Organizações Não-Governamentais (ONG) e movimentos da sociedade civil, como os Bancos Alimentares contra a Fome, a Re-food ou a Dariacordar/Movimento Zero Desperdício, dá também conta o livro, referindo os benefícios da recuperação de alimentos ainda em condições de consumo para doação: alimentos não cozinhados que se aproximam do fim do prazo de validade e não foram vendidos ou refeições preparadas que não foram servidas em cantinas ou restaurantes.
Outro género de iniciativas é promovido lá fora. Em Copenhaga, na Dinamarca, o supermercado WeFood, gerido por uma ONG, vende apenas produtos que, sendo adequados e seguros para consumo, ultrapassaram o prazo de consumo preferencial, têm rótulos incorrectos ou embalagens danificadas. Em Portugal, também há exemplos idênticos. É o caso da Cooperativa Fruta Feia, com 145 produtores parceiros, que lançou a campanha “Gente bonita come fruta feia” para criar um mercado alternativo para as frutas e as hortaliças que as grandes superfícies comerciais não vendem por serem “feias”.
Perceber que o desperdício alimentar é um problema grave é já um bom ponto de partida para o começar a resolver.
 
 

Breves

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Cultura e artes

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Como a luz de Lisboa fez a foto de Greta na capa da “Time”

Greta Thunberg, a jovem activista sueca que tem mobilizado milhões de pessoas em todo o mundo contra as alterações climáticas, foi a personalidade do ano escolhida pela Time. À notícia, conhecida nesta quarta-feira, 11 de Dezembro, acrescenta-se o pormenor de que a foto da capa, realizada pela russa Evgenia Arbugaeva, foi feita na costa atlântica entre Lisboa e Cascais.

Sophia lida pelos mais novos (5) – A Árvore

Uma árvore de que as pessoas gostam, que se transforma em sombra demasiada, que é cortada e partilhada, que se transforma em memória e cantiga, num barco grande ou em cerejeiras… A Árvore, um dos contos infantis de Sophia de Mello Breyner, é hoje aqui recontada com textos e ilustrações de alunos do 4º ano, turma C, da Escola Básica Bom Pastor (Porto). 

Pessoas

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

Abiy Ahmed Ali, o Nobel da Paz para um cristão pentecostal

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, receberá nesta terça-feira o Nobel da Paz de 2019, numa cerimónia em Oslo. O Comité Nobel não o disse, mas várias das atitudes e propostas do mais jovem líder da África, com 43 anos, radicam na sua fé cristã de matriz pentecostal.

Sete Partidas

Dos imigrantes europeus ao P. Joaquim Alves Correia, uma universidade nos EUA

A história desta Universidade americana faz-nos recuar ao fim do século XIX. Nada melhor que percorrer o seu vastíssimo campus para saber quando tudo começou. Uma enorme placa à entrada da Reitoria explica que foi fundada pelos Missionários do Espírito Santo em 1878, incorporada no Pittsburg Catholic College em 1882 e chamada ‘Duquesne University’ em 1911. A poucos metros, mesmo na entrada da Igreja da Universidade, está a estátua do seu fundador: o padre Joseph Strub, missionário alemão.

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
16
Seg
Cristianismo e islão: as possibilidades do diálogo – Conversa com o padre Joaquim Cerqueira Gonçalves, OFM @ Biblioteca Vítor de Sá (Sala Bib.2.7) - Universidade Lusófona
Dez 16@18:00_19:30

Encontro a pretexto dos 800 anos do encontro entre São Francisco de Assis e o Sultão Al-Kamil (1219-2019)

Dez
18
Qua
Inauguração do Memorial evocativo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com azulejos de Menez @ Estação Marítima de Belém
Dez 18@12:00_13:00
Jan
3
Sex
Conferência sobre frei Agostinho da Cruz (1540 – 1619), pelo cardeal José Tolentino Mendonça @ Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal
Jan 3@16:30_17:30

Ver todas as datas

Entre margens

Porque quererá alguém estudar teologia?

O livro que estamos aqui a apresentar comemora os 50 anos de uma Faculdade de Teologia, e da única que existe em Portugal. Quando li o livro achei que era uma óptima oportunidade para tornar explícitas várias perguntas. São perguntas que me parecem importantes, nomeadamente: para que serve estudar teologia? E, o que é exactamente estudar teologia? Não é preciso ser-se professor de teologia para achar estas perguntas difíceis, e aproveitar e agradecer a oportunidade de lhes tentar responder em público.

O terror nazi: “Todos devem saber tudo”

Uma notícia que li esta semana no Der Spiegel descreve cenas de puro horror. Mas o mundo não pode esquecer o que aconteceu há 75 anos num dos países mais evoluídos do mundo. Temos de saber, temos de estar bem conscientes daquilo de que podemos ser capazes quando atribuímos a pessoas de certos grupos categorias que lhes sonegam a dignidade dos humanos.

Teocracia? Não, obrigado!

Ainda estamos a tempo de aprender que nenhuma teocracia é melhor do que a outra. Não importa se é islâmica, judaica, cristã ou outra qualquer. Definitivamente, não.

Fale connosco