O quarto de brinquedos que é espelho do mundo

| 26 Set 19

24 anos depois, quando parecia que estava ‘tudo dito’, eis um filme que “chuta para canto a quase totalidade dos filmes ditos para adultos que Hollywood quer fazer passar como cinema hoje em dia.” (Jorge Mourinha)

Desta vez, para além de todos os ‘antigos’, aparece um genial Forky, que se recusa a ser brinquedo, e o xerife Woody vai passar das suas para conseguir que ele se integre no grupo. E é nesta ‘luta’ para não deixar que Forky, o novo brinquedo favorito de Bonnie, fuja, que Woody vai reencontrar a sua antiga paixão: Bo Peep, que vive agora num parque de diversões como um brinquedo perdido. É aí que vai passar-se uma grande parte das aventuras. Aí e numa loja de antiguidades onde aparecem ‘os maus da fita’: Gabby Gabby, uma boneca estragada, que nunca saiu da caixa e que luta pela sua oportunidade de ser amada, e os seus assustadores guarda-costas.

Mas Toy Story/4 é uma metáfora da Humanidade que vale a pena ver devagar. Foram vários os críticos que não tiveram pudor em enunciar todas as lições de vida que tinham aprendido com este(s) filme(s). Um filme pode sempre ser olhado de vários ângulos e perspectivas. E cada um dos brinquedos encerra medos e virtudes, sonhos e pesadelos como qualquer humano. Talvez pudéssemos aprender alguma coisa com eles. É só uma questão de não ter medo de chorar.

Eis então algumas das lições que ‘pirateei’:

Não julgar pelas aparências: cada brinquedo é sempre mais do que aquilo que parece e esconde sempre uma história que é bom conhecer.

A união torna-nos mais fortes: é dando as mãos e cooperando, cada um com as suas habilidades, que se vencem as adversidades.

É sempre uma questão de ponto de vista: o que importa é ter consciência do nosso e aprender com o dos outros.

É mesmo importante esquecer os rótulos: o decisivo é descobrir o que está dentro.

Todos devem ter uma segunda oportunidade: o melhor é não deitar fora à primeira.

Temos de enfrentar os nossos medos, que nos paralisam: só assim chegaremos mais longe.

É fundamental aceitar que mudámos, que as coisas mudam e não ter medo disso: novas aventuras se seguirão.

Toy Story/4 faz-nos descobrir o que fazem os brinquedos na nossa ausência, quando não estamos a brincar com eles. E o que é que descobrimos? Mais algumas lições: a rivalidade que, afinal, é uma força que nos faz ir mais longe; a ambição que nos faz sonhar e planear coisas e subir mais alto; a fidelidade que continua a ser um valor; a amizade que atravessa todo(s) o(s) filme(s) e é um tesouro que nos guarda a vida.

Toy Story/4 está portanto muito longe de ser ‘apenas um filme de bonecos’. Creio que é uma história de redenção.

Toy Story 4, de Josh Cooley; Animação/Comédia, M/3, EUA, 2019.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar); o texto foi inicialmente publicado na revista Mensageiro de Santo António, de Setembro de 2019.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?” novidade

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco