O que aconteceu ao ser humano?

| 17 Mar 2022

Jesus foi morto por fazer o bem a todos. Repodução: Edvard Munch, Public domain, via Wikimedia Commons.

Jesus foi morto por fazer o bem a todos. Reprodução: Edvard Munch, Public domain, via Wikimedia Commons.

 

Dois casos relativamente recentes provocaram indignação e revolta em muita gente. O primeiro foi o episódio de um conhecido fotógrafo suíço, René Robert, de 86 anos, que caiu inanimado numa rua do centro de Paris, cerca das 21h30, vítima de ataque cardíaco e durante nove longas horas ficou no chão, numa artéria movimentada mas sem que alguém o ajudasse. Morreu de hipotermia com temperaturas a rondar os zero graus.

Quem deu o alerta no dia seguinte foi um sem-abrigo. Alguém escreveu que foi “assassinado pela indiferença”. O segundo foi o caso do primeiro-ministro inglês, acusado de ter permitido resgatar do Afeganistão 200 cães e gatos, mas deixado pessoas para morrer, que eram colaboradores do exército britânico, escolhendo assim salvar vidas de animais em vez de seres humanos.

O que é que nos aconteceu? Porquê esta indiferença? A Bíblia chama-lhe “pecado”. Pecado é tudo o que “erra o alvo”. Mas vamos tentar compreender melhor o que aconteceu. O texto bíblico do evangelista Mateus (12:1-14) conta que Jesus passou com os discípulos pelas searas num sábado, e estes, tendo fome, começaram a colher espigas e a comer, o que desagradou aos fariseus, os quais consideraram tal acto uma transgressão da lei de Moisés.

Com base nisso o Mestre da Galileia explicou-lhes que a tradição e os preceitos religiosos não podem ser considerados mais importantes do que a satisfação das necessidades prementes das pessoas. O episódio seguinte que Mateus descreve, a cura dum homem com a mão mirrada em plena sinagoga confirmou a ideia e enfureceu os religiosos que começaram a planear matar Jesus.

Há factores que ajudam a explicar esta indiferença pelas necessidades e dores do próximo que caracteriza a humanidade.

O formalismo moral substituiu a misericórdia. Como se vê pode promover a fome (caso das espigas), e pode até impedir o alívio do sofrimento alheio (cura no sábado): “Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes” (v7). Estamos nós a negar misericórdia em nome duma determinada moralidade?

A religiosidade substituiu o amor ao próximo. A religiosidade pode promover a indiferença e contribuir para provocar a morte. Veja-se a estória do bom samaritano, onde o sacerdote e o levita não arriscaram salvar a vida daquele homem ensanguentado para não se tornarem cerimonialmente impuros e portanto impedidos de ministrar no templo de Jerusalém. Estamos nós a substituir o amor por preceitos religiosos?

A indiferença substituiu o cuidado pelo outro. A indiferença despreza as Escrituras: “Ele, porém, lhes disse: Não tendes lido o que fez Davi, quando teve fome, ele e os que com ele estavam? Como entrou na casa de Deus, e comeu os pães da proposição, que não lhe era lícito comer, nem aos que com ele estavam, mas só aos sacerdotes?” (v3-5). A indiferença despreza o valor do outro: “Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha?” (v12a), como no caso supracitado do Afeganistão, e pode mesmo matar (caso de Paris). Estamos nós a ser indiferentes ao cuidado pelo outro, à semelhança de Caim? (“sou eu guardador do meu irmão?”, Génesis 4:9).

O individualismo substituiu o interesse da comunidade. O individualismo gera egoísmo, como na teoria do darwinismo social (sobrevivem os que melhor se adaptam na sociedade). Estamos nós a agir com egoísmo? S. Paulo diz que o amor “não busca os seus interesses” (I Coríntios 13:5b).

O populismo político e religioso substituiu a compaixão. O populismo destrói a empatia para com os mais fracos e as minorias (normalmente mais vulneráveis). O populismo (de direita ou de esquerda) vira uns contra os outros e quer impor a toda a sociedade, à força, um conjunto de princípios éticos particulares. Estamos nós a sacrificar a compaixão em nome duma ideologia, seja ela política ou religiosa?

É sempre tempo e momento para fazer o bem: “É lícito fazer bem nos sábados. Então disse àquele homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e ficou sã como a outra” (v12-13).

Depois de tudo fazer o bem ainda pode prejudicar o benfeitor: “E os fariseus, tendo saído, formaram conselho contra ele, para o matarem” (v14). Jesus foi morto por fazer o bem a todos…

Os cristãos não se podem conformar com a decadência moral do ser humano. Têm que brilhar e fazer as obras de Jesus.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum.

 

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém

Via Sacra ecuménica

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém novidade

A guerra em Israel prossegue e o sentimento de insegurança em Jerusalém cresce. Ainda assim, ou talvez por isso mesmo, a tradicional Via Sacra que ali se realiza anualmente por ocasião da segunda semana da Quaresma não foi cancelada. Na passada sexta-feira, 23 de fevereiro, mais de mil crianças e jovens que frequentam as escolas cristãs da cidade, acompanhados de inúmeros familiares e professores, percorreram as ruas de lenços brancos na mão, pedindo a paz para todo o mundo, e em particular para a Terra Santa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

A propósito das eleições…

A propósito das eleições… novidade

Uma das coisas boas que a revolução de 1974 nos trouxe foi a possibilidade de escolhermos os nossos representantes políticos. Para a geração dos meus pais, a revolução foi um momento intenso. Finalmente chegara a liberdade. Começaram a participar activamente na vida política, viram o fim da guerra colonial e uma descolonização tumultuosa, assistiam com interesse a debates políticos na TV, debatiam ideologias e as propostas de diferentes partidos políticos. [Texto de Marco Oliveira]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This