“O que diz o Espírito às igrejas”

| 17 Set 2022

Casa da Torre (Soutelo, Braga), dos jesuítas. Foto © Companhia de Jesus.

 

Há cerca de 1800 anos que uma hierarquia eclesiástica (clerical), assumindo, por si e para si, o poder da sucessão apostólica, dividiu os cristãos em dois estatutos: clérigos e leigos. Ordenando-se por uma sacralização sacerdotal, como clérigos, tornaram-se os detentores e administradores do poder sagrado, administradores do “sacramento” e da graça, únicos intérpretes autorizados da palavra de Deus, pastores de um rebanho em risco de se tresmalhar. Os demais cristãos, como leigos, para não se tresmalharem do rebanho eclesiástico, terão de ser dóceis a tais pastores, recetores do “sacramento” que só estes administram, e passivos ouvintes da palavra de Deus e do sentido que os pastores lhe dão, interpretada por sábias teologias.

Só passados cerca de 1800 anos, os cristãos leigos, muito ou pouco dóceis ao poder clerical, foram, pela primeira vez, solicitados pela hierarquia clerical a pronunciar-se sobre o que entendiam, desejavam e esperavam do “caminho” cristão da Igreja. Só agora a hierarquia eclesiástica entendeu que, para o seu sínodo (clerical), o Espírito Santo poderia querer dizer-lhe alguma coisa pela voz dos leigos. Antes, pressupunha-se que o Espírito Santo só chegaria à Igreja por mediação clerical.

No entanto o Espírito Santo já se havia manifestado, claramente, desde o início das igrejas:

1 – “Pedro ainda estava a falar, quando o Espírito Santo desceu sobre todos os que ouviam a palavra. Os fiéis de origem judaica, que tinham ido com Pedro, ficaram admirados por o dom do Espírito Santo também ser derramado sobre os pagãos.” Depois Pedro constatou que “estas pessoas receberam o Espírito Santo da mesma forma que nós recebemos”, mesmo sem serem batizados (ac.10,44-47). Pedro já havia verificado e dito: “De facto, agora compreendo que Deus não faz diferença entre as pessoas, pelo contrário, ele aceita quem o teme e pratica a justiça, seja qual for a nação a que pertença” (Actos dos Apóstolos 10, 34-36).

Isto aconteceu em Cesareia, quando Pedro foi chamado pelo pagão centurião Cornélio, a quem não devia atender, porque, como lhe explicou: “Sabeis que é proibido a um judeu relacionar-se com um estrangeiro ou entrar em sua casa. Deus, porém, mostrou-me que não se deve dizer que homem algum é profano ou impuro.” (Act. 10, 28). A Pedro repugnava-lhe desobedecer a uma lei discriminatória, mas o espírito fez-lhe compreender que a dicotomia sagrado/profano não tem lugar em qualquer dos seres humanos, porque para Deus essa diferença não existe.

Já antes o mesmo Pedro repetira a profecia de Joel: “Eu derramarei o meu espírito sobre todas as pessoas; os vossos filhos e filhas vão profetizar, os jovens terão visões e os anciãos terão sonhos” (Act 2,17).

2 – “Tende uma só aspiração, um só amor, uma só alma e um só pensamento… os mesmos sentimentos que havia em Jesus Cristo: ele tinha a condição divina, mas não se apegou à sua igualdade com Deus, pelo contrário, esvaziou-se de si mesmo, assumindo a condição de servo e tornando-se semelhante aos homens, assim, apresentando-se como simples homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até à morte” (Filipenses 2, 2-9).

O apóstolo Pedro, ao ser venerado de joelhos pelo centurião Cornélio, foi claro: “Levanta-te, eu também sou apenas um homem” (Act. 10, 26). Pedro não se sacralizou. Fundadas sobre a rocha de Pedro, as igrejas teriam de falar como Pedro.

Jesus dessacralizou-se, mas as hierarquias eclesiásticas, desde finais do primeiro século iniciaram o caminho inverso ao de Jesus, de simples homens foram-se alcandorando a uma sacralização e sacerdotalização que não encontra nenhum fundamento na prática dos apóstolos, nem na prática dos que eles deixaram como presidentes das comunidades que fundavam, e que não consta dos carismas descritos pelo apóstolo Paulo, e que ele mesmo, Paulo, nunca assumiu. Paulo deixava as comunidades desenvolverem-se por si mesmas e ia testemunhar, fundando outras.

Será credível que o Espírito Santo (de Jesus) tenha mudado de “espírito”?

3 – Quando os mais íntimos dos apóstolos disputavam lugares privilegiados no reino, Jesus disse como seria o seu poder: “Sabeis como aqueles que se dizem governadores das nações têm poder sobre elas, e os seus dirigentes exercem sobre elas a sua autoridade, mas entre vós não deverá ser assim… o filho do homem não veio para ser servido, ele veio para servir e para dar a sua vida” (Marcos 10, 42-45).

Como se justificarão as estruturas eclesiásticas (clericais) moldadas pelos sistemas administrativos, políticos e militares, quando o espírito de Jesus era converter, comunitariamente, esse tipo de estruturas (dominadoras) mundanas?

4 – Quando Jesus condenava os comportamentos farisaicos, manifestando-se até nas vestes, com “faixas largas… longas franjas”, que “gostam dos lugares de honra nos banquetes e dos primeiros lugares nas sinagogas, gostam de ser cumprimentados nas praças públicas e que as pessoas lhes chamem mestres. Quanto a vós nunca vos deixeis tratar por mestre. Pois um só é o vosso mestre, e todos sois irmãos. Na terra não chameis ‘padre’ a ninguém, pois um só é o vosso pai» (Mateus 23, 5-10).

As sábias teologias e a tentação de poder e de prestígio não se terão sobreposto à aprendizagem simples e mútua dos comportamentos de conversão evangélica, que o Espírito sopra, sem fazer diferença entre as pessoas?

 

José Veiga Torres, nascido e batizado na paróquia de Santa Maria Maior, da cidade de Viana do Castelo, a 30 de Agosto de 1930, reside em Coimbra. Contacto: joseveigatorres@sapo.pt

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This