O que não está, mas brilha

| 18 Mar 2023

“Há alguns dias, fui incitada a dizer o que era, para mim, a Páscoa. Nessa esmagadora, ou talvez libertadora, impossibilidade, posso saber que apenas vou crendo nela, quando me debruço no parapeito do vivido e sigo, caindo no que não está, mas brilha.” Foto © Ydlabs / Freepik

 

Há alguns anos, numa mesa de café, uma mulher contou-me uma história. A sua infância acontecera numa casa muito pobre, iluminada apenas por brasas numa lata, num chão de terra. Era sobre estas que, com o dedo, desenhava, e as cores-fogo surgiam na escuridão que rouba as coisas de lugar.

Descreveu-me aquele ritual de criança, a dança quente entre a vida a preto e branco, como um fio de luz ao fundo que nos parece chamar, uma “possibilidade de saída feliz, aquele caminho”, que durante toda a vida procuramos.

Porém, um dia desequilibrou-se dentro desse encantamento e caiu. O seu rosto ficou queimado e as suas pestanas demoraram a despertar. Os seus olhos fecharam-se durante meses, como num tempo suspenso e silencioso, como a terra depois de um incêndio.

Lembro-me de me despedir dela e de descer a Estrela para ir trabalhar, apontando o que me disse. A mulher que caiu dentro de uma promessa de imagens, com três anos de vida, descobriu-se, mais tarde, fotógrafa e artista plástica. Penso, então, nesse episódio como uma espécie de profecia, uma profecia por um triz, porque à beira do desastre. Pela fotografia, mover-se-ia pela vontade de ser testemunha, guardar vestígios do vivo, inacabar, resistir ao que se apaga para sempre.

Este encontro abriu-me uma fissura, a partir da qual pude experimentar aquele consolo que o sentido nos entrega. Ela deu-me a ver o pressentimento que me acontece quando o Sol se põe, o de que há algo que se religa no que se acende e que todo o dia esperou. Os corpos nascem com essa promessa que antecede toda a ruína e que, pela inquietação, pela esperança, resiste nesta, apesar de. Trata-se de uma misteriosa confiança originária de que somos criadas para a Alegria.

Há alguns dias, fui incitada a dizer o que era, para mim, a Páscoa. Nessa esmagadora, ou talvez libertadora, impossibilidade, posso saber que apenas vou crendo nela, quando me debruço no parapeito do vivido e sigo, caindo no que não está, mas brilha.

 

Raquel Luiz descreve-se como feminista e anticapitalista. É formada em Ciências da Comunicação e Estudos Portugueses. Neste momento, trabalha na área da Educação. Pertence ao movimento Sopro e ao Laboratório de Teatro e Política. 

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This