O que o 7MARGENS deve a Vicente Jorge Silva

| 8 Set 2020

Vicente Jorge Silva: um jornalismo moderno, ao nível dos melhores do mundo, não poderia prescindir da informação religiosa.  Foto © Alfredo Cunha, cedida pelo autor.

 

Não fosse Vicente Jorge Silva e o Público não existiria. Provavelmente também o 7MARGENS não teria surgido. Esta experiência pequena, débil e frágil deve muito à mestria, argúcia, inteligência e contemporaneidade do olhar que aprendemos com Vicente Jorge Silva, que morreu na madrugada desta terça-feira, em Lisboa.

Certo que o Vicente – assim o tratávamos, entre camaradas de profissão e redacção – também tentou voos enquanto cineasta e fotógrafo (há poucos anos, mostrou várias e belas fotos funchalenses em Lisboa) e fez ainda uma breve incursão na política, como deputado pelo PS. Mas foi pelo seu percurso no jornalismo que muitos ficaram marcados por ele. Nascido no Funchal a 8 de Novembro de 1945, cresceu no estúdio fotográfico da família, o Atelier Vicente’s (hoje Museu de Fotografia da Madeira), fundado pelo bisavô Vicente Gomes da Silva em 1846, continuado pelo avô Vicente Júnior, e pelo pai e tio, Jorge Bettencourt e Vicente Bettencourt, como recorda o Público.

Depois de uma breve passagem por Paris e Londres, Vicente voltaria ao Funchal em 1966, entrando com um pequeno grupo na aventura de refundar o Comércio do Funchal, tinha então 21 anos. Depois do 25 de Abril de 1974, mudou-se para Lisboa, integrando a redacção do Expresso. Aqui chegaria a chefe de redacção e director-adjunto. Mas foi a recriação que fez da Revista, em 1981, como produto autónomo do jornal, e nela publicando grandes textos sobre cultura, actualidade internacional ou sociedade, que provocou o primeiro grande sobressalto na forma de fazer jornalismo em Portugal. Nessa altura, com sete anos de democracia, o jornalismo português ainda não perdera muitos dos atavismos que o tolhiam no cinzentismo e na subserviência ao poder – aos poderes, quaisquer que eles fossem.

Na Revista, trabalhei algumas vezes com o Vicente, e não esqueço um “puxão de orelhas” que me deu por causa de um erro básico que eu, ainda a entrar na profissão, cometera num texto. Mas imediatamente incentivou a que continuasse a sugerir outros temas, textos, trabalhos…

O segundo agitar de águas foi com o Público, fundado em 1989 e cujo primeiro número veio para a rua a 5 de Março de 1990. Ele e o Jorge Wemans convidaram-me para a redacção que iria lançar o jornal, na consideração de que um jornalismo que se pretendia novo, moderno, ao nível dos melhores do mundo, não poderia prescindir da informação religiosa. Já então o Vicente percebia que é impossível entender muitos dos acontecimentos do mundo contemporâneo sem dar conta dos fenómenos religiosos que frequentemente os explicam e provocam.

Pressenti que era imenso o desafio, mas a atenção crítica do Vicente à cultura, à política, à economia e à sociedade, incluía a questão religiosa. O modo como ele ligava com tanta inteligência acontecimentos aparentemente sem relação uns com os outros era brilhante – e acontecia também quando o tema tocava o religioso e a fé.

O seu rasgo criativo, mesmo distante do universo crente e católico, permitiu ter com ele algumas conversas estimulantes, bebendo muitas formas de abordagem dos trabalhos ou do entendimento das pessoas, logo desde a primeira reunião que tivemos, meses antes de o Público aparecer. Tenho presente a forma como ele, quando eu hesitava sobre o título para um trabalho que eu escrevera sobre o II Concílio do Vaticano, se saiu com a solução, logo depois de o ler: “Quando a Igreja desceu à Terra”! Ou como, distante da instituição, observava com argúcia o xadrez, a personalidade e os modos de agir de vários responsáveis, por vezes abrindo-me os olhos para leituras que eu não via e, outras, vindo com humildade conversar comigo sobre algum editorial que tocava a questão religiosa. Um gesto que, a alguém que inicialmente olhava para ele quase com um respeito reverente, dizia muito sobre a sua personalidade, no fim amiga, confiante e próxima.

A memória que hoje, 8 de Setembro de 2020, Portugal e o jornalismo português fazemos sobre Vicente Jorge Silva não ficaria completa sem este detalhe. E os detalhes são aquilo que faz a diferença nas personalidades que marcam uma época e um estilo.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This