O que pensar da meritocracia?

| 22 Fev 21

“Essa consciência de humildade e gratidão, contra a ilusão da auto-suficiência e contra a divisão entre vencedores e vencidos”. (Foto © Aarón Blanco Tejedor / Unsplash Commons)

 

São hoje correntes as alusões à meritocracia como algo de positivo. Ou seja, como um sistema assente na justa e merecida recompensa do esforço e do trabalho, para além dos privilégios do nascimento e da classe social e dos favores políticos, um sistema que premeia os melhores e, por isso, favorece o progresso. Confesso que nem sempre compreendia as críticas à meritocracia que se encontram, por exemplo, nos escritos de Luigino Bruni, economista que foi o diretor científico do evento A Economia de Francisco.

Michael Sandel é um professor de filosofia política da Universidade de Harvard cujo pensamento tem tido ampla divulgação em todo o mundo. Entre os seus livros mais famosos, e justamente apreciados, contam-se What Money Can´t Buy – The moral limits of markets (O que o dinheiro não pode comprar – Os limites morais dos mercados) e Justice – What´s the rightt thing to do (Justiça – O que devemos fazer?). No seu último livro, The Tyranny of Merit – What´s became of common good (A Tirania do Mérito – O que foi feito do bem comum?), dá-nos uma interessante reflexão que nos leva a questionar os verdadeiros “méritos” da meritocracia.

A tese central do livro é a de que a meritocracia leva a uma ética do sucesso que corrói a coesão social e o empenho pelo bem comum. Leva a pensar que quem tem sucesso, económico ou de outro tipo, recebe uma justa recompensa pelo seu trabalho, esforço e criatividade e que quem não tem sucesso sofre as consequências das suas faltas de empenho e diligência. Compreende-se que desta forma se aceitem as desigualdades de rendimentos e de reconhecimento social e a coexistência de dois mundos paralelos que não formam uma verdadeira comunidade. De um lado, temos a soberba (a hubris) dos vencedores, que olham com indiferença a sorte dos vencidos. De outro lado, temos o ressentimento e revolta dos vencidos. A tendência será a da indiferença perante a pobreza e até a culpabilização dos pobres pela sua situação, como tem sublinhado Luigino Bruni.

Para Michael Sandel, a globalização económica tem seguido esta lógica da meritocracia, com os seus vencedores e vencidos. As políticas seguidas por políticos de centro-direita e de centro-esquerda, com maior ou menor confiança nas regras do mercado, também têm seguido essa lógica (mais nos Estados Unidos, mas também na Europa): há que garantir uma igualdade à partida, uma igualdade de oportunidades, sem que daí tenha que resultar uma igualdade de resultados. Importante é garantir a possibilidade de cada um “subir na vida” (a famosa imagem do “elevador social”). Este fenómeno explica a atração que as propostas populistas têm tido junto dos vencidos da globalização, que em grande medida coincidem com as pessoas com menos qualificações académicas.

O livro questiona que a meritocracia corresponda à aplicação de verdadeiros critérios de justiça. Não apenas porque é muito difícil garantir a igualdade de oportunidades (a igualdade à partida); ou porque nenhum sucesso individual ocorre sem contributos da comunidade no seu todo; nem também por o valor económico dado pelos resultados do mercado não coincidir com o valor moral; mas, desde logo, porque os talentos (intelectuais ou físicos) são um dom natural e gratuito. É verdade esses talentos podem, ou não, ser desenvolvidos e postos a render pela iniciativa, pelo trabalho e pelo esforço, mas a iniciativa, o trabalho e o esforço nunca anulam diferenças naturais e inatas. Este facto deveria gerar a humildade e a gratidão da parte de quem tem sucesso, mais do que a soberba e a ilusão de auto-suficiência geradas pela meritocracia.

Essa consciência de humildade e gratidão, contra a ilusão da auto-suficiência e contra a divisão entre vencedores e vencidos, são essenciais para cimentar a coesão social e gerar a consciência de um projeto ao serviço do bem comum no âmbito de uma democracia autêntica. Não pode surgir um projeto comunitário comum entre grupos sociais que vivem em universos separados.

Uma leitura da tese deste livro à luz dos princípios da doutrina social da Igreja, sugere-me os comentários seguintes:

Ao analisar a génese histórica da meritocracia, Michael Sandel alude às suas raízes teológicas. Alude à ética do trabalho influenciada pelo pensamento protestante, na linha da tese de Max Weber sobre a ética protestante e o espírito do capitalismo, com a tendência para ver no sucesso económico um sinal da recompensa divina (apesar de esta consequência contrariar a ideia luterana e protestante da salvação como dom imerecido). Alude também às mais recentes correntes da “teologia da prosperidade” que inspiram setores evangélicos e algumas seitas. Justificar-se-ia, a este propósito, referir como a mensagem bíblica, do Antigo e do Novo Testamento, contraria uma visão do sucesso mundano como sinal da recompensa divina: quando se proclamam “bem aventurados os pobres” e “os que choram” e quando se revela um Deus que se identifica com os pobres e experimenta o mais absoluto insucesso mundano ao morrer crucificado.

Para além dos capítulos relativos ao diagnóstico dos males da meritocracia, no capítulo das propostas alternativas (que, devo dizer, poderia ser mais desenvolvido e completo), Michael Sandel destaca a importância do reconhecimento social da dignidade do trabalho (de todo e qualquer trabalho) como modo de realização da pessoa. Cita a propósito, e oportunamente, a encíclica Laborem Exercens de São João Paulo II e o documento dos bispos norte-americanos Economic Justice for All (Justiça Económica para Todos), de 1986.

A noção de “bem comum” de Michel Sandel, e o relevo que este lhe dá, de algum modo se aproximam (sem com eles se identificar) da noção da doutrina social a Igreja e do relevo que, nesta, o bem comum assume como princípio fundamental. Michael Sandel rejeita uma noção de “bem comum” como soma de preferências e interesses individuais de simples consumidores, que se limita à atividade económica. Alude a uma conceção cívica do “bem comum”, como projeto comunitário de uma sociedade boa e justa, de finalidades partilhadas, que cultiva virtudes cívicas e que permite a cada um viver vidas valiosas e realizadas (worthwile and flourishing lives). Na visão da doutrina social da Igreja, e segundo a definição da Gaudium et Spes (n. 26), o bem comum é “o conjunto das condições da vida social que permitem a todos, aos grupos, como a cada um dos seus membros, alcançar mais fácil e plenamente a sua perfeição”.

Em suma, estamos perante uma reflexão que, apesar de bastante centrada na realidade norte-americana, merece toda a atenção e destaque, como merecem os anteriores livros de Michael Sandel.

 

Pedro Vaz Patto é presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, da Igreja Católica

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Cacofonia

Os Dias da Semana – Cacofonia

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza novidade

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This