Iniciativa no Porto

O que quer fazer antes de morrer? Pense e escreva-o neste mural

| 22 Mai 2024

Mural antes de morrer, iniciativa da Compassio, no Porto. Foto Compassio

Em 2022, mais de 1.000 pessoas participaram nesta iniciativa da associação Compassio. Foto © Compassio

“Ler 1000 livros”; “Perdoar a minha mãe”; “Ganhar a Champions”; “Ver os meus netos crescerem”, “Ter uma 2ª oportunidade”. Estes foram alguns dos desejos deixados no mural colocado pela associação Compassio no Cemitério da Foz, no Porto, há dois anos. Desde esta quarta-feira e até ao próximo dia 12 de junho, um novo mural que convida a completar a frase “Antes de morrer, eu quero…” está no mesmo local, com o mesmo objetivo: “relembrar a finitude e a importância de aproveitar bem a vida”.

Em 2022, mais de 1.000 pessoas participaram nesta iniciativa. Mariana Abranches Pinto, presidente da Compassio, espera que o “mural tenha tanto sucesso como em 2022, a participação de miúdos e graúdos, porque tem mesmo sentido falar deste tema na comunidade: o que verdadeiramente é importante na vida? Como quero viver a vida?”, refere em comunicado enviado ao 7MARGENS.

O mural – que está inserindo no projeto “Porto Compassivo, uma comunidade que cuida até ao fim” e no projeto “Freguesia Compassiva” – é a versão portuguesa do projeto “Before I died”, da autoria de Candy Chang, que já esteve patente em 78 países, em 36 línguas, com mais de 5.000 murais em todo o mundo.

Criada em 2019, a Compassio é uma associação que pretende tornar o Porto uma cidade mais compassiva nas áreas do envelhecimento, da doença, da morte e do luto, do isolamento social e da solidão [ver 7MARGENS].

Há uma comunidade compassiva a crescer no Porto, e esta quinta-feira é possível conhecê-la melhor

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This