O Ramadão num tempo “espiritualmente violento”, explicado pelo xeque David Munir

| 12 Abr 2021

Xeque David Munir explica que o Ramadão é oportunidade para gestos de caridade. Foto ©Direitos Reservados

 

O mês mais importante do calendário islâmico, o mês de Ramadão, tem início na noite desta segunda-feira, com a Lua Nova, cerca das 20h10, num tempo “espiritualmente muito violento” por causa da pandemia.

“Foi no mês de Ramadão que Maomé recebeu as primeiras revelações, por isso se tornou sagrado este mês”, diz o xeque David Munir, imã da Mesquita Central de Lisboa, o principal lugar de oração dos muçulmanos em Portugal.

Numa explicação sobre o mês de Ramadão, gravada a convite do 7MARGENS, o xeque Munir recorda que o nono mês do calendário lunar (que tem 29 ou 30 dias e menos 10 ou 11 dias por ano que o calendário gregoriano) “cai”, em 2021 (ou seja, no ano de 1442 da Hégira), entre 13 de Abril e 12 de Maio.

“Ó crentes, foi-vos prescrito o jejum, como foi prescrito às nações e povos que vos antecederam, para que possais ser mais piedosos”, diz um dos versículos do Alcorão, que se refere a um dos pilares a que os crentes são convidados durante este mês especial.

Neste versículo, comenta David Munir, está explícita a importância do diálogo entre os crentes e a importância do jejum, como prática comum às diferentes tradições religiosas.

Um dos objectivos do jejum, acrescenta o imã da Mesquita de Lisboa, é “sermos piedosos, valorizarmos o que temos e que muitas vezes os outros não têm”.

Durante este mês, o crente é convidado a não ingerir alimentos, desde a aurora ao pôr-do-sol, não ingerir alimentos, o que significa, este ano, durante umas 13 horas e dez minutos, no primeiro dia e 14 horas e 20 minutos, no último dia. De qualquer modo, só aos muçulmanos adultos e saudáveis é exigida essa prática.

Além do jejum, os crentes são também convidados a ser mais perseverantes na oração diária, cinco vezes ao dia, e no apelo a mais generosidade, através de zakat, gestos de caridade que se devem ter de modo especial.

David Munir admite que, tendo em conta a pandemia, estes são “momentos difíceis”, com a maioria dos crentes a não poder ir às mesquitas e concretizar a dimensão comunitária que Ramadão também tem. Mas quando terminar o mês, o importante é cada crente “ser diferente, para melhor”, controlando “zangas, desejos” e tentando ser “bom cidadão e exemplar”.

Ouça aqui David Munir:

 

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This